O Benfica goleou, na última jornada, o Boavista, numa partida onde os centrais Jardel e Rúben Dias marcaram dois golos.

Há muito que o Benfica tem duplas de centrais com “queda” para o golo mas muitas vezes não concretizam com eficácia esses lances de perigo muito devido à falta de qualidade nos lances de bola parada.

Este ano, em particular, e diferente dos últimos quatro, o Benfica tem tido uma péssima participação em lances, principalmente, de canto. Já tivemos Pizzi a batê-los, Salvio, Grimaldo, tantos, e raros são os cantos onde a bola chega com qualidade ao centro da grande área. Pior, para mim, é ver os jogadores do Benfica a tentarem concretizar jogadas estudadas nestes lances, jogadas que, na maior parte dos casos, não dão em nada e podem oferecer a bola ao colectivo contrário.

A dupla Jardel-Ruben Dias tem funcionado tanto defensivamente, como ofensivamente
Fonte: SL Benfica

Na última partida, e na primeira parte, Cervi concretizou dois pontapés de canto que deram inicio a dois golos dos nossos centrais. Rúben Dias abriu o marcar e Jardel fechou-o da primeira parte. A prova clara de que temos dois centrais goleadores e com qualidade para ampliar e decidir resultados que necessitamos semanalmente.

Não posso esquecer que no banco temos também Luisão. O central brasileiro é também um central goleador e prova disso é que nos últimos quatro anos marcou doze golos com a camisola do Benfica. Sem dúvida que temos centrais com qualidade para finalizar, mas muito dos lances têm obrigatoriamente de ser criados por assistentes que não falhem nas suas responsabilidades.

O resto da temporada é importantíssima para nós. Necessitamos de golos e se for preciso que sejam os centrais a mostrar esse lado mais ofensivo. Para tal é necessário um bom trabalho de equipa e esperar que os nossos defesas façam o melhor possível.

Foto de Capa: SL Benfica

Comentários

Artigo anteriorVítor Oliveira: O Treinador da Moda
Próximo artigoJogo Limpo: Análise à 23ª jornada da Primeira Liga
O João é benfiquista desde que se lembra. Nascido e criado em Aveiro, com uma experiência de cinco anos de vida em Moçambique, vive em Lisboa desde Agosto de 2015. A acompanhar os jogos do Benfica desde sempre e sem falhar a presença no Estádio da Luz pelo menos uma vez por ano, desde sempre que escreve textos pessoais acerca do Benfica e sobre o futebol em geral. Com coragem para defender e criticar o clube da Luz sempre que for preciso, tem mais interesse pela arte do futebol praticado do que pelas polémicas ou aspectos que mancham o desporto rei.                                                                                                                                                 O João escreve ao abrigo do novo Acordo Ortográfico.