Glóbulos Vermelhos

A paciência é uma qualidade alcançável para poucos. Pior, mesmo quem a possui por natureza nem sempre consegue detê-la por muito tempo, o tempo, por vezes, necessário. E o adepto do Benfica, como aliás é facilmente compreensível, consegue não tê-la de todo. Mas nem sempre é assim. Há jogadores que por, mesmo estando as suas exibições a desiludir, que dão tudo, correm, ajudam a equipa, defendem. Esses merecem mais do que outros, um bocado mais de paciência.

Rodrigo saúda o novo 10 / Fonte: www.zimbio.com
Rodrigo saúda o novo 10
Fonte: zimbio.com

Provavelmente, quando se soube da transferência de Filip Djuricic para o Benfica todos pensaram: já temos 10. E não é que não tenhamos, mas é preciso calma. É um miúdo com muito talento, ponto final, mas também se nota que ainda não entrou completamente nos mecanismos da equipa, como é perfeitamente normal. Mas os passes não enganam, a visão de jogo também não, precisa é de jogar. Outro apontamento que não o favorece é a teimosia de Jesus em jogar com dois pontas de lança, não quero entrar nas opções técnicas, mas a constante alteração táctica não lhe dá tempo para impor o seu jogo.

Contudo, tenho uma grande convicção que se tornará um jogador de classe, com uma carreira de sucesso no Benfica e umas coroas a entrar no cofre. Antes disso, tem que se ser paciente. Não é por não estar ainda a demonstrar o que já vimos dele no Heerenveen que é um flop, e ainda há uns quantos no nosso plantel. Djuricic tem tudo para ser um fantástico nº10. E para nos fazer esquecer a ausência do eterno Aimar. Se assim o deixarem. Se não, paciência.

Comentários

Artigo anteriorSamba + Futebol = Saudade
Próximo artigoAssalto à Liderança
Filho pródigo de Almada e Jornalista no i - não leiam nada meu que isso faz mal às varizes - e um rapaz com medo de alturas. O meu prato preferido é chocos assados com tinta, favas com chouriço, cozido à portuguesa, vou parar. Benfiquista de gema, mas crítico, não cego, da estrutura. Até porque nunca gostei do Dumbo. Bem haja.                                                                                                                                                 O Miguel não escreve ao abrigo do novo Acordo Ortográfico.