A pré-época do SL Benfica é como uma montanha russa que só sobe! Após o primeiro jogo frente aos belgas do Anderlecht, a equipa encarnada começou a subir e nunca mais parou.

A turma de Bruno Lage tem vindo a demonstrar um futebol de grande qualidade nas últimas partidas amigáveis. Depois do desaire no jogo de apresentação, em que perdeu por 2-1, a equipa vermelha e branca só sabe ganhar. E com qualidade!

A apresentação aos sócios não correu de feição aos encarnados, que perderam no seu próprio reduto, apresentando um futebol fraco e que pecava não só na construção, mas também na finalização.

Os pupilos de Lage sofreram dois golos em seis minutos num período de desatenção coletiva, que foram suficientes para que a equipa que se apresentava na condição de visitante tomasse conta do jogo. Ao passar do minuto 68, Chiquinho ainda fez levantar o Estádio da Luz, que já não se fazia ouvir em alto e bom som desde os dez minutos de jogo, altura em que Jonas, uma das maiores figuras do plantel, realizava os seus últimos minutos como profissional de futebol.

Anúncio Publicitário
Jonas tornou-se um ícone da equipa encarnada. Ao serviço das águias, realizou 183 jogos e apontou 137 golos, fazendo dele um dos jogadores mais acarinhados de sempre                                                      Fonte: Carlos Silva/Bola na Rede

A primeira partida fazia com que os adeptos temessem o futuro, contudo, o facto de defrontar uma equipa fisicamente mais capacitada nesta altura da temporada e o facto de haver muita rotatividade na formação concederam às águias o benefício da dúvida. E bem!

No segundo jogo de pré-época, o SL Benfica defrontou a Académica de Coimbra e, simplesmente, mostrou todo o seu poderio ofensivo.

A equipa aproveitava os erros do adversário, jogava com as linhas mais subidas, sem medo. Era notória a maior sinergia entre os jogadores, os passes eram acertados. Os remates, esses, na direção do alvo. Os adeptos mostravam-se tranquilos. O Benfica estava a jogar. O Benfica era o Benfica!

Resultado final, 8-0… Oito golos sem resposta, sem hipótese, frente a um adversário que aspira à subida na temporada que se avizinha. A partir daqui os adeptos só podiam pedir mais e o Benfica respondeu dentro de campo.

O Chivas Gualadajara foi o terceiro adversário do glorioso e saiu derrotado por 3-0 em jogo a contar para a International Champions Cup, nos Estados Unidos da América.

Raul de Tomas, Haris Seferovic e Rafa Silva fizeram os golos para a equipa encarnada numa vitória que convenceu pelo estilo de jogo apresentado. O ataque feroz visto pela última vez em Coimbra, frente à Académica, atravessou o Atlântico e fez mossa na equipa mexicana do Chivas.

Destaque para Caio Lucas, que tem conseguido imprimir a velocidade de jogo que lhe é caraterística e mostra a razão da titularidade. Também Raul de Tomas tem justificado, com golos, o valor pago pelo Benfica neste defeso.

No geral, os encarnados têm convencido, mas será que esta montanha russa vai continuar sempre a subir? Esperemos que sim e que seja com exibições tão convincentes como estas.

O entrosamento entre os jogadores tem melhorado significativamente e é de esperar que a equipa melhore, ainda mais, o seu estilo de jogo.

Foto de Capa: SL Benfica