sl benfica cabeçalho 1

A época começou e uma das maiores discussões no plantel benfiquista residia na posição de extremo. Salvio manteve-se e no Verão chegaram Zivkovic, Carrillo, Rafa e Cervi. Muitos lugares para um poleiro – neste caso dois. O peruano Carrillo, pela sua história com o maior rival, era o que despertava maior curiosidade dentro das hostes encarnadas. Depois de alguns meses a grande nível no Sporting, Carrillo teve uma primeira metade de época complicada no Benfica. E só agora, com mais oportunidades, mostra a sua qualidade, ainda insuficiente para entrar no onze, segundo Rui Vitória…

Rui Vitória tem pautado as suas opções pelo conservadorismo e, até, alguma teimosia. Não há lugar para alterações, mesmo que alguns jogadores possam estar em sub-rendimento. Cervi passou muito tempo no onze e apenas o despertar de talento de Zivkovic e a boa forma de Rafa obrigou o técnico a resguardar o argentino como arma secreta. Do outro lado, Salvio tem sido sempre escolha, quando há outras opções…

Carrillo, na primeira metade da época passada – com Jorge Jesus a fazê-lo crescer –, teve grandes actuações no lado direito do meio-campo. O peruano teve sempre o talento do seu lado, porém, isso não chegava. Carrillo começou a ser um jogador mais cerebral, com capacidade de jogar em zonas interiores, disciplinado em termos tácticos e, acima de tudo, competente na definição dos lances.

É claro que não se pode definir sempre bem. A qualidade defensiva do adversário, aliada à (des)inspiração do jogador, pode redundar numa noite menos feliz. Ainda assim, percebendo que o Benfica adopta um futebol de desequilíbrio e de vertigem, o contributo de Carrillo – com um futebol mais pensado e elaborado – poderia dar outra qualidade de jogo às águias. Rui Vitória tem a palavra.

Anúncio Publicitário

Foto de Capa: SL Benfica

Artigo revisto por Mafalda Carraxis

Comentários

Artigo anteriorNES e um FC Porto de classe
Próximo artigoRui Costa – Um início de época (bastante) promissor!
O futebol acompanhou-o desde sempre. Do amor ao Benfica, às conquistas europeias do Porto, passando pelas desilusões dos galácticos do real Madrid. A década continuou e o bichinho do jornalismo surgiu. Daí até chegarmos ao jornalismo desportivo foi um instante Benfiquista de alma e coração, pretende fazer o que mais gosta: escrever e falar sobre futebol. Com a certeza de que futebol é um desporto e ao mesmo tempo a metáfora perfeita da vida.                                                                                                                                                 O Jorge não escreve ao abrigo do novo Acordo Ortográfico.