Anterior1 de 2Próximo

Cabeçalho modalidadesPablo Carreno Busta é natural de Gijon, mas o Estoril Open já pode ser considerado como a sua casa. Semifinalista em 2013 e 2015 e finalista vencido em 2016, o espanhol conseguiu finalmente alcançar o tão desejado título na terra batida do clube de ténis do Estoril.

Agressividade e consistência no equilíbrio perfeito

O início do encontro foi marcado por algum nervosismo de ambos os jogadores. Uma troca de breaks nos dois primeiros jogos fazia antever uma partida bastante equilibrada, mas não foi isso que se viu daí para a frente. Muller, que estava a jogar a primeira final da sua carreira em terra batida, cometeu demasiados erros e de forma natural perdeu o primeiro set por um expressivo 6-2.

Na segunda partida, o luxemburguês tornou-se mais sólido, sobretudo no capítulo do serviço, em que ganhou 80% dos pontos em que serviu. Apesar do equilíbrio que marcou o segundo set, a balança haveria de pender novamente para o lado espanhol. Num tie break bastante disputado, Pablo Carreno Busta levou de vencida Muller por 7-5.

Fonte: Estoril Open
Fonte: Estoril Open

Apesar de não estarem disponíveis as estatísticas do encontro no que a erros não forçados diz respeito, é muito provável que a chave do encontro tenha sido essa. Na tentativa de ser agressivo e não ficar sujeito a longas trocas de bola, Muller acabou por cometer muitos erros, acabando por esbarrar na consistência do espanhol.

Um outro dado que ajuda a explicar a vitória de Carreno Busta foi a eficácia do seu serviço. Mesmo não servindo a grandes velocidades, o mais jovem espanhol nos 100 melhores jogadores do mundo conseguiu vencer 43 dos 58 pontos disputados no seu serviço.

Anterior1 de 2Próximo

Comentários