sl benfica cabeçalho 1

Se a memória não me falha, mas se falhar com certeza que alguém na caixa de comentários a vai avivar, era Leonardo Jardim, então treinador do Sporting, que falava em ter uma “árvore” na frente de ataque. No sentido figurado, porque isso o Sporting chegou a ter, não me digam que o Tanaka não parece um bonsai, mas sim um tipo com estatura e corpanzil para gladiar com os defesas.

Contudo, parece que foi o Benfica a realizar esse sonho. E sim, estou a par do Bas Dost. Para efeitos lúcidos e para que seja feita uma introdução à medida. Com os magníficos 78kg, um espectacular pé esquerdo, com uma exuberância que lhe é conferida pelo metro e oitenta e cinco de altura…Senhoras e senhores, meninos e meninas Haris “Quatro Golos na Época Toda” Seferovic!!!!

Há-de ser o primeiro reforço oficial do Benfica e um que já anda a ser falado há muito tempo. Quem olhar para o historial deste rapaz vê que ele já andou por bons clubes. Proveniente do Eintracht de Frankfurt, o suíço iniciou a sua carreira no Luzern, foi para o Grasshoppers, deu um salto até aos juniores da Fiorentina, voltou a casa para representar o Neu châtel Xamax, voltou aos Alpes para ir até ao Lecce, Fiorentina de novo, Novara da Série B, Real Sociedad e depois da Alemanha para Portugal. Enfim, mais parece que andou a fazer um Interrail do que a jogar futebol.

Todo este trajecto é de certa forma aceitável tendo em conta que no mundo do futebol este tipo de circunstância não é novidade, mas quando se fala de um ponta-de-lança as coisas assustam um pouco. É que Seferovic não um avançado com faro para o golo. O melhor registo foi em 2014/15, já em Frankfurt, quando apontou 11 golos no total da temporada.

Seferovic marcou 4 golos em 29 partidas ao serviço do Eintracht Frankfurt
Seferovic marcou 4 golos em 29 partidas ao serviço do Eintracht Frankfurt
Fonte: Instagram de Haris Seferovic

Sendo bastante directo, se Seferovic fosse mesmo uma referência na grande área, ele não tinha andado a passear desta maneira e na Bundesliga tinha-se destacado, basta ver os exemplos de Huntelaar ou de Pizarro, que apesar das viagens, fizeram sentir a sua presença por onde passaram.

Depois a contratação de mais um homem da frente, quando o Benfica já tem Jonas, Mitroglou e Jiménez, levanta algumas questões. Será que a vinda do internacional suíço é a propósito da saída de algum dos mencionados?

É sabido que Jiménez tem mercado na China e que uma eventual proposta de 35 milhões já terá chegado à Luz. Mitroglou parece ser dos três o que tem o lugar no plantel mais assegurado, visto que Jonas, embora fixo e de alma e coração no Benfica, já não caminha para novo e a aquisição de alguém para o lugar do brasileiro não era nada descabida.

Os números, apesar de serem a principal referência de um ponta-de-lança, não devem ser motivo para alarmismos.  Mais uma vez, Jonas é o exemplo. Quando o brasileiro chegou sabia-se que ele era bom, mas o número de remates certeiros, sobretudo ao serviço do Valência, não era o mais entusiasmante.

Seferovic pode ser mais desses exemplos. Quem sabe? Sei que na eventualidade do suíço fazer um golo ao Sporting, benfiquistas espalhados por este mundo dirão que ele deu “um beijo e um queijo” ao pessoal de Alvalade.

Foto de Capa: Instagram de Haris Seferovic

Comentários

Artigo anteriorMarco Silva: Demasiado competente para a Championship
Próximo artigoForça da Tática: Afinal, o Vitória também ganhou
João Valente é um apaixonado pela arte do futebol. Nascido e criado durante boa parte do tempo em Lisboa, começou a seguir este desporto com uns tenros quatro anos e, desde então, tem sido um namoro interminável. É benfiquista de gema – mas não um que só vê Benfica à frente! É alguém que sabe ser justo quer o Benfica ganhe ou perca e que está cá para salientar os porquês, na sua opinião, dos resultados. Como adepto de futebol que é não segue só a atualidade do futebol português; faz questão também de acompanhar a par e passo o que de mais importante acontece nos principais campeonatos. A conjugar com o seu interesse pelo futebol, e pela malha, desporto que descobriu porque o seu avô era campeão lá na rua, veio a escrita, forma que encontra de expor os seus pensamentos na esperança de um dia se tornar num grande jornalista de desporto, algo que dificilmente acontecerá mas, tudo bem, ele um dia há-de perceber isso.                                                                                                                                                 O João escreve ao abrigo do novo Acordo Ortográfico.