Cabeçalho modalidadesDecore bem esta data: 19 de janeiro de 2017 – o dia em que o super campeão Novak Djokovic, a jogar na sua superfície favorita e no torneio que já anteriormente venceu em seis ocasiões, foi eliminado na 2ª ronda do Australian Open, pelo menos cotado tenista uzbeque Denis Istomin, número 117 do ranking ATP. Apesar da, também surpreendente, eliminação de Simona Halep, na 1ª ronda do torneio feminino, frente à norte-americana Shelby Rogers, esta foi, sem dúvida, a maior surpresa da competição até ao momento e, para os amantes de ténis, uma das maiores perdas que o Australian Open poderia conhecer ainda numa fase prematura do mesmo.

Na Rod Laver Arena, viveram-se quase todas as emoções típicas das grandes ocasiões: euforia, tristeza, fúria, resignação. Num grande encontro de ténis, defrontaram-se, no court, um tenista a fazer a partida da sua vida e um amorfo ex-número 1 mundial. Após 4h48m de jogo, o primeiro acabou por sair vencedor, pelos parciais de 7-6(8), 5-7, 2-6, 7-6(5) e 6-4.
O encontro foi marcado, acima de tudo, pelo equilíbrio, em quase todos os momentos. Logo no (longuíssimo!) primeiro set, com 1h25m de duração, Istomin adiantou-se frente a Djokovic; apesar do já referido equilíbrio, o tenista uzbeque destacou-se pela sua maturidade tática, conseguindo contrariar, em muitas ocasiões, o jogo do sérvio. O segundo set não foi muito diferente, mas desta vez com Djokovic a fazer prevalecer os seus superiores recursos técnicos.

Fonte: Australian Open
Fonte: Australian Open

Após um terceiro set em que Nole parecia lançar-se em definitivo para a expectável vitória, Istomin reergueu-se e, no quarto parcial, chegou a estar a vencer por 4-1. Apesar de ter acabado por perder a vantagem, o uzbeque conseguiu vencer o set no tie-break. Na quinta e última partida, Djokovic continuou a apresentar-se mais errático do que é habitual (acumulou um total de 72 erros não forçados e 9 duplas faltas ao longo do encontro!) e Istomin, que nos cinco encontros anteriores nunca havia vencido mais do que um set ao tenista sérvio, acabou por carimbar a sua passagem para a 3ª ronda do Australian Open.

Com esta vitória, Denis Istomin, tenista que recebeu um wild-card para estar presente no Australian Open, foi o protagonista da maior derrota de sempre de Novak Djokovic em torneios do Grand Slam, e logo num torneio no qual o sérvio, desde 2011, apenas havia sido derrotado numa ocasião, por Stan Wawrinka. Na próxima ronda, o tenista uzbeque irá enfrentar o espanhol Pablo Carreño Busta, atual número 31 do ranking ATP.

Para Novak Djokovic, esta derrota, provavelmente a mais surpreendente da sua carreira, simboliza a prorrogação de um período de resultados mais negativos para o sérvio que, após a recente conquista do torneio de Doha, frente a Andy Murray, parecia já ter terminado. Por outro lado, este parece tratar-se do melhor presente que o tenista escocês poderia ter recebido rumo à (agora mais) provável conquista do quarto torneio do Grand Slam da sua carreira.

Foto de capa: Australian Open

Artigo revisto por: Francisca Carvalho

Comentários