Luís Miguel Afonso Fernandes, mais conhecido por Pizzi, é hoje uma das peças fundamentais no Sport Lisboa e Benfica. Nascido a 6 de outubro de 1989, em Bragança, o jogador de Trás-os-Montes começou a sua carreira no futebol no clube local (Grupo Desportivo de Bragança), onde jogou entre 2004 e 2006.

Um ano depois, juntou-se ao Sporting Clube de Braga onde foi jogador da equipa até 2011. No entanto, foi emprestado pelo clube do Minho por três épocas: em 2008/09 jogou pelo Ribeirão, em 2009/10 defendeu o Sporting da Covilhã e, por último, em 2010/11 vestiu a camisola do Paços de Ferreira. No final dessa época, decidiu rumar a Espanha para representar o Atlético de Madrid, onde esteve vinculado até 2013. Mas, mais uma vez, foi emprestado, desta vez ao Deportivo de La Coruña, apenas por uma época (2012/13), o suficiente para mostrar o que valia (36 jogos e oito golos).

Em 2013, assinou contrato pelo SL Benfica, onde se manteve até hoje. No primeiro ano no clube da Luz, parecia não haver espaço para o jogador de Bragança e, nesse sentido, foi emprestado ao Espanyol (34 jogos e quatro golos) onde esteve até ao final da época. Quando regressou na época seguinte, pôde mostrar as suas habilidades: Pizzi fez 23 jogos e marcou apenas dois golos. Na época 2015/16, o jogador encarnado aumentou a sua fasquia e completou 31 jogos, oito golos e seis assistências, o que o levou a ter mais lugar na equipa. Em 2016/17 mais ainda se mostrou. Com 33 jogos, 10 golos e oito assistências, ganhou o prémio de Futebolista do Ano da Primeira Liga. Nestas épocas fez então pelo Benfica, no que diz respeito ao Campeonato Nacional, um total de 87 jogos, 20 golos e 20 assistências.

Em 24 jogos, Pizzi fez oito golos e conta com nove assistências
Fonte: Bola na Rede

No que diz respeito à presente temporada, o SL Benfica é, neste momento, a equipa com o melhor ataque português tendo feito até agora 66 golos. E Pizzi não poderia ter deixado de fazer parte desse feito. Em 24 partidas jogadas, fez oito golos e conta com nove assistências.

Mais ainda, a sua percentagem de influência em golos do clube é de 33%. Durante toda a sua carreira, festejou nove títulos (três Campeonatos Nacionais, duas Taças da Liga, duas Supertaças Cândido de Oliveira, uma Taça de Portugal e uma Liga Europa). Conta ainda com cinco prémios, sendo três deles como melhor jogador do mês (outubro, novembro e dezembro de 2016), um como melhor jogador (época 2016/2017) e um como participante do onze da época (época 2017/2018).

Em outubro de 2018, o jogador encarnado renovou contrato com o Benfica até 2022. Além disso, a braçadeira de capitão tem vindo a ser-lhe atribuída várias vezes e Pizzi tem dado cada vez mais motivos para que isso continue a acontecer. São várias as qualidades com que o jogador encarnado nos brinda: é bom em espaços curtos, quer seja na receção de bolas ou no enquadramento, a forma como vê o jogo, a sua criatividade, o critério, a decisão e, principalmente, a sua inteligência. É, certamente, uma mais valia para equipa da Luz.

Foto de Capa: SL Benfica

Comentários

Artigo anteriorEditorial BnR: “O Clube lá da Terra”
Próximo artigoMês histórico da Astana Pro Team
A Mafalda é uma pessoa simples, contenta-se com o que tem, mas que dá tudo o que pode. Ela é desastrada, mas gosta de ter as suas coisas organizadas. Ela é extrovertida, no entanto, quando o assunto é sério, não há quem lhe tire a atenção. Por vezes ela é tão perfeccionista que chega mesmo a irritar. Ela é persistente, mas sabe quando tem de parar de insistir. Ela é realista e honesta. Dispensa brincadeiras de mau gosto. Com ela ou é oito ou oitenta.                                                                                                                                                 A Mafalda escreve ao abrigo do novo Acordo Ortográfico.