Carlos Vinícius é o quinto reforço do SL Benfica para atacar a temporada 2019/2020! Aos 24 anos, foi contratado em definitivo ao Nápoles por 17 milhões de euros. Assinou contrato por cinco temporadas, até 2024, com a cláusula de rescisão fixada em 100 milhões, informou o clube à Comissão do Mercado de Valores Mobiliários (CMVM).

O ponta de lança brasileiro regressa a Portugal, depois de ter representado o Real SC (2017/2018) e o Rio Ave FC (2018/2019), antes de ser emprestado ao Monaco, onde jogava até se mudar de novo para o futebol português.

Formado no Santos e no Palmeiras, iniciou a carreira profissional em 2016 no também clube brasileiro Caldense. Antes de chegar a Portugal por empréstimo, representou o Grémio Anápolis em 2017. Nesse percurso, começou por chamar as primeiras atenções. Até concretizar, em julho desse ano, o sonho de jogar na Europa! Ao serviço do Real SC, na Segunda Liga, o camisola 95 – número que partilhou no Nápoles e Rio Ave – foi o segundo melhor marcador da competição com 19 golos, tendo apontado mais um na Taça da Liga. Totalizou 39 jogos. Mas não foi suficiente para salvar o clube da descida de divisão (terminou na última posição).

Seguiu-se o Nápoles. Fez a pré-temporada e saiu de imediato. Não vingou. Foi de novo emprestado, desta vez ao Rio Ave, onde na Primeira Liga, adquiriu os minutos e a experiência que precisava. Num patamar de maior exigência, foi o melhor marcador dos vila-condenses em toda a época, com 14 golos em 20 partidas. Três deles aos três grandes, curiosamente!

As boas prestações e o destaque que mostrou levaram-no, em janeiro, para o Monaco, onde cumpriu a segunda metade da época. E, de novo, emprestado pelo Nápoles! Pela terceira vez na curta e já promissora carreira! Com o regressado Leonardo Jardim no comando, estreou a camisola 11 e foi utilizado por 16 vezes. Continuou a marcar golos. Desta vez, foram mais dois.

No final da época, o mercado de transferências coincidiu com o namoro com o Benfica, onde chega na segunda metade de julho. Em declarações à BTV, Vinícius afirma que é “um sonho realizado”. Por se tratar da terceira temporada em Portugal, mostra-se conhecedor da realidade que vai encontrar. Já conhece o inferno da Luz enquanto adversário e desta vez irá vivê-lo enquanto jogador das águias. Esta consciencialização torna-se um fator importante para se adaptar ao campeão em título, onde pretende ser mais um para ajudar a cumprir os títulos e os objetivos para a nova temporada.

Com um contrato de cinco épocas, Carlos Vinícius quer continuar a vencer, ao mesmo tempo que vive o sonho de representar o Benfica
Fonte: SL Benfica

Quem já privou com Carlos Vinícius aponta-lhe caraterísticas que podem ser mais-valias para um clube grande como o Benfica: além da potência muscular, aliada à forte estrutura (1,90 cm e 86 kg), tem vindo a transformar a capacidade de remate, pressiona e desequilibra bem, é explosivo e agressivo, domina o um para um, o controlo e a progressão com bola. Daí resultaram muitos dos golos que marcou ao longo da carreira.

Como já foi referido, é ponta de lança, embora começasse por jogar a médio centro no Brasil. Mas as caraterísticas que apresentava assemelhavam-se mais a um homem forte no ataque, pela forma habilidosa como ganhava a bola e arrancava para a baliza, deixando os oponentes para trás.

Constitui uma aposta de futuro e o valor que o Benfica pagou por ele, bem como a cláusula de rescisão, provam isso mesmo. Como é óbvio, a pressão não podia ser maior. Sendo um clube campeão, cujos objetivos passam por revalidar os títulos e ganhar outros tantos, as expetativas são muitas. Por isso, para um reforço, a adaptação tem de ser mais rápida. O que não duvido, dado o método de trabalho de Bruno Lage e restante equipa técnica. A este nível, adequa-se ao sistema tático do setubalense, que privilegia o ataque organizado, que resulta na maior parte das vezes em contra-ataque e/ou ataque rápido. Sendo ponta de lança, Vinícius mais facilmente pende para um dos corredores, onde habitualmente recupera as bolas e estabelece um trajeto rápido para chegar às redes adversárias. O Benfica pode e certamente vai explorar essa vertente, que Vinícius irá intensificar sempre que for chamado.

Mas não nos esqueçamos da forte concorrência para a posição, onde existem mais três opções para um, eventualmente dois lugares no onze-tipo (Seferovic, Raul de Tomas e Cádiz – que deve ser emprestado), o que pode influenciar o tempo e a forma de utilização. Ao que tudo indica, o brasileiro será a terceira opção no ataque, sendo mais provável o espanhol e o suíço alinharem de início. A não ser, no entanto, que Lage adapte Vinícius para segundo avançado ou para um dos corredores, visto que também se sente confortável nessa posição. Se o mercado significar as saídas de Cervi, Zivkovic e eventualmente Jota, sobrarão Caio Lucas, Pizzi, Rafa e Chiquinho. E, mesmo assim, a concorrência volta a ser forte!

É certo que, com Lage, os jogadores têm utilização regular desde que o provem nos treinos. A chegada de Vinícius significa isso mesmo: a prova de que realmente vai constituir um ponto forte no Benfica. Caso contrário, voltará a não vingar e os 17 milhões poderão significar uma perda significativa de dinheiro quando se trata de uma aposta que, sendo de futuro, é para aplicar de imediato. Mas sou positivo e acredito que Carlos Vinícius será uma grande mais valia para o Benfica versão 2019/2020. Tem é de fazer por isso! E o trajeto, esse, não será nada fácil!

Foto de Capa: SL Benfica

Comentários