Anterior1 de 3Próximo

O Sporting Clube de Braga arrancou para esta jornada 31 sabendo que esta era a sua última oportunidade de vencer um dos 3 grandes na presente temporada. Além disso, sabendo já da vitória do Sporting CP na véspera, a vitória era o único resultado que lhe importava para continuar na luta pelo 3º lugar do campeonato. Já o Sport Lisboa e Benfica chegava à Pedreira motivado pelo empate do FC Porto em no Estádio dos Arcos. O empate garantia a posição de líder mas a vitória consolidava-a.

O SC Braga surgiu num 4-3-3 clássico com o trio do meio-campo constituido pelo Claudemir, Palhinha e Fransérgio. Depois de terem treinado condicionados tanto o Dyego Sousa como o Marcelo Goiano começaram o jogo no banco tendo o Abel optado por entregar o ataque ao Paulinho e por adaptar o Murilo à lateral esquerda. O SL Benfica apresentou-se sem surpresas. O Bruno Lage lançou o seu 4-4-2 com o Florentino a colmatar a ausência por lesão do Gabriel.

O jogo começou bastante aberto com as duas equipas a tentarem impôr velocidade na posse de bola. Os primeiros lances de perigo surgiram numa arrancada mal finalizada do Rafa num remate do Paulinho às malhas laterais. Aos 10 minutos o jogo começou a assentar e a superioridade do SC Braga tornou-se mais evidente.

Aos 16 minutos o guardião encarnado deixou os adeptos benfiquistas com os nervos à flor da pele. O SC Braga recuperou a bola no meio-campo, a bola foi lançada rapidamente para o Paulinho e uma exitação do Odysseas em sair da baliza provocou califrios na defesa encarnada valendo a concentração e cobertura do Rúben Dias a cortar o lance.

O SC Braga ganhava o meio-campo com o seu trio de médios a pressionar alto e condicionando a construção de jogo de jogo dos médios encarnados. Esta acção não só originava recuperações de bola em zonas de ataque como também retirava tanto o João Félix como o Pizzi do jogo. A defesa encarnada foi obrigada a recorrer constantemente ao jogo directo para os avançados, papel onde se destacou a acção do Ferro. Com o controlo do meio-campo o SC Braga foi ganhando a maioria das segundas bolas e nunca se conteve em rematar à baliza, como ficou registado num tiro do Fransérgio aos 26 minutos por cima da baliza do Odysseas.

Aos 32 minutos surgiu a jogada que originou o golo único golo dos primeiros 45 minutos. Fransérgio numa jogada individual pelo pelo centro do terreno ultrapassou dois adversário e acabou por ser carregado já dentro da área pelo R. Dias. Foi então de penalty que aos 35 minutos o Wilson Eduardo inaugurou o marcador. Bola forte e rasteira para a direita do guarda redes que ainda advinhou o lado mas nada podia fazer para evitar o golo. Foi o seu 11º na Liga.

Nos 15 minutos que se seguiram o SL Benfica tentou ter mais iniciativa de jogo mas o SC Braga continuou mais clarividente e no controlo das operações. As melhores jogadas do SL Benfica surgiram aos 39 minutos numa recuperação do Pizzi que assistiu o Seferovic que em boa posição permitiu o corte da defesa arsenalista, e aos 44 minutos numa incursão do Grimaldo que assistiu para um remate de fora da área do Almeida que saiu ao lado da baliza do Tiago Sá. Já no tempo de compensação o Florentino apanhou o seu primeiro amarelo do campeonato e na jogada seguinte também o Palhinha foi amarelado.

Aquela que foi a melhor equipa da primeira parte chegou ao intervalo com a vencer por 1-0. O Claudemir mais recuado e o Fransérgio mais solto foram os grandes destaques da primeira parte. No Benfica só quando a bola chegava ao Rafa parecia haver alguma capacidade de desequilibrar.

Fransérgio numa jogada individual pelo pelo centro do terreno ultrapassou dois adversário e acabou por ser carregado já dentro da área pelo R. Dias
Fonte: Liga Portugal

A segunda metade arrancou sem alterações nas equipas titulares mas com um jogo totalmente diferente. O SL Benfica arrancou o segundo tempo com mais espaço para respirar e com as suas peças ofensivas reorganizadas, colocando o Pizzi e o Félix mais em jogo. O SC Braga mais recuado na protecção da vantagem que trazia do intervalo começou a expôr-se à criatividade encarnada.

Aos 48minutos um livre do Grimaldo obrigou o Tiago Sá a uma defesa apertada e deu o mote para o que se seguiria. Aos 52 minutos surgiu uma de várias grandes oportunidade que o Benfica dispôs na segunda parte. Uma combinação entre o Samaris, Pizzi e Félix levou a uma grande defesa do Tiago Sá que viu a bola ainda bater no ferro. Aos 57 minutos uma incursão na direita do André Almeida, servido pelo Pizzi, resultou num cruzamento rasteiro para o João Félix. O Ricardo Esgaio numa tentativa de se antecipar acaba por fazer falta sobre o jogador benfiquista. Grande penalidade assinalada a favor do Sport Lisboa e Benfica. Aos 58 minutos o Pizzi de penalty restabeleceu assim a igualdade. Bola para um lado e guarda-redes para o outro. Aos 62 minutos o João Félix arriscou acabar com a reacção encarnada. Já amarelado arriscou um segundo amarelo numa falta sobre o central Pablo Santos.

No minuto seguinte, depois uma sequência de combinações pelo lado esquerdo do ataque entre o Grimaldo, Rafa, Pizzi e Félix, o 21 encarnado vê o seu remate bloqueado pelo braço do central Bruno Viana. Nova grande penalidade assinalada pelo árbitro Tiago Martins a favor do SL Benfica. Assim aos 65 minutos novo duelo entre Pizzi e Tiago Sá com a história a repetir-se. Pizzi adianta, novamente de penalty, o Benfica no marcador.

Ainda o Braga se recompunha da pancada e já o Pizzi na bandeirola de canto fixava Rúben Dias. Aos 69 minutos canto para o SL Benfica. Pizzi faz a bola voar sobre a área bracarense até acabar por ser fuzilada pela cabeça do central português para o fundo das redes. 1-3 para os encarnados. Este golo arrumou por completo com o Sporting de Braga. O Abel ainda tentou abanar a equipa lançando aos 74 minutos o D. Sousa e este 8 minutos depois recebe a bola na área, domina de peito e de bicicleta tenta o 2-3 mas a bola sai directa à figura do guardião grego.

Antes já o Bruno Lage, em resposta a uma sequência de faltas do já amarelado Florentino, tinha lançado o Gedson a jogo. Nesta altura já o jogo estava decidido. A equipa do SC Braga não esboçava qualquer capacidade de reacção e o espaço que deixavam em campo era como mel para jogadores como o Grimaldo, João Félix e Rafa. O 1-4 era só uma questão de tempo.

Aos 69 minutos canto para o SL Benfica. Pizzi faz a bola voar sobre a área bracarense até acabar por ser fuzilada pela cabeça do central português para o fundo das redes
Fonte: Liga Portugal

Aos 83 minutos o João Félix tem oportunidade de fazer o gosto ao pé mas o guarda-redes arsenalista acaba por fazer mais uma boa defesa. Na recarga o Rafa acabou por cabecear para os mão do Tiago Sá. Aos 90 minutos o Rafa isola o avançado suiço que frente a frente com o Sá não o consegue bater. Contudo o Rafa aproveita a passividade da defesa bracarense, recupera a bola, bate dois adversários e frente ao guarda-redes não facilita. Golo do Rafa que estabelece assim o resultado final de 1-4. A um minuto do término da partida o Salvio ainda teve oportunidade para ditalatar a vantagem mas sem sucesso.

O 1-4 foi o resultado final de um jogo de duas faces. A primeira parte controlada pelo SC Braga termina com 1-0 que espelha as exibições de ambas as equipas. A segunda parte trouxe-nos um SC Braga mais recuado e um SL Benfica reorganizado com Pizzi e Félix muito mais participativos e apoiados, resultadando disto uma total superioridade do actual líder do campeonato.

Enquanto o SL Benfica descola na liderança aproveitando a escorregadela do FC Porto em Vila do Conde, o Braga vê o pódio ainda mais longe com o Sporting CP a descolar após vitória sobre o Vitória SC em Alvalade.

ONZES INICIAIS E SUBSTITUIÇÕES

SC Braga – T. Sá, R. Esgaio (Ryller 85′), B. Viana, P. Santos, Murilo, Claudemir, J. Palhinha, Fransérgio (Trincão 85′), R. Horta, W. Eduardo (D. Sousa 74′) e Paulinho

SL Benfica – O. Vlachodimos, A. Almeida, R. Dias, Ferro, Grimaldo, Samaris, Florentino (Gedson 80′), Pizzi (Salvio 86′), Rafa, J. Félix (Taarabt 90′) e Seferovic

Anterior1 de 3Próximo

Comentários