Cabeçalho modalidades

A vertente feminina do Australian Open, como já vem sendo habitual, foi marcada por algumas surpresas nas rondas iniciais. De entre essas, a mais marcante talvez tenha sido a eliminação de Venus Williams, quinta cabeça de série, logo na ronda inaugural às mãos da talentosa Belinda Bencic. Daí em diante o torneio seguiu um curso relativamente previsível e as principais favoritas foram avançando até à segunda semana de competição.

Num torneio sem grandes surpresas, não foi também de estranhar que à final chegassem aquelas que foram (e o ranking não deixa mentir) as duas melhores tenistas dos últimos meses: Simona Halep e Caroline Wozniacki. Se por um lado a romena teve que deixar pelo caminho nomes como os de Eugenie Bouchard, Lauren Davis, Naomi Osaka, Karolina Pliskova ou Angelique Kerber no caminho até à final, a dinamarquesa afastou tenistas como Kiki Bertens, Magdalena Rybarikova, Carla Suárez Navarro ou Elise Mertens.

Anúncio Publicitário

Numa final que opunha duas tenistas que pretendiam sair de Melbourne no topo do ranking WTA e que, curiosamente, nunca haviam conquistado qualquer torneio do Grand Slam, não poderia esperar-se senão um grande encontro de ténis. Ambas as jogadoras apresentam caraterísticas defensivas propícias a longas trocas de bola, ambas lutam por cada ponto como se fosse o último e, como tal, sabia-se que o encontro se decidiria em pormenores.

Wozniacki continua em alta e ascende agora ao topo do ténis mundial Fonte: Facebook do Australian Open
Wozniacki continua em alta e ascende agora ao topo do ténis mundial
Fonte: Facebook do Australian Open

Juntando no mesmo court duas tenistas extremamente consistentes a ideia com que se fica é que ambas sentiram o peso do momento. Num encontro repleto de altos e baixos, de breaks e contra breaks (sobretudo no terceiro set), acabou por ser Caroline Wozniacki a levar a melhor por 7-6(2), 3-6 e 6-4 ao fim de 2h49m. Depois de estar a perder por 4-3 no set decisivo a dinamarquesa pediu assistência médica por lesão no joelho esquerdo e, daí em diante, tudo mudou e culminou com a sua vitória no encontro e no torneio (indo de encontro à previsão feita pelo “Bola na Rede”).

Para Wozniacki, esta conquista representa o seu primeiro título num torneio do Grand Slam e, mais de sete anos depois, o regresso ao lugar cimeiro do ranking WTA. Aos 27 anos de idade Wozniacki está a jogar o melhor ténis da sua carreira e, como tal, nem será de estranhar se novos grandes títulos vierem a ser alcançados num futuro próximo. Para já, e como a própria afirma, uma coisa é certa: já ninguém pode afirmar que a dinamarquesa foi número um mundial sem ter conquistado qualquer Major.

Foto de Capa: Facebook do Australian Open