sl benfica cabeçalho 1

No sábado o Benfica inicia a sua época frente ao Vitória de Guimarães, jogo a contar para a Supertaça Cândido de Oliveira. Com o início da época em Portugal, dá-se o fim da pré temporada para a equipa encarnada, pré-época esta que não foi de todo positiva. Façamos uma retrospetiva dos pontos altos e baixos dos jogos disputados pelas águias para se prepararem, não só para defender o título de Tetracampeão, mas também para lutar por todas as provas onde estão inseridas.

O Melhor

A pré temporada serve para recuperar ritmo de jogo, reensaiar lances e introduzir os reforços no estilo de jogo da equipa e a mentalidade a que este está associada. Dentro de tudo o resto, foi isso que foi feito. Bruno Varela, Pedro Pereira e Hermes (reforço de Janeiro da época transata), Buta e Rúben Dias (promovidos da equipa B), Martin Chrien, Seferovic, Chriss Willock, Arango e Diogo Gonçalves todos contabilizaram minutos no onze de campo do clube encarnado e deram o seu melhor para reclamar um lugar nos habituais convocados de Rui Vitória.

Alguns reforços deram-se melhor que outros e, dentro dos que deixaram mais água na boca estão Willock – o jovem inglês aparenta grande qualidade na sua postura inglesa de jogar e enfrentar os lances -, Diogo Gonçalves – o também jovem, mas português, tem uma grande postura em campo e é o jovem nacional que mais deu nas vistas, criando influência no jogo quando era chamado a intervir -, Chrien – apresentou-se sem rodeios e assertivo quando lhe cabia decidir e jogar a bola, tornando-se num jogador interessante a vigiar -, e claro Seferovic – o suíço mostrou-se com faro para o golo, contabilizando 3 golos nos 5 jogos que disputou.

Anúncio Publicitário

O ataque (com a ajuda dos golos de Seferovic e da sua mobilidade, força e persistência) foi o ponto mais positivo dos encarnados. Criou-se uma zona ofensiva muito móvel e rápida, que acabava por pecar apenas na finalização. Faltam lances ensaiados, rotinas e conhecimento entre colegas para que tudo se torne mais fluente, mas a parte dianteira do meio campo, parece estar bem encaminhada para as águias.

O SL Benfica tem saldo negativo na pré-época Fonte: SL Benfica
O SL Benfica tem saldo negativo na pré-época
Fonte: SL Benfica

O Pior

Embora se tenham visto novas caras e um ataque a deixar que pensar, a defesa foi, sem dúvida, o que mais preocupou os adeptos da equipa da Luz. Foram sofridos 14 golos em 6 jogos, contra metade dos golos marcados. Nos 6 jogos disputados, destacam-se as duas goleadas sofridas frente ao Young Boys (1-5 na Uhrencup) e ao Arsenal (5-2 na Emirates Cup). Ambos os resultados demasiado desnivelados deram-se devido a pouca combinação e organização defensiva, cometendo-se grandes erros por falta de rotina que se esperam estar resolvidos no momento do primeiro jogo oficial. Falta organização, concentração e uma maior ajuda do médio defensivo ao quarteto defensivo. Filipe Augusto acabava muitas vezes mal na fotografia quando apareciam jogadores isolados no local onde ele deveria estar a defender a baliza.

Outro ponto negativo vai para as saídas que aconteceram. O Benfica reforçou o título de impulsionador de ativos (vendeu Ederson por 40 milhões ao Manchester City, Lindelöf por 35 milhões ao Manchester United e Nélson Semedo por 30,5 milhões ao Barcelona), mas pareceu não ter ainda ingressado no mercado de forma séria para renovar as posições que estavam ocupadas por estes três jogadores titularíssimos que ajudaram a vencer a Supertaça, Liga NOS e a Taça de Portugal na época passada.

A época está aí a começar e apenas se teve um vislumbre de um Benfica sem rotinas, muitas caras novas a tentar entender-se e à procura de soluções. Viram-se pontos bons e maus, mas a pré temporada é para testes e em nada influencia a temporada que se inicia este sábado. Relembrando as últimas quatro épocas em que o Benfica se sagrou campeão, percebemos o quão pouco a pré temporada é um reflexo da temporada que se segue: em 2013/14 perdeu 2, empatou 2 e venceu 5 (a melhor pré temporada); em 2014/15 perdeu 6 e ganhou apenas 2; em 2015/16 perdeu 3 e empatou 2, não alcançando nenhuma vitória; em 2016/17 perdeu 2, empatou 2 e venceu 4.

Espera-nos agora a Supertaça Cândido de Oliveira, o primeiro jogo a contar, o primeiro a sério onde não se ‘joga a berlindes’. Espera-se também que os encarnados se mostrem num primeiro vislumbre do que espero ser o Benfica 2017/18 – vencedor. Saudações Benfiquistas!

Foto de Capa: SL Benfica

Artigo revisto por: Beatriz Silva