sl benfica cabeçalho 1

Décima oitava jornada da Liga NOS e foi no relvado do Estádio AXA que o Braga recebeu o Benfica numa partida onde os minhotos tinham a oportunidade de igualar as águias ou os campeões nacionais podiam distanciar-se da equipa de Abel Ferreira. O Braga entrou em campo com o esquema tático de 4-2-3-1 enquanto que o Benfica jogou em 4-3-3 com Fejsa a regressar ao 11 inicial. Nota para o frio e chuva que se fez sentir na casa do Braga mas que não interferiu com quase casa cheia de adeptos dos dois clubes.

Cinco minutos de jogo e o Braga causa os primeiros problemas aos defesas visitantes, lance pela direita a colocar Fábio Martins sozinho mas o jovem jogador a não conseguir chegar a tempo ao esférico. Ficou o aviso às redes de Bruno Varela. Nem dois minutos depois, foi a vez de Danilo aquecer as mãos de Varela com um forte remate de fora de área. Resposta encarnada com Salvio a destacar-se na direita e a obrigar Matheus aquela que foi a primeira defesa do brasileiro. Dez minutos da primeira parte e é de realçar acima de tudo muito jogo de meio-campo com a dupla bracarense a conquistar mais bola que o trio encarnado.  Nem um minuto decorrido e o Benfica faz o primeiro da partida. Salvio a aproveitar uma desatenção da defesa minhota e a rematar com calma e rasteiro para dentro da baliza da equipa da casa. Excelente movimentação do extremo argentino a supor o possível passe de Cervi e a não desperdiçar.

Do lado do Braga a resposta voltou a ser de Fábio Martins: o criativo aproveitou o passe de Danilo, cruzou em trivela, apanhou o ressalto e rematou para cima da baliza do Benfica. O golo sofrido fez Abel Ferreira reagir ao nível da tática e a pedir a Danilo, parceiro de Vukcevic, para jogar em terrenos mais adiantados, quase ao lado de Fábio Martins. Os segundos dez minutos de jogo trouxeram mais do mesmo com o Braga a ser a equipa com jogadas de ataque mas o Benfica a responder bem às movimentações do adversário e a tentar, com “caixinhas”, a chegar mais perto da baliza do Braga.

Por três vezes, o Benfica apanhou o Braga em contrapé para chegar ao golo Fonte: SL Benfica
Por três vezes, o Benfica apanhou o Braga em contrapé para chegar ao golo
Fonte: SL Benfica

A primeira meia hora de jogo é o exemplo do discurso de Rui Vitória, um Benfica a jogar inteligente e a ganhar com eficácia máxima (ou quase): dois remates, um golo. Do lado do Braga viu-se até ao momento a equipa também quase ideal (não fosse o golo sofrido), jogo de ataque e um meio-campo forte e unido. Este meio-campo do Braga, se até agora elogiei, tenho agora que criticar pois não foram uma nem duas nem três as vezes que perderam bolas fáceis de controlar e adiantar no terreno  (últimos quinze minutos do primeiro tempo).

Anúncio Publicitário

Trinca e quatro minutos de jogo e o Braga, após queda de Grimaldo, subiu pela direita e criou talvez o lance de mais perigo para a equipa da casa: a bola rasou a linha da baliza de Bruno Varela com grande velocidade, mas não encontrou ninguém para finalizar. Dois minutos depois e disparam os alarmes no banco da equipa lisboeta com Varela caído e a pedir a aproximação do arbitro e Grimaldo a pedir assistência e troca de chuteiras.

Jogo bastante físico nesta reta final da primeira parte com bastantes faltas para apenas avisos de Artur Soares Dias. E por falar em senhor do apito, Ricardo Esgaio recebeu o primeiro cartão do jogo aos quarenta minutos por agressão. Nota para a continuação das faltas constantes nestes últimos minutos do primeiro tempo e para um pormenor interessante: a dupla ofensiva do triangulo do meio-campo da Luz a subirem bastante no terreno e a complicarem os movimentos ofensivos da defesa e meio-campo da equipa da casa. Foram, em muitos momentos, parceiros de Jonas (quase vá).

Dois minutos de compensação e pouco houve mais na partida, as equipas regressaram aos balneários com o Benfica a vencer por 1-0 e, aos poucos, travar as tentativas de ataque do Braga. Do lado da casa, bom inicio de jogo mais ao longo desta primeira parte perderam alguma qualidade ofensiva e pouco ou nada assustaram a defesa campeã nacional. Resume-se assim a primeira parte deste jogo e com muita vontade que a segunda parte traga tanto ou mais espetáculo.