Habitualmente disputado em meados de fevereiro, já depois do circuito ter terminado a sua passagem pela Austrália e disputado o primeiro Grand Slam da temporada, a edição de 2021 da prova realizada na Flórida, Estados Unidos, foi antecipada para a primeira semana do calendário oficial da temporada tenística. Apesar dos muitos norte-americanos em prova, acabou por ser um europeu a levantar o troféu e a suceder a Reilly Opelka.

UM TORNEIO CARENTE DE ESTRELAS NO ELENCO

Sem surpresa, e à imagem do que aconteceu no outro torneio da semana realizado em Antalya, na Turquia, o ATP 250 de Delray Beach disputou-se sem grandes nomes da modalidade nas suas fileiras. Cristian Garín, 22.º classificado da hierarquia, era o primeiro cabeça-de-série, mas saiu de cena logo no seu encontro de estreia.

John Isner, o gigante norte-americano, era provavelmente o nome mais sonante do quadro e iniciou a prova como segundo cabeça-de-série. Contudo, acabou por cair, nos quartos-de-final, ao pés do compatriota Sebastian Korda, um dos mais promissores tenistas da nova geração dos Estados Unidos.

CHRISTIAN HARRISON, UMA HISTÓRIA DE SUPERAÇÃO

Depois de oito cirurgias, Christian Harrison, o irmão mais novo de Ryan Harrison, teve uma semana para recordar na prova norte-americana. Atual 789º do ranking, o tenista de 26 anos disputou, depois de ultrapassar a fase de qualificação, o seu primeiro torneio de categoria ATP desde 2018 e fez um brilharete. Para além de ter conseguido chegar à meia-final em singulares, a primeira a este nível da sua carreira, foi também finalista vencido da variante de pares ao lado do seu irmão mais velho.

Anúncio Publicitário

Pelo meio, conseguiu ainda gerar alguma polémica quando foi multado por recusar usar máscara na entrevista em court após a vitória na segunda ronda, erro que não voltou a repetir nos quartos-de-final.

SEBASTIAN KORDA VS HUBERT HURKACZ: LIMITAÇÕES FÍSICAS DO NORTE-AMERICANO AJUDAM O POLACO A MANTER-SE INVICTO EM FINAIS

Para a final ficou reservado um duelo entre dois jovens tenistas ainda a tentar deixar a sua marca no circuito. Sebastian Korda, de 20 anos, conseguiu, graças à prestação durante este torneio, colocar-se à porta do Top 100 e disputava a sua primeira final a este nível. Por sua vez, Hurkacz, de 23 anos e quarto cabeça-de-série, jogava a segunda final da carreira, depois de ter vencido Winston-Salem, em 2019.

Foi o norte-americano quem entrou melhor no encontro, ao quebrar em branco o polaco no seu jogo de serviço inaugural. Aliás, o início de jogo do favorito à partida para a final foi tudo menos famoso. Desconcentrado e displicente, acumulou vários erros não forçados, numa fase em que o serviço de Korda fazia moça e lhe permitia ganhar os pontos de forma rápida.

Fruto de um baixar de nível do jovem de 20 anos, com alguns erros não forçados e a ausência do primeiro serviço, Hurkacz foi lesto a aproveitar a primeira janela de oportunidade oferecida pelo adversário e devolveu o break para fazer o 3-3. O rumo do encontro mudou por completo após esta quebra de serviço. Problemas na resposta ao serviço e demasiados erros do americano iam dando vantagem ao polaco, que dominava também as trocas de bola mais longas.

Após uma longa batalha aos 4-3, Korda voltou a ceder o serviço e deixou Hurkacz a servir para vencer o set. O número 35 do ranking não desperdiçou a oportunidade e fechou a primeira partida, por 6-3, ao fim de 34 minutos.

A jogar com uma ligadura na perna esquerda desde o arranque do encontro, o início do segundo set ficou marcado pelos sinais, cada vez mais evidentes, de problemas físicos por parte do jovem norte-americano, que solicitou o fisioterapeuta ainda antes do 1-1.

Em notórias dificuldades e incapaz de se mover nas melhores condições, já depois da paragem para assistência médica, Korda não mais conseguiu competir ao nível necessário para criar problemas ao polaco que, mesmo tendo baixado o seu rendimento nos minutos seguintes, venceu de forma tranquila a segunda partida por 6-3.

Com esta vitória, Hurkacz vai ascender ao 29.º lugar do ranking mundial e consegue a proeza de vencer um torneio sem derrotar qualquer jogador do Top 100. Para além disso, conquistou o título sem ceder qualquer set.

Foto de Capa: ATP Tour

DEIXE UM COMENTÁRIO

Comente!
Por favor introduz o teu nome