Este nome pode ainda parecer desconhecido para a maioria dos Benfiquistas, principalmente se não estiverem tão atentos à Formação, mas o que é facto é que Tomás Tavares tem crescido à velocidade da luz e perspectiva-se como sendo mais um talento a ser lançado no futuro, desta feita vindo da geração de 2001.

Tomás tem feito o seu percurso na Formação desde sempre ligado ao SL Benfica. É lateral-direito, mas a sua polivalência faz com que seja igualmente competente a lateral-esquerdo, defesa-central e, inclusivé, a médio. Pessoalmente, comecei a acompanhá-lo no escalão de Iniciados e já o vi percorrer todas as posições na defesa e também a jogar no meio-campo. E isto é impressionante, principalmente devido ao facto de não ser muito comum vermos jovens nos escalões de Formação com tamanho conhecimento de simultâneas posições e funções dentro do terreno de jogo.

Tomás mede 1,87m e, tendo em conta a sua tenra idade (17 anos), talvez exista ainda mais espaço para crescimento. Não estou com isto a dar primazia ao seu físico, até porque as qualidades deste jovem vão muito para além dos seus atributos físicos; o que é facto é que, neste momento, esta é uma vantagem que tem relativamente aos  seus adversários. Embora não sendo um cabeceador exímio, Tomás faz uso da sua estatura para ganhar muitos lances aéreos e é também uma das armas a utilizar nos lances de bola parada, encontrando-se frequentemente no leque de jogadores escolhidos para atacar a baliza nessas situações. Ainda que larga, a sua passada fá-lo ser dono de uma velocidade bastante razoável, tanto no sprint, como na aceleração.

Apesar dos seus 17 anos, Tomás Tavares tem sido já chamado ao escalão da Selecção Nacional de Sub-19
Fonte: FPF

Destro por natureza, Tomás tem uma capacidade de passe bastante boa, tanto a curta como a longa distância. Frequentemente, vemo-lo a fazer variações de jogo com bastante precisão. Outras características também bastante interessantes são o seu drible e primeiro toque. Por norma, associamos os jogadores com maior estatura física a jogadores com pouca qualidade técnica, mas isso não acontece, de todo, com Tomás Tavares, uma vez que apresenta técnica suficiente para tirar adversários do caminho com relativa facilidade.

Finalmente, a qualidade que mais me entusiasma neste jovem é a sua capacidade mental e o que acrescenta ao jogo em termos de visão e inteligência no posicionamento, principalmente no momento ofensivo. Tomás é um lateral de propensão bastante ofensiva, mas não é do tipo de laterais que se preocupa somente em dar largura, à procura de sobreposições exteriores para ir à linha de fundo e centrar; o movimento mais característico de Tomás Tavares é precisamente a sobreposição interior, pisando muitas vezes os terrenos mais centrais e procurando desequilibrar desde aí, através de combinações rápidas e tabelas com os companheiros de equipa, decidindo sempre com qualidade e critério. E isto é fantástico, tendo em conta a sua idade! São muito raros os laterais com inteligência e capacidade para pisar o corredor central mais frequentemente do que o lateral.

Tomás Tavares tem tido uma evolução tremenda, trabalhando sob as ordens de Renato Paiva, primeiro nos Juvenis e, agora, nos Juniores. É mais um jovem jogador que, beneficiando de um modelo de jogo bem pensado e trabalhado, consegue ver potenciadas todas as suas qualidades, maximizando o seu nível exibicional e dando um maior contributo à equipa. Neste momento, tem visto a sua utilização ser repartida entre os Juniores e a Equipa de Sub-23, mas Tomás esteve já sentado no banco de suplentes da Equipa B de Bruno Lage no jogo da II Liga contra o SC Covilhã e chegou, inclusivamente, a ser chamado por Rui Vitória para treinar com o plantel principal. Basta vermos um jogo deste jovem para perceber que estamos perante mais um talento em ascensão, que não deverá tardar muito a dar-se a conhecer melhor.

Foto de Capa: SL Benfica

Artigo revisto por: Beatriz Silva

Comentários

Artigo anteriorCom pouco se faz muito
Próximo artigoNão há chicote na Primeira Liga?
Alfacinha de gema e Benfiquista por natureza, Bruno é um obcecado por Futebol e foi através da escrita que encontrou a melhor forma de dar a conhecer essa sua paixão pelo desporto-rei. É capaz de estar desde Segunda-feira até Domingo à noite a ver todos os jogos que passam na TV. Terá sido em pequeno que toda esta loucura futebolística foi despertada pelo seu Pai e pelo seu tio que, respetivamente, o levavam ao Estádio do Restelo e ao Estádio da Luz. Bruno não suporta facciosismos e tenta sempre ser o mais crítico possível para com o seu clube.                                                                                                                                                 O Bruno não escreve ao abrigo do novo Acordo Ortográfico.