É impossível começar este artigo sem não esboçar qualquer emoção perante a história que foi feita nesta modalidade. Este é um resultado que deve orgulhar todos os portugueses, pois é a prova de que o nosso voleibol está a crescer. São momentos como estes que fazem com que cresçamos e estejamos juntos dos melhores. Mas vamos à bela história que foi escrita pelo SL Benfica.

O SL Benfica voou para a Croácia com o pensamento de que tinha de vencer dois sets ao seu adversário, Mladost Zagreb. Só desta forma os encarnados tinham a possibilidade de ganhar novo bilhete e desta vez para uma viagem pelos melhores palcos da Europa da modalidade. A equipa estava mais do que motivada e ainda sem perder qualquer jogo oficial entrou com a vontade de vencer este último jogo de qualificação para a Fase de Grupos da CEV Champions League.

O jogo até começou muito equilibrado e o momento chave para desbloquear o primeiro set foi quando as águias abriram uma vantagem de quatro pontos (10-14). Depois, foi estar sempre atento na defesa e estar bem no ataque. A equipa de Marcel Matz mantinha sempre a vantagem de dois ou de três pontos e no final houve vitória de set por 20-25, a favor do Benfica. Os encarnados estavam a apenas um set de fazer história.

No segundo set, o Benfica voltou a entrar da melhor forma e esteve sempre na frente do set, exceto quando esteve empatado por 4-4. De resto, só deu Benfica durante todo o set e a vitória final do mesmo veio por um grande remate de Rapha, que foi considerado pela CEV, o melhor jogador em campo. Depois do 25.º ponto neste segundo e decisivo set houve festa por parte dos jogadores encarnados. Não era para mais, pois havia muitos motivos para festejar.

Anúncio Publicitário

Nos restantes sets (terceiro e quarto), o Benfica acabou por conceder o segundo set durante toda esta fase de qualificação. O terceiro set foi vencido pelos croatas por 25-20 e de forma justa. E para terminar a aventura pelas qualificações, as águias acabaram por vencer o quarto set por 21-25 (1-3). No final, foi mais uma vitória para os comandados de Marcel Matz, que fizeram seis vitórias em seis jogos – uma série muito positiva para os encarnados.

AGORA, É A HORA DOS TUBARÕES

Agora, é tempo de olhar para a frente e o que o Benfica tem perante si é um tanque cheio de tubarões. O sorteio estava praticamente decidido e os campeões nacionais ocuparam a última vaga no Grupo D. Este é um grupo que vai contar também com a presença dos italianos do Sir Sicoma Monini Perugia, dos franceses do Tours VB e também dos polacos do Verva Warszawa Orlen Paliwa.

Não vai ser um grupo fácil, contudo já se sabia que entrar nesta fase da competição seria para competir junto dos melhores. Estamos perante dois clubes com muita experiência a nível europeu, visto que Tours VB e Perugia já conquistaram competições europeias. É certo que o SL Benfica também já esteve perto da glória europeia na final da Taça Challenge em 2014/15, que acabaria por perder para o Vojvodina Novi Sad (Sérvia), mas esta é uma aventura totalmente diferente pela elite do Voleibol Europeu.

Devemos estar orgulhosos do nosso Voleibol estar a ser muito bem representado fora de terras lusitanas. É a maior competição de clubes da modalidade e, pela primeira vez na história da modalidade do clube, vai fazendo história aos poucos e com grandes exibições. Bem disse Marcel Matz que não estaria na competição para brincar e “brincar” foi uma palavra completamente excluída do vocabulário desta equipa. E ainda bem!

Agora? É continuar o excelente trabalho e pensar ainda mais além. O céu é mesmo o limite e tudo o que seja feito daqui para diante deixará, certamente, os portugueses ainda mais orgulhosos daquilo que será feito. Ousem sonhar e façam aquilo que melhor sabem, porque desta maneira os objetivos vão ser concretizáveis.

Foto de Capa: CEV

Artigo revisto por Inês Vieira Brandão