sl benfica cabeçalho 1

Decorria o ano de 2009 quando Clint Eastwood fez circular uma obra cinematográfica das que mais marcaria estes primeiros anos o tenro século XXI. Falo, claro está, de “Invictus”. O enredo anda à volta da extraordinária caminhada da seleção sul-africana de râguebi até à conquista do campeonato o mundo de 1995. Todos os dramas, os momentos de tensão, de alívio, a glória, o esforço, é melhor parar se não ainda pensam que estou a trabalhar numa campanha publicitária, mas vocês percebem. Aquele título foi importante para um país pós-Apartheid e ainda a sarar feridas. Os campeões, a África do Sul, não só deram um tão merecido e esperado título ao seu povo, como o fizeram, como diz o nome do filme, de forma invicta.

Ora, eu bem sei que, antes que comecem a barafustar, o Benfica já perdeu esta época, na maldita ida ao San Paolo, mas para o campeonato nacional, sim, eu acabei de, em termos comparativos, por o campeonato nacional e o campeonato do mundo na mesma balança e a pesar o mesmo, lidem com isso, o Benfica ainda não sabe o que é perder. Mais. Este Benfica, o de um tal com o nome de Rui Vitória, desde da fatídica noite em que perdeu por 0-3, em casa, diante do Sporting, nunca mais soube o que era perder para o campeonato. Aliás, na temporada passada, o ano em que Jorge Jesus festejou o vice-campeonato, em 70 jogos oficiais, somou 54 vitórias, que é como quem diz, venceu 77% dos jogos, com Champions e restantes taças incluídas, obteve 6 empates (9%), e ainda 10 derrotas (14%)

O Benfica segue em grande forma no campeonato nacional; Fonte: SL Benfica
O Benfica segue em grande forma no campeonato nacional;
Fonte: SL Benfica

Se pensarmos que o registo acima apresentado ganhou forma a partir da jornada 8 e, que mais uma vez, o Benfica não perdeu mais nada em jogos nacionais, e que para esse momento de forma já contam os resultados da presente temporada, o Benfica de Vitória caminha a passos largos para fazer história.

Agora, calma, muita calma. Para chegar ao recorde de Hagan, que em 72/73 só perdeu os primeiros pontos à jornada 24, ainda falta muito e, pessoalmente, não me parece que o treinador do Benfica esteja a apontar para esse tipo de números. Se há coisa que Vitória é, é contido nas palavras e um confesso adepto do devagar, devagarinho, jogo após jogo. Até agora e, só para o campeonato, o Benfica venceu 9 dos 11 jogos realizados, tendo empatado os outros 2, um em casa frente ao Setúbal, outro diante do FC Porto no Dragão. Marcou por 26 vezes e sofreu 5 golos. Este Benfica vai de vento em polpa e com um ar ameaçador para todos os jogos, imparável mesmo, rumo aquilo que nós, os benfiquistas, mais queremos: o 36!

Comentários

Artigo anteriorGerrard, You’ll Never Walk Alone
Próximo artigoChapecoense: Amanhã era dia de festa
João Valente é um apaixonado pela arte do futebol. Nascido e criado durante boa parte do tempo em Lisboa, começou a seguir este desporto com uns tenros quatro anos e, desde então, tem sido um namoro interminável. É benfiquista de gema – mas não um que só vê Benfica à frente! É alguém que sabe ser justo quer o Benfica ganhe ou perca e que está cá para salientar os porquês, na sua opinião, dos resultados. Como adepto de futebol que é não segue só a atualidade do futebol português; faz questão também de acompanhar a par e passo o que de mais importante acontece nos principais campeonatos. A conjugar com o seu interesse pelo futebol, e pela malha, desporto que descobriu porque o seu avô era campeão lá na rua, veio a escrita, forma que encontra de expor os seus pensamentos na esperança de um dia se tornar num grande jornalista de desporto, algo que dificilmente acontecerá mas, tudo bem, ele um dia há-de perceber isso.                                                                                                                                                 O João escreve ao abrigo do novo Acordo Ortográfico.