coraçãoencarnado

Derby lisboeta, paixão e emoção à flor da pele. O Belenenses chegava ao Estádio da Luz com confiança e crença num bom resultado, no seguimento de uma boa campanha na Primeira Liga. Apesar do volumoso resultado, o jogo não foi tão fácil como parece. Durante a primeira parte, um Benfica esforçado tentou derrubar a barreira dos azuis do Restelo mas sempre sem efeito. Apesar da tentativa de imprimir um ritmo de jogo, a verdade é que durante a primeira parte este Benfica mostrou-se algo fragilizado e sem ideias. Com poucas oportunidades de golo (lembro-me de um remate de Nico e outro de Talisca), o Belenenses mostrou-se consistente e coeso no seu processo defensivo.

Festejo do primeiro golo benfiquista, após o desbloqueio do marcador Fonte: Facebook Benfica
Festejo do primeiro golo benfiquista, após o desbloqueio do marcador
Fonte: Facebook Oficial do Sport Lisboa e Benfica

Com a segunda parte veio provavelmente um Benfica com as orelhas quentes dos gritos do Jesus, e um Belenenses confiante de que Fredy e Fábio Nunes poderiam fazer a diferença na frente. Lima entrou a seguir ao intervalo, dando lugar à saída de Talisca (o nosso Rivaldo esteve desinspirado). O golo apareceu por volta do minuto 65, uma altura em que tanto os adeptos como os jogadores se começavam a mostrar algo ansiosos pela falta de golos e soluções ofensivas. Este golo não foi um qualquer, até porque foi Lima que o marcou. O avançado está de volta aos golos, e espero sinceramente que esta seja a injecção de confiança de que ele tanto precisava. Depois disso veio um penálti sobre Enzo, marcado pelo mesmo. 2-0. O Benfica tinha tornado o jogo mais simples, tornando-o agora mais partido. O génio de Gaitán saiu da sua caixa para, ao minuto 82, nos oferecer uma jogada mágica. O Messi da Luz, após arrancar do meio-campo e contornar três homens do Restelo, ofereceu o golo a Toto Salvio. Para quem não tenha visto, que vá imediatamente degustar este hino ao futebol!

Como nota final, gostaria de realçar as boas exibições de Jardel, Gaitán e o importantíssimo regresso aos golos de Lima. Por outro lado, mais uma exibição apagada de Samaris e de Talisca. Um forte abraço aos 46 000 espectadores que apareceram no Estádio da Luz.

A Figura:

Nico Gaitán – O argentino voltou a provar que é a estrela deste Benfica, capaz de resolver qualquer jogo. O seu trabalho no terceiro golo mostra a confiança que aquele pé esquerdo respira, regalando-nos os olhos.

O Fora-de-jogo:

Miguel Rosa e Deyverson – Os dois jogadores não jogaram contra a sua ex-equipa, ficando na bancada da Luz. Parece-me que já chega destas situações, com contratos pouco transparentes e cláusulas que só prejudicam o futebol.

Foto de capa: Steve Gardner (Flickr)

Comentários

Artigo anteriorAcadémica 0-3 FC Porto: Um encanto
Próximo artigoA fortaleza do Dragão
O Francisco é um emigrante mas não é por isso que sente menos o seu Benfica. Contou-nos que só pára de gritar com as paredes do seu quarto madrileno quando as palavras chegam ao Estádio da Luz. Desde 1991 que o seu coração é encarnado, por fora e por dentro. Recusa-se a perder um jogo e sabe os números dos jogadores de trás para a frente! Só tem saudades do seu Eusébio e de vez em quando mete-se no avião para cheirar a relva da Luz.                                                                                                                                                 O Francisco não escreve ao abrigo do novo Acordo Ortográfico.