A CRÓNICA: SL BENFICA VENCE QUATRO JOGOS DEPOIS

O Benfica entrou em campo a saber que uma vitória daria, não só um ‘balão de oxigénio’ a Bruno Lage e ao plantel, mas também o primeiro lugar do campeonato. Depois de o FC Porto ter empatado ontem frente ao Desportivo das Aves, os encarnados deslocaram-se hoje ao terreno do Rio Ave.

O jogo começou com o Benfica a ter mais bola e a criar mais lances ofensivos. Ainda que sem grandes oportunidades de golo, a equipa da Luz conseguiu ter quatro cantos e cinco remates nos primeiros 15 minutos. O Rio Ave começou a ‘espalhar-se’ mais pelo campo e a conseguir parar grande parte das jogadas dos encarnados. Na zona lateral direita do campo, Taremi sofreu falta e permitiu à sua equipa ter um livre perigoso. Na sequência do lance, Nuno Santos cruza para a área e o iraniano marca num bom cabeceamento, após uma assistência infeliz de Dyego Sousa.

Até ao fim da primeira parte, o Benfica ia tentando furar a (bem organizada) defesa do Rio Ave e, aos 42 minutos, Rafa vê um golo ser-lhe anulado por fora de jogo de Dyego Sousa, depois de uma grande jogada de Taarabt no lado direito do ataque benfiquista.

A vantagem do Rio Ave manteve-se até ao recomeço da segunda parte, mas a equipa de Bruno Lage sofreu alterações. O técnico encarnado decidiu tirar Dyego Sousa e meter Seferovic. O impacto foi instantâneo: na sequência de um livre, o suíço faz um bom cabeceamento, mas bate com estrondo no poste da baliza defendida por Kieszek.

Anúncio Publicitário

A primeira contrariedade para Carlos Carvalhal viria a acontecer aos 62 minutos, quando Al Musrati vê o segundo amarelo e consequente vermelho. Dois minutos depois, após um bom cruzamento de Nuno Tavares, Seferovic encosta para o fundo da baliza e reestabelece o empate. Como era expectável, contra dez jogadores, o Benfica foi crescendo e, oito minutos depois do empate, Nuno Santos faz uma entrada violenta sobre Pizzi e vê o vermelho direto.

Com nove jogadores, o Rio Ave baixou as suas linhas e focou-se apenas em defender o empate. O Benfica continuava a pressionar e a três minutos dos noventa, na sequência de um canto marcado por Pizzi, Weigl estreia-se a marcar com a camisola encarnada e coloca o marcador em 1-2, resultado que se manteve até ao apito final.

A FIGURA

Fonte: SL Benfica

Haris Seferovic Teve um enorme impacto na equipa e a forma como entrou no jogo é prova disso: em 15 minutos cabeceia ao poste e marca o golo do empate. Ainda que Bruno Lage tenha optado por Dyego Sousa no onze titular, Seferovic mostrou que também conta para o treinador e promete dar luta aos dois avançados concorrentes (Dyego e Vinícius).

O FORA DE JOGO

Fonte: SL Benfica

Dyego SousaAl Musrati seria um forte candidato a fora de jogo, mas o prémio vai mesmo para Dyego Sousa. Bruno Lage deu-lhe a confiança necessária e colocou-o no onze inicial, mas o avançado brasileiro não aproveitou a ocasião e durante a primeira parte (substituído ao intervalo) pouco ou nada fez no ataque benfiquista.

ANÁLISE TÁTICA – RIO AVE FC

Carlos Carvalhal montou (como é habitual) uma equipa organizada e consciente da ideia de jogo. Apesar de jogar contra o Benfica, o Rio Ave foi, durante a maioria da primeira parte, a melhor equipa em campo e isso traduziu-se na vantagem ao intervalo.

A primeira expulsão e o golo do empate pareciam que não tinha afetado a equipa, que continuava bastante determinada em campo. No entanto, a expulsão de Nuno Santos destabilizou por completo a equipa e permitiu que o Benfica jogasse nos últimos 30 metros do campo e chegasse ao golo da vitória.

O técnico do Rio Ave montou a sua equipa num 4-3-3 bem organizado e com os seus ataques baseados em Taremi e nos dois extremos, Nuno Santos e Diego Lopes. Pelas dificuldades que a equipa de Carlos Carvalhal colocou ao Benfica nos primeiros 45 minutos, era expectável que estas continuassem até ao final do jogo, não fossem as duas expulsões.

11 INICIAL E PONTUAÇÕES

Kieszek – 2

Diogo Figueiras – 2

Borevkovic – 2

Aderlan Santos – 2

Matheus Reis – 3

Lucas Piazon – 3

Al Musrati – 1

Filipe Augusto – 2

Nuno Santos – 2

Diego Lopes – 2

Taremi – 4

SUBS UTILIZADOS

Tarantini – 2

Nelson Monte – 1

Bruno Moreira – 1

Carlos Mané – 1

ANÁLISE TÁTICA – SL BENFICA

Bruno Lage voltou ao seu esquema tático mais frequente, com Pizzi e Rafa nas alas e Taarabt no apoio ao ponta-de-lança. A equipa teve uns primeiros dez minutos com um caudal ofensivo, mas o resto da primeira parte mostrou em campo o Benfica dos outros jogos, com fraca construção de jogos, sem passes ‘a rasgar’ e a permitir ocasiões de perigo ao adversário, inclusive com um golo.

O técnico não gostou da exibição de Dyego Sousa e colocou Seferovic no seu lugar que, de facto, teve muito mais impacto no jogo do que o brasileiro. As duas expulsões ajudaram a equipa encarnada, que, a partir da expulsão de Nuno Santos, dominou por completo e deu a volta ao marcador.

 

11 INICIAL E PONTUAÇÕES

Vlachodimos – 2

Tomás Tavares – 2

Ruben Dias – 2

Ferro – 2

Nuno Tavares – 3

Pizzi – 3

Weigl – 3

Gabriel – 2

Rafa – 3

Taarabt – 2

Dyego Sousa1

SUBS UTILIZADOS

Seferovic  – 4

Carlos Vinicius  – 2

Chiquinho – 2

Jota – 1

Samaris – 1

Artigo revisto por Inês Vieira Brandão