O central alemão Robin Koch tem sido apontado ao Sport Lisboa e Benfica. O jogador do SC Freiburg tem um valor de mercado de 18 milhões de euros e o negócio poderá concretizar-se à volta desse valor, podendo o jogador ainda chegar à Luz neste defeso ou só mesmo no verão.

Olhando para o plantel do Benfica, o setor central da defesa não parece um dos mais necessitados. No entanto, este interesse no central de 23 anos incide sobretudo em três pontos: a possível inaptidão (considerada, hipoteticamente, pelos responsáveis encarnados) de Jardel, precaver uma eventual saída de Rúben Dias no mercado de verão e trazer mais concorrência a Ferro.

Nos últimos jogos, Ferro tem somado exibições menos bem conseguidas. Contudo, no plantel do Benfica não existe alternativa válida ao central português. Jardel parece já não ter a capacidade física de outrora e Morato está ainda numa fase de crescimento e maturação tática, necessitando ainda de mais tempo de jogo na equipa B e nos sub-23.

Robin Koch surgiria como uma grande alternativa a Ferro, sendo um jogador do mesmo nível ou até superior ao central português.

Anúncio Publicitário

O camisola 25 da equipa alemã tem uma elevadíssima capacidade de posicionamento e de controlo da profundidade. Apesar da sua grande envergadura (1,90m de altura), Koch dispõe de alguma velocidade e aceleração, o que lhe permite acompanhar as desmarcações de avançados rápidos e fazer as dobras aos seus laterais com qualidade. Robin Koch realiza 1,5 interceções e cerca de um desarme por jogo.

A forma errada e algo imatura como aborda alguns lances (à semelhança de Ferro) faz com que cometa ainda alguns erros graves, como foi possível observar no jogo frente à Argentina, na sua primeira internacionalização. No entanto, a tomada de decisão e a abordagem aos lances é algo que só se adquire com tempo de jogo, e a evolução do jogador tem sido assinalável.

Ofensivamente, o central internacional pela Alemanha não é tão forte, mas demonstra ter alguma qualidade na construção. A busca do espaço interior está sempre presente na sua mente, sendo Koch perfeitamente capaz de realizar passes verticais e entre linhas com excelente qualidade. O passe longo é uma das áreas fortes do jogador, muito fruto da sua boa visão de jogo.

Em termos estatísticos, Koch completa 85% dos passes totais, 75% dos passes para o meio campo adversário e 65% dos passes longos. Os números não são brilhantes, mas são números muito interessantes, sobretudo tendo em conta a qualidade do jogador no momento defensivo e na transição defensiva. A sua altura é uma grande mais valia para a equipa nas bolas paradas ofensivas e defensivas e nos cruzamentos para a sua área.

Robin Koch é já internacional A alemão, por duas ocasiões
Fonte: DFB

No SC Freiburg, ao serviço de Christian Streich, Robin Koch alinha normalmente como central do meio num esquema de três centrais. Mesmo nos jogos ao serviço da seleção alemã, alinhou na mesma posição. Seria interessante perceber como é que o jogador se iria adaptar a jogar novamente apenas em dupla, uma posição que não ocupa desde 2016 (ao serviço do FC Kaiserslautern). No entanto, tendo em conta a capacidade posicional e a perceção defensiva do jogador, não creio que fosse um problema para o jovem alemão.

O SC Freiburg está a realizar uma época bastante interessante, o que pode aumentar a atenção e o interesse sobre o jogador. Robin Koch é internacional sub-21 alemão e já representou a equipa A da mannschaft por duas ocasiões. Estas internacionalizações aumentaram bastante o valor do jogador, o que pode dificultar o negócio para os encarnados. O desejo do alemão parece ser mudar-se para Lisboa, mas resta saber se o interesse do SL Benfica é sério e se os encarnados estão dispostos a desembolsar perto de 15 milhões por um defesa central, números que há uns anos seriam quase proibitivos.

Seria uma boa contratação e uma grande declaração de intenções por parte dos encarnados, sobretudo no que diz respeito às ambições europeias do clube.

Foto de capa: Bundesliga

Artigo revisto por Diogo Teixeira

Comentários

Artigo anteriorFC Porto 2-1 Gil Vicente FC: Três pontos que valem por si só
Próximo artigoFórmula 1: O que esperar para 2020?
O Gonçalo é atualmente aluno da Escola Superior de Comunicação Social, onde persegue o seu sonho de ser jornalista. Descobriu a emoção do desporto quando assistiu, juntamente com o seu pai, ao clássico entre o Glasgow Rangers e o Celtic. A partir desse momento o desporto tornou-se uma parte fundamental da sua vida. Apaixonado pela prática desportiva, segue o futebol em geral e a NBA religiosamente. Tem dois clubes de coração o Benfica, e o Clube Atlético de Queluz clube da terra, no qual é atleta desde os 6 anos.                                                                                                                                                 O Gonçalo escreve ao abrigo do novo Acordo Ortográfico.