Terceiro Anel
E pronto, cá temos João Rodrigues de regresso. Não, não emigrei. Não, não abandonei o site. Não, não fui trabalhar para a CNN. Apenas me mantive ocupado durante todo o Verão (sim, muito lazer incluído), logo só neste dia 18 de Setembro é que tive oportunidade de voltar a escrever sobre a tal entidade que me faz enlouquecer a toda a hora: o Sport Lisboa e Benfica.

E a verdade é que puxei um pouco a cassete atrás, e acabei por reparar que não escrevia sobre o maior de Portugal desde o dia 22 de Maio. Posta essa observação, iniciei todo um processo de reflexão, e cheguei à seguinte conclusão (quer dizer, conclusão que não constituiu propriamente nenhuma novidade): ser benfiquista é como estar numa montanha-russa, tão depressa em cima como em baixo.

Ora bem, no dia 22 de Maio eu era um homem completamente eufórico, a viver em estado de graça. Tinha acabado de ver o meu lindo clube a ganhar tudo o que era prova nacional, a ir a uma final europeia, a parar o país de lés a lés. Aí já tinha a noção de que vários jogadores poderiam vir a sair do clube, mas como adepto fascinado nem perdia muito tempo a pensar nisso. Depois veio o Campeonato do Mundo, a Selecção Nacional acabou por me ocupar um pouco mais o pensamento (mas não há mesmo nada que chegue perto do Benfica), e pronto…uma pessoa lá se esqueceu um pouco do mercado, apesar das polémicas que começavam a surgir em torno de Enzo Pérez.

Que momentos como este se repitam ao longo desta temporada, vezes sem fim  Fonte: Público
Que momentos como este se repitam ao longo desta temporada, vezes sem fim
Fonte: Público

Encerrada a participação portuguesa no Mundial, eis que surgiu o pânico! Momentos pavorosos! Cada instante era um terror! Vendas intermináveis, notícias constantes sobre possíveis saídas, Sport Lisboa e Benfica quase sem atletas. Eu ali, a querer aproveitar o Verão, mas a ir para a praia com um nó na garganta, a ouvir os cochichos dos homens reformados sobre o clube de sonho, a recear que a qualquer momento alguém me ligasse dando conta de uma venda estrondosa. Só se vendia, apenas se comprava “refugo”, sportinguistas e portistas não paravam de gozar. E depois, depois…(posso saltar esta parte?) veio esse torneio londrino, Emirates Cup, em que eu dei por mim a ver o Benfica a levar 5 secos do Arsenal, ao mesmo tempo que no eixo defensivo jogávamos com esses imponentes Sidnei’s e César’s e com um requintado Luís Felipe na lateral direita. Admito: naquela tarde de sábado, 2 de Agosto de 2014, eu fiquei a tremer, andando sem rumo de um lado para o outro, repetindo a mim mesmo e com toda a gente que só por milagre o Benfica ascenderia de um 8º posto no campeonato.

Porém, como quase sempre acontece, vi que o meu lado exagerado de benfiquista estava a falar mais alto. Os Enzos e Nicos desta vida ficaram, o Presidente tranquilizou-me após uma mais do que necessária entrevista, o Samaris chegou, Júlio César veio para destronar Artur (o homem que necessita mesmo de um mês de férias no Tibete), Cristante é um diamante por lapidar.

Anúncio Publicitário

Vencemos a Supertaça (9 anos depois!) e iniciámos o campeonato com 3 vitórias em 4 jogos. O Talisca já encantou, no meio-campo até temos mais opções, entretanto Jonas embarcou em Lisboa para nos ajudar nas provas nacionais, Jorge Jesus parece mais calmo. Perdemos no arranque da Champions, não perdemos? Sim, perdemos. Mas penso mesmo que se tratou de uma derrota compreensível, tendo em conta as incidências (Vieira, é para comprar um defesa-central no mercado de Inverno!).

Se tenho medo do FC Porto? Medo, não. Mas tenho muito respeito. Com aquele plantel vão dar uma luta terrível. Se acho que o Sporting está arrumado? Não, não está, mas com aquela dupla no eixo defensivo dificilmente conquistarão um campeonato. Se confio no Sport Lisboa e Benfica? Sim, confio. Se acho que sou um adepto benfiquista emocionalmente instável? Sim, sou. Mas sou como mais 5 milhões e 999 mil adeptos, que tão depressa assobiam aos 10 minutos de jogo, como aplaudem de pé a equipa sob inúmeros cânticos depois de uma derrota (sim, arrepiei-me).

Se vou regressar com muita vontade para este site? Sim, vou mesmo! Grande projecto, com grandes pessoas, com grandes amigos. Que seja um grande ano desportivo para todos, mas em especial para o meu Benfica, a minha “droga”.