Passou a turbulência no voo da Águia. O Sport Lisboa e Benfica conseguiu virar a página e reentrar na luta pelas competições com bastante qualidade e excelentes exibições, sendo que, para isso, muito contribuiu o trabalho que Bruno Lage veio a promover ao longo destes quase dois meses à frente da equipa técnica da Luz.

Devido às circunstâncias em que a equipa se encontrava, o começo não foi nada tranquilo. Lage tinha pela frente uma tarefa hercúlea, uma vez que os jogadores se encontravam com os índices anímicos bastante baixos, descrentes das suas próprias capacidades e acabados de sair de um período de um futebol triste, desconexo e sem ideias. Por outro lado, havia a questão de os adeptos estarem cada vez mais descontentes com o estado atual da equipa e sem a esperança de que a mesma se pudesse reencontrar. Ora, com isto, o novo técnico do SL Benfica teria de arranjar forma de elevar a crença dos adeptos, reabilitar os jogadores e retomar o caminho das vitórias e exibições bem conseguidas.

O discurso de Bruno Lage começou por indicar isso mesmo. Queria que os adeptos estivessem com a equipa, mas admitindo desde logo que tal só aconteceria se dentro de campo se mostrassem argumentos para tal. Daí que as agulhas se tivessem virado de imediato para “a tarefa”, como tantas vezes referiu o ex-técnico da Equipa B. Lage arregaçou as mangas e trabalhou muitos aspetos que antes estavam ausentes.

Fez regressar o 1x4x4x2 (assim mesmo, com o “1” antes da linha de quatro defesas, pois o guarda-redes também conta para o modelo de jogo), trabalhou o posicionamento dos jogadores, aumentou a intensidade no momento de Transição Defensiva e houve uma maior procura do controlo do jogo com bola. Apesar de nessa fase inicial ainda não existir um momento ofensivo deslumbrante, o que é facto é que a Base de Lage estava criada. A equipa estava estabilizada e, a partir daí, começou a trabalhar-se os aspetos ofensivos.

Bruno Lage tem tido imenso mérito neste novo SL Benfica e ganhou crédito suficiente para continuar no comando técnico da equipa principal “encarnada”
Fonte: SL Benfica

Desde o jogo em Alvalade frente ao Sporting CP (que terminou com a vitória do SL Benfica por 2×4) que a equipa tem vindo a mostrar níveis exibicionais brilhantes. A juntar à já muito bem trabalhada Organização Defensiva, o que temos visto a crescer de forma exponencial é precisamente o momento ofensivo. Quando a equipa recupera a bola, cada jogador sabe exatamente o que tem de fazer e onde se posicionar. Mais uma vez, “a tarefa”.

Bruno Lage não tem tido muito tempo para treinar devido aos jogos que têm existido com bastante proximidade, mas a equipa tem mostrado uma evolução enorme de jogo para jogo, sendo hoje bastante competente em todos os momentos: de Organização Defensiva, com um posicionamento exemplar e estruturado, de Organização Ofensiva, com um ataque posicional forte, móvel e um excelente aproveitamento dos corredores laterais e central, de Transição Defensiva, com uma reação à perda de grande qualidade, intensa e asfixiante e, finalmente, de Transição Ofensiva, com saídas rápidas e incisivas para o ataque e com um ataque à profundidade de grande excelência.

O processo coletivo da equipa está hoje bastante trabalhado e isso fez com que o nível exibicional de certos jogadores tivesse também aumentado. Gabriel Appelt, Rafa Silva e Haris Seferovic, por exemplo, estão num momento de forma extremamente positivo, assim como André Almeida, que até parece hoje um lateral bastante competente a atacar. A utilização de certos jovens e a potencialização de todo o seu talento, nomeadamente Rúben Dias, Ferro, Florentino Luís e João Félix, tem estado também em evidência.

Esta mudança e lufada de “ar fresco” que Bruno Lage veio trazer levou a que Luís Filipe Vieira olhasse para o técnico setubalense com outros olhos. Se, numa fase inicial, Lage estaria a prazo, o que é facto é que deixou de estar. Provou que era talhado para o lugar e Vieira decidiu mantê-lo até ao final da temporada. Continuou o excelente trabalho e as dúvidas foram desfeitas: Lage renovou o seu vínculo com o SL Benfica (com a mesma duração, mas com um aumento de salário) e continuará como técnico principal para a próxima temporada. Da parte de Bruno Lage, há que continuar o excelente trabalho que tem vindo a fazer e da parte da Direcção há que lhe dar todas e as melhores condições. Venha agora a Reconquista!

Artigo corrigido por Mariana Coelho

Foto de Capa: SL Benfica

Comentários

Artigo anterior«Fazer a diferença todos os dias» – Entrevista a André Ramos
Próximo artigoA recuperação mágica de Marega!
Alfacinha de gema e Benfiquista por natureza, Bruno é um obcecado por Futebol e foi através da escrita que encontrou a melhor forma de dar a conhecer essa sua paixão pelo desporto-rei. É capaz de estar desde Segunda-feira até Domingo à noite a ver todos os jogos que passam na TV. Terá sido em pequeno que toda esta loucura futebolística foi despertada pelo seu Pai e pelo seu tio que, respetivamente, o levavam ao Estádio do Restelo e ao Estádio da Luz. Bruno não suporta facciosismos e tenta sempre ser o mais crítico possível para com o seu clube.                                                                                                                                                 O Bruno não escreve ao abrigo do novo Acordo Ortográfico.