A adaptação foi aceite pelo treinador seguinte, Rui Vitória, que tentou replicar as mesmas rotinas em diversas fases do seu reinado – em 2015-16, até chegar Renato Sanches em Dezembro, ou em 2016-17, com resultados satisfatórios a nível interno mas catastróficos a nível internacional. Viu-se em jogos dessa campanha de Champions, nomeadamente nos embates contra o Nápoles de Sarri e o Borussia de Tuchel que a fórmula Fejsa-Pizzi deixava o sérvio demasiado exposto, já que o português não tem a capacidade física que outros conseguem oferecer.

Daí talvez a opção de Rui Vitória pela transformação em 4-3-3 na época seguinte, fazendo acompanhar Pizzi de outro elemento na zona central para cobrir essas mesmas deficiências, equilibrando o onze e entregando outras liberdades aos alas. A opção foi certeira nesse sentido, a equipa recompôs-se e lutou com o FC Porto pelo campeonato até ao fatídico jogo de Herrera na Luz, mas não houve títulos para a validar.

Espera-se então que Jesus tenha essa mesma consciência: ele melhor que ninguém saberá dessa incapacidade defensiva do português e daí também os rumores de que Pizzi estará a ser pensado para zonas centrais sim, mas mais à frente no papel de 9,5 tão bem desenvolvido no sistema do técnico. Ele próprio o disse, no dia 8 do mês vigente, em entrevista à BTV, pode fazer essas duas posições [n.d.r.: atuar como extremo ou no corredor central], mas é um jogador de último passe. E os jogadores de último passe não jogam nas laterais: jogam nos corredores centrais. Vamos ver o que é melhor.»

Primeiro onze do Benfica 2020/2021, num amigável com o Estoril
Fonte: Bola na Rede

No primeiro onze de 2020-21, Pizzi manteve-se à direita da linha média, por força da presença de Waldschmidt no apoio a Vinícius. O papel que lhe permitiu os melhores números da carreira não é uma impossibilidade, mas há fila para oportunidades nos corredores e os 31 anos de Luís Miguel já obrigam a outro tipo de gestão a nível físico.

O que sobressai à vista nos primeiros dois onzes de Jorge Jesus é a colocação de Franco Cervi à esquerda da linha defensiva, posição que encaixa nas características do argentino, a quem o espirito abnegado e disponibilidade física para os equilibrios no flanco sempre colocaram na pole position para essa eventualidade.

Anúncio Publicitário

Aconteceu esporadicamente e em situações de desespero, mas nunca como situação permanente, muito por força da presença de Alex Grimaldo, com quem combina especialmente bem nas associações do último terço.

A preseverança e espírito de equipa do argentino obrigaram-no não raras vezes a um papel de equilibrio tático, situação que difere e muito das características com que chegou em 2016. Jorge Jesus poderá ver nele um protótipo de lateral aguerrido (tal e qual Coentrão), o que possibilitará oportunidades em barda na pré-época – fruto da lesão prolongada de Grimaldo – para se consolidar na lateral e ganhar novo fôlego nas escolhas da equipa, ele que já o ano passado esteve na porta da saída mas acabou por se manter.

Outra das situações mais expectáveis ao nível de nova abordagem nos terrenos pisados em campo será Diogo Gonçalves, ainda que a exemplar época no Famalicão obriguem a uma certa precaução. O extremo alentejano tem histórico de lateral direita – foi ocasionalmente utilizado aí por Rui Jorge nos sub-21 portugueses, num 4-4-2 losango – e as suas características poderão motivar a Jorge Jesus ensaios nesse sentido. A concorrência é forte, mas a renovação em Julho último poderá transmitir intenções de permanência no plantel: com que papel, saberemos mais à frente.

Quaisquer que sejam as opções do técnico português, só será possível discerni-las com o avançar do tempo e a continuidade de competição – a próxima semana é preenchida com embates frente ao Belenenses SAD (dia 25) e Farense (26), existindo jogo frente ao Braga de Carvalhal na 4.ª feira seguinte, dia 2 – e serão essas oportunidades competitivas que irão traduzir todas as ideias do staff técnico na procura dos melhores resultados.

Artigo revisto por Inês Vieira Brandão