benficaabenfica

Jogo previsivelmente complicado na Luz, onde 56 mil almas marcaram presença para ajudarem o Benfica a arrumar o fantasma de Maio passado. À semelhança do que aconteceu nesse jogo, o Benfica iniciou o jogo em alta rotação, ciente da importância do jogo e da qualidade do adversário – afinal, o Estoril é a segunda melhor equipa a jogar fora de casa no campeonato português. Mas a diferença e o início do enterro do fantasma começou logo aos 6 minutos: canto de Gaitán e Luisão cabeceou certeiro para o fundo da baliza de Vagner. O mais difícil estava conseguido. Pouco tempo depois, Rodrigo finalizou de primeira após cruzamento de Siqueira em vinte minutos já se registava 2-0 no marcador. Enorme suspiro de alívio para os adeptos benfiquistas, bem recordados da também boa entrada no jogo em Maio passado mas não materializada em golos.

Na primeira parte, pouco perigo a equipa visitante criou. Não obstante a maior posse de bola (40% contra 60%), o Estoril não fez um único remate nos primeiros 45 minutos. Esse só veio aos 51, por Bruno Lopes, com Oblak a controlar o lance. Lima fez o 3-0 após excelente envolvimento atacante do Benfica mas o auxiliar de Paulo Baptista viu um fora-de-jogo inexistente e anulou. Daí para a frente, o Benfica, como tem sido sua marca esta época, controlou o jogo de forma exemplar, não permitindo grandes aventuras aos estorilistas. Num remate fora da área, Lima testou a atenção a Vagner, que pouco depois responderia com uma excelente defesa a boa jogada de Rodrigo, concluída com pé direito.

Apenas nos últimos quinze minutos o Estoril voltou a incomodar a defensiva encarnada. De livre directo, e após ressalto em Garay, Evandro atirou ao poste da baliza de Oblak. Estrelinha de campeão? Talvez. Mas para a história fica um jogo de grande qualidade do Benfica, que cedo aproveitou as oportunidades que criou e assim facilitou a árdua tarefa que teve pela frente. Assente na segurança defensiva – 1 golo sofrido nos últimos 16 jogos – e no excelente controlo de jogo, os 7 pontos de vantagem para o Sporting são a luz ao fundo do túnel do título. Está mais perto do que antes desta jornada? Sem dúvida. Mas na próxima temos um jogo de elevada dificuldade na Choupana, que só um resultado favorável no Sporting – Porto poderá atenuar.Estamos perto do 33º, mas ainda falta. Antes, visita a White Hart Lane, onde se pede a Jorge Jesus uma gestão inteligente e ponderada, como tem feito até agora.

Luisão apontou o primeiro golo do Benfica Fonte: Facebook do Sport Lisboa e Benfica
Luisão apontou o primeiro golo dos encarnados
Fonte: Facebook do Sport Lisboa e Benfica

A Figura
Gaitán – Esta águia agradece voar nas asas de Nico Gaitán. Em momento de forma assombroso, joga, desequilibra e faz a equipa jogar. É dele a assistência para Luisão no primeiro golo.

Anúncio Publicitário

O Fora-de-Jogo
Estoril – Não retirando mérito à extraordinária temporada que tem feito, esperava mais do Estoril hoje. Boa circulação de bola mas que não foi concretizada em verdadeiros lances de perigo.