O Sport Lisboa e Benfica parte para mais uma pré-temporada como campeão nacional. Contudo este estatuto vive assombrado pela má gestão que foi executada no Verão transacto. Este é um Benfica imaturo, em fase de crescimento. É um plantel com necessidade de ser consolidado, a exigir tempo de trabalho e integração. O título de campeão nacional traz consigo o acesso directo à fase de grupos da Liga dos Campeões e assim um maior fôlego na organização de uma pré-temporada ao gosto da equipa técnica.

Bruno Lage é um treinador do treino. Vai ser pelo tempo de treino que irá consolidar as suas ideias na equipa. Tem uma ideologia de jogo, uma identidade própria a implementar. Trabalhou durante 5 meses uma equipa que não era sua e conseguiu assumi-la. Deu o seu toque e agora tem dois meses para verdadeiramente a caracterizar à sua imagem. E a evolução do plantel entre estas duas épocas tem necessariamente de ser feita à imagem de Lage.

Bruno Lage tipicamente parece favorecer um 4-4-2 com extremos a actuar mais como médios ofensivos, laterais a dar a largura ofensiva, um avançado de ligação a procurar o espaço para receber a bola e dois médios tanto com qualidade posiconal defensiva como com capacidade de distribuir jogo. Além disso favorece a capacidade de pelo menos um dos centrais poder ser o primeiro organizador de jogo da equipa. Os golos voam de pé em pé, de cabeça em cabeça, ao gosto de seja qual for o jogador que no dinamismo ofensivo surja em zona de finalização.

Olhemos então para o plantel com que Lage trabalhou de forma a percebermos onde há necessidade de mudanças.

Guarda-Redes: Odysseas, Svilar e Zlobin. Um sector onde parecia que estávamos finalmente resolvidos mas o final de época do greco-alemão provou-nos errados. Se de um lado acumulou grandes defesas, do outro acumulou grandes falhanços. Ficam dúvidas se tem consistência para ser o dono da baliza encarnada e no banco não há nenhuma opção que esteja, pelo menos para já, com capacidade para a função. A procura de um guarda-redes no mercado parece-me ser uma das prioridades mais cuidadosas e minuciosas que a Direcção deverá ter este Verão. A ser contratado que venha um guardião à imagem de Lage – qualidade de passe e liberto das amarras dos postes.

Laterais: A direita é do Almeida e a esquerda do Grimaldo. O Grimaldo é craque, integra-se perfeitamente nas ideias do Lage e seria importante que continuasse na Luz. O André tem a personalidade adequada mas não o talento exigido. O Yuri não tem qualidade para o plantel do SL Benfica e acredito que no Seixal possa haver uma solução mais interessante. Na direita o Corchia não funcionou e o Ebuehi ainda não teve oportunidade de se mostrar. O SL Benfica necessita de um lateral direito um pouco à imagem do Nélson Semedo. Será o nigeriano a opção?

“O Ferro é tudo o que o Lage gosta para aquela posição e o Dias tem potencial para ser o líder da defesa, apoiar o Ferro e capitanear o Sport Lisboa e Benfica”
Fonte: SL Benfica

Centrais: Rúben Dias, Ferro, Jardel e Conti. O argentino não tem lugar no plantel e o recém-capitão é mais importante no balneário do que no relvado. O Jardel será o ideal terceiro central. Compensa a menor qualidade com o seu espirito mas não o suficiente para poder ser o central que sai com a bola controlada. Dias e Ferro é uma dupla à Benfica, que serve os interesses de Bruno Lage e que tem tudo para ser a nova dupla de ouro do futebol português. O Ferro é tudo o que o Lage gosta para aquela posição e o Dias tem potencial para ser o líder da defesa, apoiar o Ferro e capitanear o Sport Lisboa e Benfica. Enquanto a qualidade do primeiro é inquestionável, a do Dias continua a deixar dúvidas – abordagens defensivas muito pouco clarividentes vão manchando algumas das suas exibições. Com a qualidade que temos no Seixal não vejo à partida necessidade de se contratar um central para o lugar do Conti. Se o mercado levar à saída do Rúben Dias, nasce a oportunidade de irmos contratar um centralão que crie uma dupla de ouro europeia com o Ferro.

Médios: Samaris, Fejsa, Gabriel, Florentino, Gedson e Krovinovic. A dupla está garantida com a qualidade apresentada esta época tanto pelo Samaris como pelo Gabriel. A qualidade e a ligação entre ambos. A eles junta-se claramente o Florentino já com o potencial todo confirmado. Pelas fragilidades fisicas que tem apresentado e principalmente pela alteração do sistema de jogo – agora num meio-campo com dois médios lado a lado – esta parece-me a altura exacta para o Fejsa experimentar outros campeonatos. O Krovinovic precisa urgentemente de jogar e assim só me parece recuperável se esta época for emprestado. Sobra então o Gedson a juntar-se às opções do meio-campo e ainda a muita qualidade que existe no Seixal. Contratar por contratar? Nesta posição não me parece haver urgência de reforços. A contratar só se for um excelente médio para ser o patrão do meio-campo encarnado pela sua qualidade posicional sem bola e a sua capacidade de passe. Não é nada prioritário.

Médios Ofensivos/Alas: Aqui mora a maior criatividade da equipa. Seja em progressão ou no rolar da bola, seja pela linha ou pelo centro do terreno, seja no passe ou na bela finalização. Pizzi, Rafa, Zivkovic, Salvio, Cervi, Taraabt e Jota. Sete para duas posições. Pizzi e Rafa são donos dos lugares, um a rasgar em progressão e outro a rasgar com a imaginação. A eles junta-se aquele que ainda é a minha grande esperança – o sérvio Zivkovic, um jogador mais à imagem de Pizzi. O Cervi é aquele jogador que menos se adequa a esta equipa, tanto pelo estilo como pela qualidade. Na porta de saída portanto. Aos três já indicados junta-se o rasgo do Salvio e ainda aquele que pode ser o jogador a explodir esta época: Jota. Evidentemente estas são posições onde não há qualquer necessidade de reforços.

Avançados: Jonas, João Félix e Seferovic. Aqui mora a dupla fantasia – Jonas e João Félix. É maravilhoso sequer imaginar estes dois em par a abrir as defesas adversárias e a vergar cada guarda-redes que os oponha. A dar-lhes cobertura o também excelente Seferovic. Tendo em conta que Rafa e Jota podem andar por estes terrenos à partida não haverá necessidade de qualquer reforço. Contudo temos a situação física de Jonas. Está o brasileiro apto para mais uma época de águia ao peito? Não podendo contar com Jonas, será crucial ir ao mercado procurar um reforço para o ataque. Um avançado mais à imagem de Seferovic. Não um pinheiro. Um jogador com qualidade técnica, qualidade nas movimentações e qualidade frente à baliza. Um jogador que obrigue o suiço e o João a renderem o dobro para não sentirem o desconforto do banco.

“Um Benfica que tem tudo para ser verdadeiramente uma equipa de Champions. O Benfica Europeu”
Fonte: SL Benfica

Resumindo, um SL Benfica já forte e só a necessitar de dois ou três reforços. Uma equipa somente a necessitar de treino para ganhar uma nova identidade. Um Benfica que tem tudo para ser verdadeiramente uma equipa de Champions. O Benfica Europeu. Para isso deve obrigatoriamente manter os seus principais craques e continuar a investir nas pérolas que em Janeiro surgiram do Seixal.

Treino, um guarda-redes, alguns reforços defensivos e deixar a bola rolar.

Foto de Capa: SL Benfica

Comentários