Jan Vertonghen, também conhecido como Super Jan, é reforço para o setor defensivo do Sport Lisboa e Benfica. O internacional belga, de 33 anos, chega ao clube da Luz como jogador livre, mas nem por isso será uma contratação barata.

O jogador, que dividiu a sua carreira entre o AFC Ajax e o Tottenham FC (pelo meio, uma passagem de uma época, por empréstimo dos primeiros, pelo RKC Waalwijk, da Holanda), vai pertencer ao clube dos mais bem-pagos do plantel encarnado, auferindo cerca de 2,5 milhões de euros limpos (talvez mais), e recebe um prémio de assinatura não revelado, mas que será, por certo, avultado.

No entanto, a qualidade paga-se e Vertonghen tem qualidade suficiente para ser verdadeiramente um reforço e não apenas uma contratação, que nem sequer teria retorno financeiro (pelo menos, de forma direta, através de uma revenda). Como tal, a ideia tem que passar – e passa – por uma aposta para o imediato e para a titularidade. Naturalmente, é isso que vai acontecer.

A qualidade do belga, por si só, já é um garante da sua titularidade absoluta, ao lado de Rúben Dias. Essa qualidade, aliada à falta de soluções para o eixo da defesa das águias, fortalece essa garantia e, mais importante ainda, deixa patente que a intenção de subir o nível do plantel (em termos individuais e coletivos, em termos exibicionais e de experiência) vai ser materializada.

Rúben Dias continuará a ser o patrão da defesa encarnada
Fonte: Carlos Silva/Bola na Rede
Anúncio Publicitário

Com 1,89m e uma capacidade física e atlética ainda acima do razoável (não o suficiente para aguentar toda uma época na Premier League, daí o abandono do Tottenham FC), Jan preza pela capacidade de desarme, de posicionamento e no jogo aéreo. É, e será, uma voz de comando, tendo um perfil de liderança de que o SL Benfica está carenciado, e pode, em circunstâncias especiais, alinhar como defesa-esquerdo.

Essa polivalência pode ser uma solução de recurso, mas não será uma solução a adotar continuamente, espero, não só pela falta de velocidade que o jogador vai começando a apresentar, mas também porque não são boas as memórias da última vez que Jorge Jesus utilizou um central pela esquerda como defesa-esquerdo ao leme do clube encarnado.

A sua carreira espelha que Vertonghen é central de equipa grande e apreciadora de um estilo de jogo assente na construção desde o primeiro momento e primeiro terço. Essa característica é uma enorme mais-valia para as águias, que vão ter no belga um verdadeiro tratado no que diz respeito à construção pelo eixo da defesa.

O seu pé canhoto coloca a bola onde quer e a sua experiência permite-lhe ler o jogo, decidir a melhor linha de passe para avançar a jogada e executar com fiabilidade esse mesmo passe, tudo com uma tranquilidade que, para muitos adeptos, será assustadora.

Internacional A pela seleção belga por 118 jogos (e a contar…), ao serviço da qual apontou nove golos, Jan Vertonghen vem dar experiência e qualidade a uma posição carenciada e que tem que ser bem assegurada, sob pena de, caso contrário, suceder em 2021 o que aconteceu em 2020. Com Rúben Dias e Jan Vertonghen, acredito que, de facto, o eixo da defesa estará bem entregue, tratando-se de dois internacionais de duas das melhores seleções da atualidade.

Fonte: Tottenham Hotspur FC

Além do que significa para a equipa no imediato, também para o futuro de alguns jogadores em particular é muito importante e interessante a chegada do central belga. Esses jogadores são, claro, o próprio Rúben Dias e Ferro. Fazendo dupla com alguém do calibre de Vertonghen, Dias fica menos exposto, deixa de ser o bombeiro de serviço da defensiva encarnada e pode subir o seu nível.

Por seu turno, Ferro, com o novo estatuto de segundo central pela esquerda (mais correto do que dizer quarto central, creio), pode aprender imenso com o belga e fica também ele muito menos exposto, recaindo sobre ele menos expetativas e responsabilidades e, consequentemente, menos pressão.

O crescimento dos dois centrais formados no clube será bom para ambos, para o coletivo e para o clube, que só desta forma rentabilizará ao máximo os dois futebolistas, financeiramente. A chegada de Vertonghen, ao contrário do que possa aparentar, é uma aposta na formação, pois só ao lado de jogadores como ele, no caso de Dias, ou na sua sombra, no caso de Ferro, podem os jovens centrais crescer como se deseja.

Em resumo, Jan Vertonghen é uma das melhores e mais mediáticas contratações do Sport Lisboa e Benfica nos mais recentes anos. Bem-vindo, Jan Vertonghen!

Artigo revisto por Joana Mendes

Comentários

Artigo anteriorE-Prix de Berlim (Corrida 5 e 6): E é tudo, por agora
Próximo artigoA Magia de Bray Wyatt
O desporto bem praticado fascina-o, o jornalismo bem feito extasia-o. É apaixonado (ou doente, se quiserem, é quase igual – um apaixonado apenas comete mais loucuras) pelo SL Benfica e por tudo o que envolve o clube: modalidades, futebol de formação, futebol sénior. Por ser fascinado por desporto bem praticado, segue com especial atenção a NBA, a Premier League, os majors de Snooker, os Grand Slams de ténis, o campeonato espanhol de futsal e diversas competições europeias e mundiais de futebol e futsal. Quando está aborrecido, vê qualquer desporto. Quando está mesmo, mesmo aborrecido, pratica desporto. Sozinho. E perde.                                                                                                                                                 O Márcio escreve ao abrigo do novo Acordo Ortográfico.