Nuno Tavares, Tomás Tavares, Jota, David Tavares, Úmaro Embaló, Pedro Álvaro, João Ferreira, Tiago Dantas, Gonçalo Ramos, etc. Assim como em Portugal, de forma geral, a academia do Seixal não peca pela falta de talento, e muito dele está às portas da equipa sénior. Olhando em perspetiva para as equipas encarnadas, é inegável que é na equipa B (excetuando os jogadores já inseridos na equipa de Bruno Lage) que está concentrado o maior número de jogadores de qualidade e os que geram mais mediatismo. No entanto, não podemos limitar a nossa visão apenas à equipa B. Em todas as equipas de formação, o Benfica tem diversos jogadores de imensa qualidade e com um futuro muito promissor. É justamente deles que irei falar hoje, fazendo um resumo muito ligeiro das suas qualidades. Irei focar-me sobretudo nos sub-19 e nos sub-23 (apenas com uma exceção), e apresentarei, na minha opinião, alguns dos mais promissores jogadores destes escalões. Peço desde já perdão se não incluir um determinado jogador, mas o talento é muito abundante no Seixal.

Rafael Brito*

Esta é precisamente a exceção a que me referia. Apesar de alinhar já na equipa B, decidi incluir o jogador face à sua tenra idade (apenas 17 anos) e por achar que é merecedor de um maior reconhecimento. Rafael Brito é um jovem jogador, pertencente à grande geração de 2002 dos encarnados. Alinha normalmente a médio defensivo, a sua melhor posição, mas é conhecido pela sua polivalência, já tendo atuado a defesa central e defesa esquerdo, no entanto com menor brilhantismo. Rafael Brito é um jogador extremamente inteligente na leitura do jogo e na tomada de decisão. A capacidade de passe do jogador é essencial para uma equipa que constrói o jogo a partir de trás, como o Benfica. É também bastante forte no transporte de bola, o que o torna um jogador versátil no momento de transição.

Tem tudo para evoluir na equipa B e afirmar-se no patamar de sénior, num médio-curto espaço de tempo. Com a baixa forma de Samaris e a inadaptação de Fejsa ao modelo de jogo de Bruno Lage, Rafael Brito pode ser opção mais cedo do que o esperado. É já internacional sub-19 pela seleção das quinas.

 Filipe Cruz

Filipe Cruz é um lateral direito, de 2002, e é mais um atleta que vai oscilando entre juniores e sub-23. O jovem lateral, de apenas 17 anos, é conhecido pela polivalência, podendo alinhar também a lateral esquerdo ou mesmo a extremo direito, posição onde começou a sua formação. No capítulo defensivo, Filipe Cruz é um jogador muito difícil de ultrapassar, pois, apesar de não ser muito possante, é muito agressivo defensivamente e é extremamente veloz. No computo ofensivo, o jovem lateral, que entra agora no seu primeiro ano de júnior, é igualmente competente e eficaz. A sua melhor característica é, sem dúvida, o facto de poder ser considerado um atleta quase ambidestro. Esta capacidade permite ao jogador cruzar de forma positiva com ambos os pés, algo muito raro num lateral, mas também lhe traz opções, como o remate com o pé esquerdo ou uma maior procura do jogo interior. Com a bola nos pés, é igualmente veloz e tem uma boa capacidade de um-para-um, perdendo muito poucas vezes a posse de bola. Filipe é ainda um dos marcadores de serviço das bolas-paradas.

Para mim, Filipe Cruz é o próximo “grande lateral” a sair da academia do Seixal, podendo passar à frente de João Ferreira. O jogador beneficiou bastante com a descida no terreno, mas ainda tem muita margem de progressão na sua “nova” posição. Filipe Cruz é uma escolha habitual na seleção de sub-17, comandada por José Guilherme.

O talentoso médio defensivo Rafael Brito e o potente lateral Filipe Cruz podem ser duas das próximas “pérolas” a sair do Seixal
Fonte: SL Benfica

Paulo Bernardo

Mais uma “jóia” da geração de 2002. Paulo Bernardo é um médio ofensivo que vai alinhando entre os sub-23 e os sub-19. É um jogador absolutamente fundamental na organização ofensiva da equipa, contribuindo muito com a sua ótima leitura de jogo e excelente capacidade na execução. Contudo, o jogo do jovem jogador não se limita à distribuição, pois Paulo Bernardo é muito forte na chegada a zonas de finalização, onde faz uso do seu bom remate para faturar com alguma frequência. A sua elevada qualidade técnica é ainda uma das “armas do seu arsenal”, sendo muito forte no um-para-um. O jogador dá, obviamente à escala, “ares” de Rui Costa quando entra em campo. Paulo Bernardo movimenta-se muito pelo terreno podendo aparecer no centro do terreno (mais recuado ou mais perto das zonas de finalização) ou nas alas.

Dentro de pouco tempo o jogador deverá ingressar nos trabalhos da equipa B, onde continuará a sua evolução de forma progressiva. Um jogador de enorme qualidade, um dos mais promissores do Seixal. Numa altura em que falta um verdadeiro médio ofensivo que ligue a linha média ao último terço, na equipa A do Benfica, o caráter promissor de Paulo Bernardo parece ainda mais apelativo. É já internacional sub-19 por Portugal.

Ronaldo Camará

Sem dúvida um dos jogadores com mais qualidade da formação do Benfica e, para mim, a maior “jóia” do Seixal. Ronaldo Camará tem apenas 16 anos, mas alinha já, como médio ofensivo, na equipa de sub-23, onde enfrenta adversários até sete anos mais velhos do que ele. No entanto, esta diferença etária não é nem um pouco percetível, pois o jogador joga de uma forma que não faz, de todo, transparecer a sua falta de experiência. O ainda muito franzino Ronaldo Camará compensa a falta de poder físico com uma capacidade técnica muito acima da média. O luso-guineense é um médio centro extremamente criativo, conseguindo, literalmente, fazer tudo o que pretende com o esférico. A sua qualidade de passe – tanto curto como longo – é excelente; muito disto deve-se à sua excelente visão de jogo e ao elevadíssimo QI futebolístico do qual já dispõe. Ronaldo Camará é ainda incrivelmente jovem e muito pode ainda acontecer na sua carreira, mas que tem um potencial gigantesco é inegável.

Muitos jogadores caracterizam-se, no início das suas carreiras, pela vertigem, pelos grandes golos ou momentos individuais, mas têm sérias lacunas nas competências básicas do jogo. É aqui que Ronaldo Camará se distingue dos demais. O jogador é exímio na recessão e no passe, compreendendo o jogo como poucos. Resumindo: Ronaldo Camará aparenta fazer tudo de forma competente em todas as áreas do jogo. Tem tudo para ser muito bem-sucedido ao mais alto patamar. Irá ainda, provavelmente esta época, bater o recorde de João Félix, como o jogador mais jovem de sempre a alinhar na equipa B. Já representou a seleção de sub-17 por cinco ocasiões.

Ronaldo Camará é uma das grandes promessas do Seixal
Fonte: SL Benfica

Henrique Jocu

Henrique Jocu é um médio defensivo, da geração de 2001, que vai alternando entre a Liga Revelação e o Nacional de Juniores. Jocu é um autêntico “polvo” no meio campo. A sua noção de posicionamento defensivo e leitura do espaço é já bastante avançada e permitem ao jogador estar sempre no sítio certo à hora certa. O jogador tira imenso proveito destas qualidades sendo igualmente exímio no momento do desarme e na antecipação. No momento de construção, o jovem luso-guineense é extremamente competente. A sua visão de jogo é muito apurada conseguindo fazer o esférico chegar, em excelentes condições, aos seus colegas de forma curta ou longa. Henrique Jocu não é, de longe, um dos jogadores que gera maior atenção, fruto de não ser um jogador muito vistoso, mas pode vir a ser extremamente bem-sucedido ao mais alto patamar, pois dispõem das ferramentas físicas e mentais necessárias para tal.

No que diz respeito ao capítulo defensivo, Jocu aparenta ser um “novo Florentino” em desenvolvimento, mas tem, na minha opinião, mais qualidade na construção e na compreensão do momento ofensivo. Muita atenção a este “menino” que já representa a seleção de sub-19.

Jair Tavares

Jair Tavares, mais um integrante da geração de 2001 e da geração “Tavares”, é um extremo, preferencialmente esquerdo, que tem vindo a captar a atenção com as suas exibições nos sub-23 e na Youth League. Jair é um jogador muito potente e explosivo a nível físico, dando sempre muito uso à sua excelente velocidade com a bola controlada. Tecnicamente é muito evoluído, tendo uma enorme facilidade em ultrapassar o adversário em drible curto ou em velocidade. Jair tem o que falta a muitos extremos em desenvolvimento: golo. É um jogador muito competente em frente à baliza, tendo a rara capacidade de finalizar bem com ambos os pés (marca um golo, sensivelmente a cada dois jogos). Os movimentos característicos de Jair são diagonais vindo das alas para dentro à procura do remate.

O jovem extremo é primo de Renato Sanches e, apesar de jogarem em posições completamente distintas, é possível detetar algumas semelhanças a nível físico, nomeadamente na explosão. Um dos talentos mais intrigantes na academia do Seixal, Jair Tavares representa a seleção de sub-19.

Samuel Soares

Samuel Soares é um jovem guarda redes de apenas 17 anos. O jovem entrou apenas esta época no seu primeiro ano de júnior, no entanto, vai já impressionando com as suas exibições. Samu, como é conhecido, é um guarda redes muito reativo e veloz na saída dos postes e possui uma excelente noção do controlo da profundidade, uma capacidade indispensável num guardião de uma equipa que joga habitualmente com uma defesa mais subida. Dentro dos postes, Samu é igualmente reativo e pode contar com os seus reflexos felinos para negar o golo aos adversários. O jovem guardião contribui também de forma bastante aceitável na construção, sendo muito competente a jogar com os pés, iniciando muitas vezes contra-ataques perigosos.

Samu é, para mim, juntamente com Celton Biai e potencialmente Leo Kokubo, a maior promessa das balizas do Seixal. Samu já treinou com a equipa A dos encarnados e acabou mesmo por ser inscrito na Liga. O jovem já representou a seleção de sub-19 por uma ocasião e é já um habitue na seleção de sub-17.

Tiago Araújo

Tiago Araújo é um jovem extremo esquerdo, de 2001, que vai alinhando ao serviço da equipa de sub-23 dos encarnados. Tiago é um extremo muito vertical, com uma velocidade extrema, com e sem a bola dominada. Tiago Araújo é um jogador dotado tecnicamente e muito forte no momento de transição. Com bola no pé é, como já referi, muito rápido, mas o seu jogo está longe de ser limitado. O jovem internacional sub-18 tem uma capacidade anormal de cruzamento, conseguindo servir, com o seu excelente pé esquerdo, os companheiros dentro grande área. A nível defensivo, contribui sempre com uma pressão ofensiva elevada, mas é também capaz de fazer boas transições defensivas e apoiar o seu lateral. Tiago é igualmente um excelente batedor de bolas-paradas.

Pondo em perspetiva as suas características, Tiago é um extremo de muito boa qualidade, mas creio que tinha condições e qualidades para se tornar um lateral de excelência. Depois da geração “Tavares” parece estar a aparecer a geração “Araújo” do qual Tiago faz parte. Tomás Araújo, defesa central, e Henrique Araújo, um dos melhores projetos de avançado no Seixal, completam esta geração homónima.

Outros nomes

Atenção ainda a Silton Bacai, extremo rápido e finalizador, Diogo Prioste, protótipo de um médio criativo e Hugo Félix, um falso 9 muito dotado tecnicamente, semelhante ao seu irmão, João Félix.  Os três jovens pertencem à geração de 2004.

Martim Neto, outro médio criativo (tipologia de jogador bastante abundante no Seixal) e João Resende um avançado goleador que chega este ano ao Benfica vindo do Vitoria Sport Clube. Os dois jogadores pertencem à geração de 2003.

Diogo Nascimento, um pequeno criativo que lembra Daniel Bragança, e Gerson Sousa, um extremo fortíssimo no desequilíbrio, ambos pertencentes à geração de 2002. E por fim, Tiago Gouveia, um extremo virtuoso proveniente da geração de 2001.

É por demais evidente que nem todos os jogadores anteriormente referidos vão chegar à equipa principal do Benfica e nem sequer é certo que sejam totalmente bem-sucedidos enquanto jogadores profissionais, mas o que não é passível de debate é que apresentam todos um elevadíssimo potencial, o que prova que o Seixal tem jogadores de qualidade para anos a fio. O futuro está assegurado.

Foto de capa: SL Benfica

Artigo revisto por Joana Mendes

Comentários

Artigo anteriorO início de uma longa caminhada
Próximo artigoO Mestre André está de volta!
O Gonçalo é atualmente aluno da Escola Superior de Comunicação Social, onde persegue o seu sonho de ser jornalista. Descobriu a emoção do desporto quando assistiu, juntamente com o seu pai, ao clássico entre o Glasgow Rangers e o Celtic. A partir desse momento o desporto tornou-se uma parte fundamental da sua vida. Apaixonado pela prática desportiva, segue o futebol em geral e a NBA religiosamente. Tem dois clubes de coração o Benfica, e o Clube Atlético de Queluz clube da terra, no qual é atleta desde os 6 anos.                                                                                                                                                 O Gonçalo escreve ao abrigo do novo Acordo Ortográfico.