coraçãoencarnado
Estamos de volta! Lindo. Os últimos quinze minutos do jogo do passado domingo foram geniais. Primeiro vem o Talisca, depois aparece o Derley. E onde anda o Salvio? Ah! Lá vai ele meter mais uma de cabeça. E para fechar as contas, nada melhor que ver mais um génio a beijar o esférico – Sr. Jonas, seja muito bem-vindo ao majestoso relvado do Estádio da Luz, por onde tantos génios já passaram, quero ver-te mais vezes e apetece-me festejar mais golos teus. Uma palavra para o nosso Ola John, gostei de te ter de volta. A semana correu-me bem, ser líder dá nisto. Enche-nos a Alma. Que bom que é estar lá em cima, que seja para continuar! Uma breve palavra para o Lisandro – precisa de mais minutos ao lado do capitão e espero vê-lo já no jogo com o Mónaco.

Por falar no Mónaco, vêm duas jornadas fundamentais para o nosso caminho na Europa. Eu acredito! O Jesus gosta de ganhar ao Jardim, traz-me três pontos do Stade Louis II por favor. Chega daquelas exibições medíocres que nos fazem sentir pequenos. Não! Somos gigantes, eu sei, todos nós sabemos. Só falta explicar-lhes Jorge, mostra-lhes como os gigantes se debruçaram aos nosso pés. Mónaco? Jesus, não chega ser o maior em Portugal. Isso é simples. Obriga-os a darem 200%. Mais até se for preciso. Ah, e não inventes. Chega disso também. E depois da Champions vem o Braga. Um estádio que historicamente tem sido complicado, seja por razões externas ou não. A verdade é que temos apenas quatro dias entre a deslocação ao Mónaco e a ida a Braga. Vamos estar cansados, vai ser um jogo duro e difícil, mas dêem tudo outra vez. E outra, e mais outra… Ter atenção a este Braga de Sérgio Conceição, que vem de uma boa exibição no Dragão.

 Stade Louis II, próximos três pontos Fonte: info-stades.fr
Stade Louis II, próximos três pontos
Fonte: info-stades.fr

Agora a paragem. Pois é, quase três semanas sem jogar. Se estou preocupado? Parece-me óbvio que sim. Para além disso, o Jesus é uma voz activa contra este tipo de paragens tão longas, e ninguém conhece a equipa melhor que ele. Peço aos céus que a equipa não quebre. Que as rotinas continuem lá, mas ainda mais importante que isso, que os três pontos nos continuem a alegrar o espírito. E assim sendo, tenho a certeza que todas as semanas deste ano me correrão bem. Líder. Cinco letras que, quando juntas, me ligam o coração e a Alma. O coração encarnado enche-me a Alma sempre que o nosso Sport Lisboa e Benfica vence. Mas atenção, mesmo não vencendo ele vai continuará sempre, sempre, sempre encarnado (o nome da rúbrica explica tudo). Devo parafrasear uma conhecida música do panorama português – “Mesmo que percas o jogo, (nunca perdes!) não perdes a tua glória”.

Resumindo, sei que estas duas semanas que aí vêm vão ser um pouco cinzentas porque o Maior de Portugal não joga. No entanto, usem estes dias livres de loucura/prazer para apoiar a nossa Selecção. E juntem-se. Todos. Eu não vou poder ir ao Municipal de Braga porque, como sabem, sou um emigrante. Mas quem puder, que vá. Encham aquelas bancadas. Não parem de cantar, de apoiar e ainda mais importante, de os levantar quando eles assim o precisarem. As duas jornadas da Champions são para ganhar e espero que cada um de vocês acredite com todas as forças que tem que vamos fazer seis pontos nesses dois jogos. Temos de ser nós os primeiro a levá-los lá. Bem acima, onde olhamos para baixo com um sorriso nos lábios (e na Alma).

No próximo Sábado estou de volta. Que todos os vosso corações se encham de encarnado.

Comentários

Artigo anteriorBrasil 2-0 Argentina: de amigável teve pouco
Próximo artigoFrança 2-1 Portugal: Cliché à Paris
O Francisco é um emigrante mas não é por isso que sente menos o seu Benfica. Contou-nos que só pára de gritar com as paredes do seu quarto madrileno quando as palavras chegam ao Estádio da Luz. Desde 1991 que o seu coração é encarnado, por fora e por dentro. Recusa-se a perder um jogo e sabe os números dos jogadores de trás para a frente! Só tem saudades do seu Eusébio e de vez em quando mete-se no avião para cheirar a relva da Luz.                                                                                                                                                 O Francisco não escreve ao abrigo do novo Acordo Ortográfico.