Anúncio Publicitário

As conversas do GOAT (Greatest Of All Time) nunca estiveram tão acesas. Quando Rafael Nadal, em 2020 conquistou Roland Garros, frente a Djokovic, igualou os 20 títulos de Roger Federer e deixou o sérvio a três.

Uma diferença de três títulos de Grand Slam fazia antever que Djokovic estivesse condenado a nunca alcançar os números de Nadal e Federer, ainda para mais pois, olhando para o que foi o torneio de Roland Garros de Nadal em 2020, seria difícil imaginar Nadal a não vencer na terra batida de Paris em 2021.

Anúncio Publicitário

A verdade é que o sérvio não virou a cara à luta e entrou em 2021 focado em conquistar títulos de Grand Slam.

A preparação da época de Djokovic foi com um pensamento quase exclusivo nos Grand Slams e na ambição de, pelo menos, tentar chegar mais perto dos números de Federer e Nadal. Foi fortíssimo no Australian Open como, aliás, é seu apanágio e conseguiu reduzir a diferença para dois títulos.

Foi um batalhador nato, um poço de força mental e de foco, como também é sua imagem de marca, no Roland Garros e conseguiu ficar a apenas um título do suíço e do espanhol.

Estamos à beira de Wimbledon e a única certeza possível é que Novak Djokovic é de longe o mais forte candidato a vencer o torneio e chegar ao tão desejado 20.º título, deixando as contas totalmente igualadas entre o Big-3, algo realmente difícil de imaginar tendo em conta que Roger Federer conquistou o seu 20.º título em 2018, numa altura em que Djokovic tinha “apenas” 12.

Daí para cá, em 12 torneios do Grand Slam, Djokovic venceu oito! O sérvio pode ter muitos defeitos e muitos anticorpos no mundo do ténis, mas é inegável que nos últimos anos tem dominado o ténis mundial e, não sendo o mais querido do público, irá para sempre ter o seu lugar na história do desporto.

Djokovic pode escrever o seu nome, ainda mais, a negrito na história do ténis se conseguir fazer algo que nenhum dos outros conseguiu e que, nesta fase, só ele parece capaz, fazer o verdadeiro Grand Slam.

Apesar de o termo ser comumente usado para nos referirmos a títulos do Grand Slam, isto é, que compõem o Grand Slam, Grand Slam é a designação usada para quando um tenista consegue conquistar os quatro títulos do Grand Slam numa só temporada.

Este feito foi apenas alcançado por três vezes na história do ténis e na Era Open apenas uma vez, por Rod Laver, no ano de 1969.

É difícil imaginar um cenário onde Djokovic não entre como principal favorito tanto em Wimbledon, como no US Open, por isso a verdade é que, conseguindo capitalizar esse mesmo favoritismo, o sérvio tem uma oportunidade de ouro de o fazer.

E por falar em ouro, Novak Djokovic poderá ter, ainda, mais um objetivo em mente, fazer o que ninguém fez. O Golden Slam! O Golden Slam é o termo usado para quando um tenista soma o Grand Slam à medalha de ouro nos Jogos Olímpicos.

É verdade, temos Jogos Olímpicos este ano e o sérvio daria uma machadada forte na discussão do GOAT se conseguisse conquistar a medalha de ouro, até porque tal significaria que Roger Federer terminaria a sua carreira sem nenhum ouro olímpico em singulares.

Não faltam, por isso, razões para nos mantermos muito atentos ao percurso de Djokovic durante este ano e Wimbledon começa já na segunda-feira.

Foto de capa: Roland Garros

Anúncio Publicitário

DEIXE UM COMENTÁRIO

Comente!
Por favor introduz o teu nome