Terceiro Anel
Não, não estou a falar da importante auto-estrada do Norte do país, mas sim da via aberta para o título que se desenhou depois do esclarecedor triunfo do Benfica por 4-0, diante do Penafiel. Só por manifesta incompetência o campeão nacional poderá deixar fugir a hipótese de se sagrar bicampeão nacional, 31 anos depois, numa altura em que os comandados de Jorge Jesus até se podem dar ao luxo de perder em Guimarães, na próxima jornada. Já o Penafiel acabou por ver consumada a descida de divisão, cenário que se afigurava como mais do que provável de há algum tempo a esta parte.

Perante cerca de 58 mil espectadores no Estádio da Luz, o Benfica entrava em campo com a convicção de que só um cataclismo evitaria uma vitória na partida desta tarde. E de facto, as águias geriram o desafio quase a seu belo prazer, não obstante a atitude personalizada do conjunto duriense. Sem nada a perder, o Penafiel nunca estacionou o autocarro e tentou sempre fazer a vida negra ao Benfica, mas a diferença de potencial dos dois plantéis é avassaladora e a partir do primeiro golo dos encarnados a sentença final foi quase ditada. Mas desengane-se quem pensa que o Benfica realizou uma grande exibição. A equipa da Luz jogou o suficiente para ultrapassar mais um obstáculo rumo ao título, apesar de aqui e ali ter havido nota artística, sendo o primeiro golo do desafio a prova viva disso.

Numa excelente jogada de combinação entre Jonas, Maxi Pereira e Lima, o avançado brasileiro não perdoou e bateu o guarda-redes iraniano, Haguigui, através de um portentoso cabeceamento. A partir dali, e com maior ou menor dificuldade, o Benfica foi sustendo o ímpeto penafidelense, numa partida marcada por um ritmo algo lento para o qual também contribuiu o calor que se fez sentir na cidade de Lisboa. Até que aos 30 minutos surgiu o segundo momento que fez estremecer a Luz: o 2-0 para o campeão nacional obtido por intermédio de Jonas em mais um excelente lance individual (e vão 28 golos em todas as competições para o dianteiro brasileiro, que assim voltou a igualar Jackson Martínez na lista dos melhores marcadores do campeonato). Estava praticamente garantida a 26ª vitória da prova para o Benfica, estava o Penafiel praticamente condenado à descida de divisão.

~Lima continua a ser importante Fonte: Facebook do Sport Lisboa eBenfica
Lima continua a ser importante
Fonte: Facebook do Sport Lisboa eBenfica

Na etapa complementar o cenário não se alterou. Futebol algo previsível, toada morna, Estádio da Luz em festa a celebrar um possível bicampeonato que caminha a passos largos para se tornar bem real. Jorge Jesus pôde ir rodando a equipa, retirando do terreno um apagado Sulejmani para a entrada de Ola John e substituindo um Salvio em risco de exclusão e vindo de lesão por Talisca. Pelo meio, e num ápice, mais dois golos para o Benfica que fizeram o resultado final, por intermédio de Pizzi, num remate colocado, e através de Lima, que aproveitou uma tremenda fífia de Romeu Ribeiro, chegando assim aos 17 golos na liga, entrando assim de uma forma clara na luta pelo título de melhor marcador deste campeonato.

O técnico do Benfica certamente que só não contou com a amostragem de um cartão amarelo a Samaris, que o impossibilita de dar o seu contributo à equipa no importantíssimo jogo de Guimarães. Todavia, nem isso fez esmorecer os ânimos dos adeptos benfiquistas que proporcionaram, do princípio ao fim, um ambiente muito festivo nas bancadas da Luz. Ainda houve tempo para Rúben Amorim alinhar no meio-campo do Benfica, por troca com Samaris, e para assistir a um ou outro assomo de ambas as equipas, destacando-se o irrequieto Aldair, jogador da equipa duriense que também entrou no segundo tempo.

No final da partida, sentimentos completamente antagónicos. Um Benfica em estado de alegria, ainda que controlada, com a plena consciência de que para a semana a nação benfiquista poderá entrar em polvorosa (poucos acreditarão que o FC Porto perca o desafio de amanhã). Em contraste fica a tristeza da equipa do Penafiel, que acaba por ter uma passagem por este campeonato sem honra nem glória, apesar de ficar a ideia no ar de que com Carlos Brito mais cedo ao leme deste conjunto… as coisas talvez pudessem ter sido diferentes.

Por último, e como nota final, um elogio para a dupla Lima/Jonas: é um regalo ver estes dois avançados em acção. Total entrosamento, conjugação de operariado e de classe, conjugação de eficácia e de classe. Com estes dois futebolistas na frente, e num momento de forma tão apurado como aquele por que estão a passar neste momento, é normal que o Benfica esteja tão perto de almejar o êxito.

Figura do jogo: Lima – Grande exibição do avançado brasileiro que está a atravessar um notável momento de forma. Numa altura em que se fala sobre a sua permanência na Luz, ficou mais uma vez provado que Lima continua a ser muito útil ao campeão nacional.

Fora-de-jogo: Penafiel – Não tanto por esta partida, em que o Penafiel se apresentou de uma forma bastante digna, mas sim pelo campeonato realizado. Com claras debilidades no plantel, cedo se percebeu que muito dificilmente a equipa duriense continuaria no escalão maior do futebol português. Talvez Carlos Brito seja mesmo o homem certo para recolocar o Penafiel no trilho dos bons resultados.

Comentários