Calhou o Fenerbahçe SK ao Sport Lisboa e Benfica, no sorteio para a 3.ª Pré-Eliminatória de acesso à UEFA Champions League. Os vice-campeões turcos não nos são desconhecidos, pois não foi assim há tanto tempo que estiveram no Estádio da Luz a disputar connosco o acesso à Final da Liga Europa 2012/2013.

O Fenerbahçe SK mudou esta temporada de treinador, tendo o conhecido holandês Phillip Cocu sucedido a Aykut Kocaman no comando técnico da equipa de Istanbul.

Cocu chega à capital turca, após se ter sagrado campeão da Eredivise ao serviço do PSV Eindhoven, o que faz com que o treinador de 47 anos tenha agora claras pretensões de construir uma equipa competitiva, de forma a poder recolocar o Fenerbahçe SK na rota dos títulos. Em relação à temporada passada, houve algumas saídas importantes na frente de ataque, nomeadamente Robin Van Persie, Vincent Janssen e Fernandão, mas o facto de terem mantido Giuliano, Mathieu Valbuena e adicionado o ganês André Ayew ao seu plantel, fez com que os turcos continuassem com um ataque de respeito.

Os jogos de pré-temporada efectuados pelo Fenerbahçe SK até agora não tiveram resultados nada por aí além (uma vitória, dois empates e uma derrota), no entanto, isso talvez seja o menos importante na altura de formar uma equipa e de impôr uma ideia de jogo. Tive a oportunidade de ver o jogo que terminou empatado 3-3 contra o Feyenoord e de tomar algumas notas que considero que teremos de ter em atenção neste duplo confronto contra os turcos.

Anúncio Publicitário

Defesa:

O sector defensivo do Fenerbahçe SK é composto por jogadores de larga experiência no futebol europeu. A começar na baliza, tanto o turco Volkan Demirel como o camaronês Carlos Kameni são duas opções de qualidade a ter em conta por Phillip Cocu. À frente, o quarteto defensivo mais forte e que muito provavelmente fará a maior parte dos jogos é composto, na lateral-direita, pelo chileno Mauricio Isla, no eixo central pelo russo Roman Neustadter e o eslovaco Martin Skrtel e, na lateral-esquerda, pelo turco Ali Kaldırım. À excepção do último, todos os elementos estão acima da casa dos 30 anos e são jogadores que passaram pelas maiores ligas e clubes da Europa, o que lhes confere uma experiência defensiva bastante importante.

Em termos de organização defensiva, o Fenerbahçe SK apresenta um bloco médio-alto, com um foco muito grande no portador da bola, tentando sempre exercer sobre este uma pressão sufocante. Por norma, esta pressão começa com os três avançados a condicionar, logo à partida, a primeira fase de construção do adversário.

Ataque:

Apresentando-se num sistema em 4x3x3, do meio-campo para a frente são várias as boas opções que o Fenerbahçe tem para construir a sua equipa. Começando no sector intermediário, o experiente turco Mehmet Topal é o elemento mais bem preparado para dar equilibrio à equipa, através do seu sentido posicional e leitura defensiva do jogo.

À sua frente, os brasileiro Souza (ex-Futebol Clube do Porto) e Giuliano, os turcos Ozan Tufan, Salih Uçan e Mehmet Ekici ou o jovem macedónio de 18 anos Elif Elmas são todos jogadores capazes de acrescentar bastante qualidade ao meio-campo dos vice-campeões turcos. Para o ataque, sobressaem nomes como os turcos Alper Potuk e Baris Alici, o francês Mathieu Valbuena, o espanhol Roberto Soldado ou o ganês André Ayew.

No que toca à organização ofensiva, fazendo uso da sua forte pressão em busca da recuperação da bola, o Fenerbahçe SK incide muito o seu jogo na transição ofensiva, sendo muito raras as vezes em que constroem jogo desde trás. Quando com a bola, apostam em ataques rápidos ou bolas longas e directas.

O SL Benfica terá de fazer uso do seu “factor casa” e tentar decidir a eliminatória logo no Estádio da Luz
Fonte: SL Benfica

Em suma, o adversário que vamos encontrar não é nada acessível. Temos qualidade suficiente no plantel para passar ao Playoff de acesso à UEFA Champions League, mas, ainda assim, Rui Vitória terá de ter bastantes cautelas na forma como vai preparar a equipa, uma vez que os jogadores e modelo de jogo do Fernebahçe SK poderão criar sérias complicações ao SL Benfica. Talvez a melhor maneira de bater os turcos seja apostar num jogo com critério, de construção apoiada, sem partir e afastar os sectores, pois este adversário não irá desperdiçar muitas situações que advenham da sua forte transição ofensiva, tendo em conta a qualidade que tem ao dispôr no sector atacante.

Não é fácil começar em casa nestas eliminatórias, mas o SL Benfica terá de retirar daí as suas vantagens e fazer uso do “factor casa”, de forma a conseguir uma vitória esclarecedora e sem golos sofridos. Todos sabemos o quão difícil é enfrentar o ambiente caseiro das equipas turcas e não nos vale de nada estar com um pé fora da competição antes de jogar o segundo jogo da eliminatória.

Vamos lá limpar a vergonhosa imagem da época passada. Pede-se um SL Benfica europeu, contundente e ganhador!

Foto de Capa: SL Benfica

Artigo anterior«Nunca podemos subestimar a concorrência»: Francisca é de uma Laia especial
Próximo artigoDe olhos no título
Alfacinha de gema e Benfiquista por natureza, Bruno é um obcecado por Futebol e foi através da escrita que encontrou a melhor forma de dar a conhecer essa sua paixão pelo desporto-rei. É capaz de estar desde Segunda-feira até Domingo à noite a ver todos os jogos que passam na TV. Terá sido em pequeno que toda esta loucura futebolística foi despertada pelo seu Pai e pelo seu tio que, respetivamente, o levavam ao Estádio do Restelo e ao Estádio da Luz. Bruno não suporta facciosismos e tenta sempre ser o mais crítico possível para com o seu clube.                                                                                                                                                 O Bruno não escreve ao abrigo do novo Acordo Ortográfico.