paixaovermelha

Depois de garantida a presença nas finais da Taça da Liga e da Taça de Portugal, o Benfica joga a cartada decisiva na Liga Europa, frente à Juventus, com vista a mais uma final, a segunda consecutiva na prova. Caso se concretize esse cenário, a equipa comandada por Jorge Jesus tem a possibilidade de, em cerca de 15 dias, jogar três finais. Três títulos! É realmente impressionante, e algo novo no universo encarnado (pelo menos nos últimos 20 anos).

É legítimo afirmar, portanto, que este Benfica é o Benfica das finais. No ano passado, a equipa comandada por Jorge Jesus disputou duas finais (Liga Europa e Taça de Portugal) e, este ano, tem garantidas mais duas (Taça de Portugal e Taça da Liga), podendo ainda disputar uma terceira (Liga Europa). Há relativamente pouco tempo, o treinador benfiquista afirmou que “as finais são para se jogar”, ao contrário que diz o “sábio povo” quando refere que “as finais não se jogam, ganham-se”. Ora, o Benfica do ano passado jogou – e muito bem, diga-se – as duas finais que disputou. Contudo, o “jogar bem” não foi suficiente para que o museu Cosme Damião fosse brindado com duas novas atrações. Ao Benfica deste ano peço, então, que, em vez de jogar, ganhe. Não será nenhum delito garantir que de vitórias morais estamos todos nós fartos. Chegou a hora de vencer.

Anúncio Publicitário
Nas próximas semanas, o Benfica pode engrandecer o seu museu com a conquista de três troféus  Fonte: planetaslbenfica.blogspot.com
Luis Filipe Vieira e o Museu Cosme Damião podem receber mais troféus esta temporada
Fonte: planetaslbenfica.blogspot.com

Com o Campeonato Nacional no bolso, a pressão baixou consideravelmente no seio encarnado. Aliás, não duvidem, a conquista do 33º título pode ser a chave para desbloquear os restantes troféus. Entre um grupo de jogadores que respira confiança e mostra motivação para fazer história vive uma massa adepta eufórica e expectante em relação ao futuro a curto prazo. Depois de anos a fio em constante depressão, o Benfica renasce como um grande clube – com tudo aquilo a que o título obriga. As provas estão à vista de todos e o sentimento é quase palpável.

Independentemente do resultado do jogo frente à Juventus, o Benfica já disfruta de uma época de sucesso. Todavia, seria de enorme hipocrisia e falta de bom senso desvalorizar a conquista de um troféu europeu, que há tanto tempo procurámos. Honestamente, sinto-me confiante. Não importa o adversário ou o local onde jogamos: este Benfica transmite uma segurança que eu jamais senti.  Mais do que nunca, acredito no grupo, acredito no treinador, acredito na direção e acredito na mentalidade do clube. Acredito, de igual modo, que voltaremos a Turim, que voltaremos à final. E desta vez para ganhar!

P.S.: Por falar em finais, deixo aqui os meus parabéns ao Real Madrid, que carimbou, frente ao Bayern de Munique, uma merecida passagem à final da Liga dos Campeões desta temporada. É justo que o melhor jogador do mundo esteja presente no melhor estádio do planeta.