cab ténis
A história de Marin Čilić, tenista croata, é digna de um livro. Depois de no ano passado ter sido suspenso após controlo um anti-doping em que acusou positivo, este ano o pupilo de Goran Ivanisevic, ex-vencedor de Wimbledon, conquistou o US Open sobre Kei Nishikori. O croata venceu o japonês por triplo 6-3, conquistando assim o primeiro troféu do Grand Slam, num US Open que não contou com um dos big four (Djokovic, Federer, Nadal ou Murray) no encontro decisivo.

Marin Čilić até iniciou a partida com pontos de quebra do seu serviço, mas acabou por dar a volta “ao texto” e conseguir quebrar o tenista japonês de forma a vencer a primeira partida por 6-3, distanciando-se a partir do 3-2. Na verdade, a história dos parciais não diferem muito uns dos outros. Aliás, o resultado é a prova máxima disso: no segundo set, Čilić quebrou do serviço do japonês no terceiro jogo e a partir daí foi gerindo a vantagem de forma a conquistar mais um parcial.
Na terceira partida, aquela que viria a ser a última, o ponto de break a surgiu ao quarto jogo e foi aproveitado pelo croata, que mais uma vez foi gerindo a vantagem até conseguir conquistar o ponto decisivo que o fez deitar-se no Arthur Ashe Stadium para celebrar a conquista do seu primeiro titulo do Grand Slam.

Marin Cilic com o troféu do US Open 2014 Fonte: The Telegraph
Marin Cilic com o troféu do US Open 2014
Fonte: The Telegraph

Marin Čilić tinha atingido o topo da sua carreira no ano de 2010 quando chegou ao 9º lugar do ranking mundial do ATP e a partir daí encontrou poucas vezes o caminho do sucesso, numa história que culminaria com a suspensão por controlo anti-doping positivo, em Munique, embora tenha ainda disputado o torneio de Wimbledon.

O croata pegou noutro croata, Goran Ivanisevic – até ao momento o único tenista que após ter recebido um wild-card (convite) conseguiu conquistar um torneio do Grand Slam -, que deixou o circuito de veteranos para o acompanhar e um ano depois os resultados estão à vista, com a conquista da edição de 2014 do US Open.

Regressando ao jogo, na verdade o japonês Kei Nishikori nem sequer jogou mal. Marin Čilić é que jogou muito bem. O croata distribuiu “pancada” de fundo de corte e foi assertivo na rede, matando assim por completo quaisquer hipóteses que Nishikori fosse criando. E o japonês, que até esteve para nem disputar o torneio, pode sair bem satisfeito com o facto de ter atingido a final deste US Open.

Para já, e após este último Grand Slam da temporada, Kei Nishikori ocupa o 8º lugar do ranking mundial e Marin Čilić o 12º, subindo três e quatro lugares, respectivamente. Na corrida aos Masters de Londres, o japonês ocupa o 5º lugar e o croata o 11º.

Comentários

Artigo anteriorPreciso de ti, meu Porto
Próximo artigoKagawa: O Bom Filho a Casa Torna
O Miguel jogou ténis durante mais de dez anos, sendo actual vice-presidente do clube ténis da sua terra natal, Almeirim. Para além disso, acompanha a modalidade desde 2008, tendo feito já a cobertura do Portugal Open, entre outros, e tendo sido já comentador convidado da Eurosport para a modalidade.                                                                                                                                                 O Miguel não escreve ao abrigo do novo Acordo Ortográfico.