Anterior1 de 2Próximo

sl benfica cabeçalho 1

O Benfica entrou em campo sabendo que uma vitória no jogo de hoje lhe daria entrada nos lugares de acesso à próxima fase e garantia desde já a continuação na Europa, em último caso via Liga Europa. Perante mais de 50 mil pessoas, Rui Vitória entrou em campo com o seu onze habitual, fazendo regressar Grimaldo à esquerda da defesa e mantendo Cervi na sua frente completando a ala esquerda. O Dínamo por sua vez mexeu por opção nos dois laterais defensivos e viu-se obrigado a deixar a sua estrela Yarmolenko em Kiev por lesão, entrando Viktor Tsygankov para o seu lugar, mas Rebrov manteve-se fiel ao seu 4x3x3.

O Benfica entrou algo nervoso falhando muitos passes, e assim se manteve em toda aprimeira parte nunca conseguindo controlar o jogo. Dominava na posse de bola mas não conseguia entrar na área adversária e esteve sempre sujeito aos contra ataques perigosos, como aconteceu aos 34 minutos quando após uma escorregadela de Lindelof, Derlis González podia ter inaugurado o marcador. A primeira parte aproximava-se do final e o Benfica só tinha conseguido criar perigo em duas ocasiões e ambas de cabeça por Luisão (10min) e Grimaldo (20min), era preciso mais, o jogo pedia Jiménez.

Guedes e Mitroglou estavam muito marcados, este último apenas se soltou aos 42 minutos numa bela ocasião de golo, e o primeiro era obrigado a refugiar-se nas alas para ter bola. Já a placa com o tempo de descontos estava a ser levantada para o final da primeira parte, quando numa infantilidade de Vida (agarrão a Luisão) o árbitro assinala penalti a favor do Benfica. Penalti caído do céu que Salvio concretizou dando vantagem e tranquilidade à equipa antes de regressarem às cabines.

Éderson redimiu-se e segurou a vitória dos encarnados; Fonte: SL Benfica
Éderson redimiu-se e segurou a vitória dos encarnados;
Fonte: SL Benfica

A 2ª parte começou sem alterações nas 2 equipas, mas os encarnados vinham com outra atitude, o golo a terminar ajudou a tranquilizar equipa e adeptos, a dupla de avançados apareceu mais solta, Mitroglou começa a criar perigo, e Guedes aos 52 minutos resolve mostrar mais uma vez a toda a Europa, o porquê de ser o menino bonito da luz do momento, rematando com estrondo à barra num remate a 30 metros da baliza. Finalmente os laterais subiam com qualidade, Grimaldo começava a aparecer, Nélson Semedo continuava nas suas inúmeras cavalgadas (incrível, não perde um lance).

Anúncio Publicitário

Mas aos 55 minutos Rui Vitória tinha a primeira má notícia da noite, lesão grave de Fejsa (será enorme perda para o Dragão se não recuperar), entrando Samaris para o seu lugar. Entretanto Mitroglou continuava a desesperar adeptos, ao falhar o chapéu quando surgiu isolado perante Rudko. O Dínamo de Kiev apenas chegou à área benfiquista aos 20 minutos da segunda parte, coincidência ou não, após a saída de Fejsa. Aos 67 minutos nova má noticia para Rui Vitória, Ederson ao tentar agarrar uma bola aos pés de um adversário, comete erro incrível e dá penalti para o Dínamo. Mas quis o destino que o guarda-redes encarnado conseguisse defender o remate de Júnior Moraes.

O treinador encarnado mexeu na equipa fez entrar Jiménez e André Almeida, mas a equipa não conseguia fechar o jogo e no ar pairava o mesmo desfecho da primeira jornada contra o Besiktas. A Luz inquietava-se, mas hoje ia ser diferente. Os últimos minutos não sendo de domínio absoluto foram jogados longe da baliza de Ederson. No final a diferença esteve no aproveitamento da grande penalidade que cada equipa dispôs, ganhou a equipa portuguesa, fez 7 pontos; entrou nos lugares de acesso aos oitavos e vai discutir o apuramento à Turquia; garantiu para já, no mínimo, a Liga Europa e continua sem sofrer golos. A má notícia foi mesmo a lesão de Fejsa.

Anterior1 de 2Próximo

Comentários

Artigo anteriorA teimosia de Jorge Jesus e o seu reflexo na equipa
Próximo artigoEclipse belga
Nascido no Ribatejo há 32 anos, apaixonado por Futebol e louco pelo "seu" Benfica. Herdou a paixão benfiquista através dos jogos no velhinho estádio da luz com 120 mil a bater o pé no cimento. Custa-lhe a adormecer quando o Benfica não ganha mas diz-se isento nos comentários e não fala sobre arbitragens. Vê na escrita um modo de mostrar as suas ideias e adora conversa de café sobre o desporto rei porque acha que é um verdadeiro livro do conhecimento...                                                                                                                                                 O Nuno escreve ao abrigo do novo Acordo Ortográfico.