Terceiro Anel

No dia em que completa o seu 111.º aniversário, a equipa de futebol do Sport Lisboa e Benfica decidiu presentear os seus adeptos com uma exibição de altíssimo nível, mormente na primeira parte, que acabou por dizimar um Estoril irreconhecível e que viu assim ainda mais aumentada a sua crise, sofrendo a quinta derrota consecutiva.

Numa partida marcada pelo regresso de Nico Gaitán, o mago do campeão nacional, os comandados de Jorge Jesus tinham a noção de que um triunfo frente aos canarinhos seria importantíssimo, em virtude do FC Porto vs Sporting de amanhã. Frente a um Estoril que se viu privado de Yohan Tavares e de Rúben Ferreira, habituais titulares no eixo defensivo da formação de José Couceiro, as águias desde logo mostraram que fariam desta partida um autêntico passeio. Com um futebol total, condimentado com inúmeras jogadas de classe, o Benfica ia fazendo a cabeça em água aos jogadores estorilistas. Foi o regresso do estilo “rolo compressor” das equipas orientadas por Jorge Jesus, para gáudio dos 46 mil espectadores presentes no Estádio da Luz, que proporcionaram um grande ambiente no estádio. Logo aos 11 minutos Jonas enviou uma bola ao ferro da baliza de Kieszek, após uma excelente jogada colectiva dos encarnados.

Esse foi claramente o prenúncio daquilo que viria a seguir. Sem tirar o pé do acelerador, o futebol da equipa da casa era irresistível. E depois…o massacre total: 17 minutos de jogo, golo de Luisão fruto de um potente e colocado cabeceamento; 26 minutos, golo de Salvio depois de um excelente passe de Lima; 33 minutos, excelente golo de Pizzi após um remate colocado; 35 minutos, jogada simplesmente sensacional com conclusão de Jonas, já depois de Gaitán e Maxi Pereira darem um festival de futebol envolvente em plena grande área do Estoril. O Benfica ia para os balneários a vencer por 4-0, mas acima com a consciência de ter rubricado uma primeira parte de excelência.

Em 11 jogos na Luz para o campeonato…10 vitórias para o Benfica Fonte: facebook do Sport Lisboa e Benfica
Em 11 jogos na Luz para o campeonato…10 vitórias para o Benfica
Fonte: Sport Lisboa e Benfica

Na etapa complementar, o previsível. A equipa da Luz surgiu menos explosiva, a preferir trocas de bola com segurança, a gerir o jogo com a maior tranquilidade possível. Já o Estoril surgiu no segundo tempo com uma maior vontade de diminuir o tremendo desequilíbrio, mas nem por isso deu para atenuar as evidentes e graves fragilidade do conjunto da Linha. E a situação ainda piorou mais para o Estoril quando o Benfica obteve o quinto golo, por volta dos 56 minutos, na marcação de uma grande penalidade bem executada por Lima. Contudo, e num jogo tão calmo, houve lugar para uma expulsão: Anderson Esiti foi admoestado com um segundo cartão amarelo aos 69 minutos, por cortar um lance de ataque do Benfica com a mão, embora se pedisse maior bom senso a João Capela, árbitro do desafio, que mesmo num jogo completamente decidido optou por contribuir para que o calvário do Estoril ainda se tornasse maior.

Até ao final da contenda, nada de extraordinário. O Benfica sentia-se como peixe na água no jogo, o público benfiquista não parava de cantar, mais uma etapa rumo ao tão desejado bicampeonato estava prestes a ser ultrapassada. Porém, ainda houve tempo para mais um golo, o segundo da conta pessoa de Jonas, que se limitou a encostar para a baliza depois de uma defesa de Kieszek a remate de Ola John.

Resultado final, um esclarecedor 6-0 que vinca bem a enorme superioridade dos pupilos de Jorge Jesus. De facto, que sábado para o campeão nacional, em dia de aniversário. Foi o clube aniversariante que decidiu vestir o fato de gala e assim presentear a sua massa adepta com aquela que foi, muito provavelmente, a melhor exibição da temporada. E que tónico vencer assim quando se entra na recta final do campeonato. Quanto ao Estoril, José Couceiro tem a vida muito dificultada. Não que pareça que a permanência do Estoril esteja em perigo no escalão maior do futebol português, mas depois de duas épocas soberbas…é estranho ver um Estoril tão banal e frágil como aquele que se tem visto.

A Figura:

Primeira parte do Benfica – Na primeira metade do desafio o Benfica foi demolidor, soberbo, irresistível. Com o melhor futebol de que há memória neste campeonato, o campeão nacional não deu a mínima hipótese. A jogada do quarto golo é qualquer coisa de memorável.

O Fora-de-jogo:

Falta de bom senso de João Capela – Quando o marcador marca 5-0 para o Benfica, quando o jogo é na Luz, quando o Estoril está moribundo, manda a lucidez que não se expulse um jogador por algo que não seja grave. Anderson Esiti acabou expulso numa situação em que se justificava uma maior percepção do jogo por parte do árbitro lisboeta.

Foto de Capa: Sport Lisboa e Benfica

Comentários