Querido Pai Natal,

Já se passou algum tempo desde a última vez que te escrevi. Talvez por achar que nos últimos tempos não há nada que eu queira em particular ou talvez porque simplesmente esperava pedir algo a sério, algo que quero mesmo e pelo qual anseio já há algum tempo.

Não te venho pedir bens materiais, a única coisa que lhe quero pedir realmente é amor, é felicidade, é vibração. Sim, eu quero amor à camisola, eu quero ver a felicidades nos nossos jogadores e nos adeptos que me rodeiam. Na verdade, o que eu quero mesmo é o meu Benfica de volta.

Sabes, Pai Natal, uma vez quando era criança, pedi-te um equipamento do Benfica. Parece que me portei bem nesse ano, porque me deste exatamente o que eu queria e eu tive um Natal mais feliz. Foi tão bom abrir aquele presente e ter um equipamento com o nome do Sabry. Talvez muita gente não se lembre dele, mas eu nunca mais me vou esquecer. E desde essa altura, até antes, eu já vibrava com o Benfica, já cantava as músicas, já gritava golo e também já mandava vir com os jogadores pela televisão, mesmo sabendo que não iam ouvir. Vê só o meu amor pelo clube.

Voltando ao que te quero pedir… Este ano gostava e queria muito que o Benfica voltasse a ser o mesmo que era antes de Rui Vitória ser escolhido como treinador. Sim, Pai Natal, eu já percebi que ele é boa pessoa, mas isso não chega quando se está à frente de um clube tão grandioso como é o meu, um clube de história!

Alguns jogadores do Benfica marcaram presença numa ação solidária, na Associação de Jardins-Escolas João de Deus, na Amadora
Fonte: SL Benfica

São muitos os jogadores que temos, todos com valor, mas uns parecem não estar no lugar certo. E é para isso que serve o mercado de transferências, para se fazer um “vaivém” de jogadores quando é necessário. Qual é a ideia de comprar jogadores se pouco ou quase nada se utilizam?

Mas o grande problema do Benfica, infelizmente, não é só esse. Parece que deixaram de saber jogar à bola, que não lutam pelas vitórias (só de vez em quando). Por vezes, os que mais brilham, os que mais mostram jogar à bola, são os mais novos. Aquela qualidade técnica do João Félix, aqueles remates certeiros do Gedson que nos deu um belo golo na Allianz Arena este ano e que se tornou no “nosso” Golden Boy. Mas não, não são só os mais novos.

Acho que o Pizzi, apesar das fracas exibições do Benfica, tem estado num nível bastante melhor comparado com certas alturas. O Jonas, que para mim já jogou melhor, mas que continua a ser um dos melhores marcadores do Benfica estando neste momento em igualdade com Rafa, que também tem surpreendido. O Grimaldo, o nosso defesa que às vezes parece o Speedy Gonzales e que às vezes me deixa pasmada com certas jogadas e golos. Também temos o Seferovic, que não foi assim tão bem recebido por alguns, mas que tem tido tempo para mostrar o que vale. O Zivkovic, que com um 1,69 cm, por vezes, fura mais que um berbequim. O Salvio, o Fejsa, tantos outros. Todos com tão boas qualidades e tão bem desperdiçadas.

Pai Natal, se considerares que estou no direito, queria pedir-te outra coisa. Queria pedir-te que ofereças uns patins. Não a mim, ao nosso querido Rui Vitória. Mas não é para ele se magoar, confia, é só mesmo para ele ir embora a desfilar. Pensando melhor, talvez seja preferível um avião, ou um jato privado, que pelo menos andam mais rápido e é certo que o vão levar para longe.

Desculpa a minha ironia, mas estou cansada de ver mau futebol e de o ouvir dizer que fizeram “uma ótima exibição”. Como é que ele é capaz de dizer isso e não mete a mão na consciência? Estas prestações do Benfica fazem-me lembrar do torneio de inter-turmas quando andava no 6º ano. Éramos uma equipa de raparigas que não sabiam jogar à bola, mas jogámos melhor o suficiente para sermos as campeãs (parece as vitórias do Benfica, se é que me entendes).

Pizzi: “No Benfica é sempre proibido escorregar!”
Fonte: SL Benfica

Eu quero mais do Benfica! Quero mais “show de bola”, quero mais garra. Quero voltar a arrepiar-me só com jogadas, quero festejar os nossos golos e goleadas com adeptos que não conheço de lado nenhum, mas que partilham a mesma felicidade que eu. Quero os nossos jogadores a jogarem como jogavam antes, com vontade, com querer! Quero que acabe a ingenuidade (ou o que lhe queiram chamar) do nosso treinador, aquela “coisa” de ele achar que o Benfica está a dar o seu melhor em cada jogo. Por favor, alguém lhe diga que ele está redondamente enganado.

Esta é uma época de amor, de paz. Por isso, Pai Natal, e com todo o respeito, queria pedir-te ainda outro presente, mas este é para o meu clube. Eu sei que eles não se estão a portar da melhor maneira, mas talvez com um presente eles ficassem mais incentivados. Talvez com um novo treinador, embrulhadinho e tal.

Talvez quando vier da Lapónia possas passar pela Arábia Saudita e dar um ar da tua graça, por exemplo. Mas só se não for pedir muito. Mas por favor, dá-me o meu Benfica de volta, dá-me os nossos campeões outra vez. Não deixes que uma só pessoa faça deles um alvo por parte dos adeptos, porque para isso já nos chega o Sporting. Por favor, Pai Natal, dá-me vitórias merecidas e não vitórias por sorte. Dá-me muitos golos, porque um golo por jogo sem saberem muito bem como não é suficiente. Isto não é raça de campeão, é apenas uma equipa a desmoronar-se por causa de um treinador que não sabe o que fazer com os jogadores e de um presidente que não sabe tomar as devidas medidas.

Por isso, espero ter-me portado suficientemente bem este ano para que possa ter as prendinhas que te pedi. Se achares que não consegues trazer tudo sozinho com o Rodolfo, diz-nos, que nós adeptos podemos ceder-lhe o nosso “colinho” para o ajudar.

Foto de Capa: SL Benfica

Comentários

Artigo anteriorCarta Sportinguista ao Pai Natal
Próximo artigoCarta Portista ao Pai Natal
A Mafalda é uma pessoa simples, contenta-se com o que tem, mas que dá tudo o que pode. Ela é desastrada, mas gosta de ter as suas coisas organizadas. Ela é extrovertida, no entanto, quando o assunto é sério, não há quem lhe tire a atenção. Por vezes ela é tão perfeccionista que chega mesmo a irritar. Ela é persistente, mas sabe quando tem de parar de insistir. Ela é realista e honesta. Dispensa brincadeiras de mau gosto. Com ela ou é oito ou oitenta.                                                                                                                                                 A Mafalda escreve ao abrigo do novo Acordo Ortográfico.