sl benfica cabeçalho 1

A Liga dos Campeões voltava ao Estádio da Luz. O Manchester United vinha visitar os encarnados que ainda não venceram nesta edição da prova milionária, pelo que precisavam urgentemente de pontos para não se deixarem ficar para trás na luta pelas competições europeias, correndo o risco de nem conseguir a qualificação para a Liga Europa, caso não consiga pontuar esta noite.

Um onze jovem foi apresentado por Rui Vitória, estreando Svilar na Liga dos Campeões como o mais jovem guarda redes da competição a fazer uma partida de toda a história do torneio, batendo Casillas. Douglas também agarrara a titularidade e começara de início. Quem entrou no onze, foi também Diogo Gonçalves que pareceu convencer o treinador encarnado com as suas exibições na B e na Taça de Portugal. Outro jovem a jogar foi Rúben Dias, que já começa a ser cara habitual a central.

O jogo começou equilibrado, diferente do que se esperava, vindo de um colosso como o Manchester United de Mourinho. No entanto, o Benfica começou bem e conseguiu encarar o jogo cara a cara, não se limitando a defender e fechar as linhas, mas muito pelo contrário, a decidir atacar a baliza defendida por De Gea.

Com um começo em que Svilar deu boas indicações de atenção, numa saída muito rápida, a cortar a bola de cabeça num lance possivelmente perigoso, o restante do jogo deu-se bastante longe das balizas. Muito disputado no meio campo, com a bola a ir muitas vezes aos quartetos defensivos, mas para construir jogo, não com perigo eminente.

Anúncio Publicitário

Os encarnados arrancaram bem, com a primeira grande oportunidade de golo, em que Grimaldo arrancou na lateral e cruzou atrasado para Salvio que chegava embalado, mas que não conseguiu concretizar a jogada. Seria das melhores hipóteses de golo do jogo. Foram 30 minutos de contenção ofensiva das investidas do Manchester United e de saídas muito rápidas por parte das águias que tiveram uma meia hora bastante equiparada aos red devils, algo que trouxe surpresa, tendo em conta o onze lançado por Vitória.

Apesar do erro no golo, Svilar fez uma exibição à homem grande e deve continuar na baliza encarnada Fonte: Sport Lisboa e Benfica
Apesar do erro no golo, Svilar fez uma exibição à homem grande e deve continuar na baliza encarnada
Fonte: Sport Lisboa e Benfica

A partir dos 35 minutos, o United surgiu com mais perigo e o Benfica começava a pedir o intervalo. Este chegou, sem que o resultado se alterasse, deixando tudo em aberto para os últimos 45 minutos.

Regresso aos relvados sem alterações nos onzes, mas sim no jogo. O United entrou mais forte, e o Benfica recomeçou a segunda parte como acabou a primeira, um pouco atrapalhado e a precisar de respirar.

Contudo, não foi preciso esperar muito tempo até que o Benfica voltasse a equilibrar o jogo. Voltou o jogo dividido no meio campo, mas os encarnados a pecar na saída para o ataque, que tão bem conseguira fazer na primeira parte. Muito por causa de lapsos de Douglas, que facilitava a sair, oferecendo a bola, e por Pizzi que parecia adormecido e lento. Prova disso, foi Pizzi sair para entrar Zivkovic, à hora de jogo.

O United tinha constantemente mais bola, mas o Benfica a não se deixar quebrar. Isto até, Svilar, no único lance que comprometeu, após livre de Rashford, ao recuar, agarrou a bola e conduziu para dentro da baliza. Os braços esticados não foram suficientes para impedir que a bola entrasse e o golo do United se consolidasse. Um erro do jovem guarda redes que não merecia tal desfecho, depois da exibição que fizera.

Jonas ainda entrou, mas pouca diferença fez naquela altura do jogo. Salvio saiu para entrar Cervi, que trouxe velocidade e conseguiu ganhar vários cantos para as águias. Ainda houve um canto perigoso e expulsão de Luisão por acumulação de amarelos, mas o jogo viria a acabar com derrota para o Benfica que, ao permanecer com zero pontos no grupo A, está praticamente fora da Liga dos Campeões e tem também o acesso à Liga Europa em risco.

A finalizar, apesar da derrota, o Benfica mostrou que sabe jogar e que tem a qualidade para fazer melhor do que aquilo que tem feito até agora. Acaba por ser até um resultado um pouco ingrato para as águias. Será que ganhou uma equipa, com esta experiência de onze inicial de Rui Vitória?