nascidonafarmaciafranco

“Nascido na Farmácia Franco…”

No ano em que nasceu Salvador Dalí, em que Roosevelt foi reeleito presidente dos Estados Unidos e em que James Joyce conheceu a mulher da sua vida, eis que surgiu, num Portugal monárquico, numa Lisboa que vira Pessoa partir para Durban, o Grupo Sport Lisboa. No dia 28 de Fevereiro de 1904, depois de um treino matinal nos terrenos da CP entre a linha férrea Cais do Sodré-Cascais e as traseiras da casa de praia do Duque de Loulé, onde fica actualmente o Centro Cultural de Belém, 24 ex-alunos da Casa Pia reuniram-se na Farmácia Franco, na Rua de Belém nº20, para escrever a primeira página de história do meu clube de coração.

Acta da Fundação do Grupo Sport Lisboa Fonte: campeoesdofutebol.com.br
Acta da Fundação do Grupo Sport Lisboa
Fonte: campeoesdofutebol.com.br

“Criado por Cosme Damião…”

Dessa histórica reunião saiu a acta da fundação do Grupo Sport Lisboa, escrita por Cosme Damião, o homem-tudo do Benfica, que ao invés de querer ser presidente, preferiu sempre ser treinador. Símbolo imortal da alma benfiquista, Damião não desistiu nunca do Grupo Sport Lisboa, não tendo nunca deixado o clube cair. Fundador, técnico, jogador, dirigente, capitão e jornalista das águias, Cosme Damião é o homem que edificou o Benfica e o colocou nos carris que levariam o clube a ser um dos maiores do mundo.

“Eu visto de vermelho e branco…”

Na Farmácia Franco tudo ficou decidido. Foi aí que nasceram, enquanto nascia o Benfica, as camisolas berrantes. Vermelho e branco seriam as cores que carregaria quem vestisse o manto sagrado, e o emblema, esse, teria uma águia como símbolo e o lema “E Pluribus Unum” nele inscrito. Durante toda a história do Benfica, o vermelho-vivo dos que ostentavam a águia ao peito não deixou de encantar quem seguia o “glorioso”, de quem com ele ganhou tanto que nunca soube vulgarizar um sentimento para com um clube que de vulgar nada tem nem nunca teve.

“Benfica do meu coração”

Hoje o Benfica faz 110 anos e eu faço 20 anos, 9 meses e 4 dias de benfiquismo sem fim. 11 décadas passaram desde a mítica reunião em Belém e o Grupo Sport Lisboa – hoje Sport Lisboa e Benfica – está mais uma vez de parabéns. Uma nação gigantesca sopra mais uma vela de uma história incrivelmente rica, de feitos ímpares, de sobranceria tamanha. Mas a história do Benfica é de todos conhecida. Inexplicável é este amor, esta grandeza que, como Aimar disse, “não se compreende se não se está aqui dentro”. Mas desta família não duvido eu, nem nunca duvidei. Esta febre que me une ao clube que me faz verdadeiramente pulsar, que me faz verdadeiramente sentir o que jamais sentirei de outra forma não tem tinta que a escreva. Houvesse vínculo maior do que estar a soprar a 110ª vela do eterno gigante vermelho com Eusébio e Coluna, tão presentes como nunca deixaram de estar, e aquilo que uma vez Damião desenhou estaria errado, totalmente errado.

 

Parabéns, Sport Lisboa e Benfica.
Alberto Conceição
Sócio Nº154042
Adepto de sempre e para sempre

Comentários