A CRÓNICA: TRIUNFO NÃO ABAFA EXIBIÇÃO CINZENTA

Depois da derrota na Supertaça, o SL Benfica queria dar uma boa resposta na despedida de 2020, e isso até aconteceu com uma vitória por 2-1 frente ao “lanterna vermelha”, o Portimonense SC.

O triunfo não abafa um exibição de duas faces: um primeiro tempo com a tal “nota artística”, algo que o técnico Jorge Jesus gosta de sempre evidenciar, mas uma segunda parte péssima em que teve de defender a vantagem mínima no tempo de compensação. Um fechar de ano de certa maneira positivo, embora a performance das águias tem de ser claramente diferente em 2021.

O desaire em Aveiro tinha feito mossa em toda a equipa encarnada e nada como reagir com um triunfo convincente para fechar o ano em beleza: os comandados de Jorge Jesus entraram determinados no jogo, a tentar desde o apito inicial criar perigo à baliza de Samuel Portugal.

A forte pressão do Benfica estava a ter o sucesso desejado, já que os visitantes não estavam a conseguir ter bola. Foi sem surpresa que o Benfica abriu o marcador aos 14’: Weigl recupera a bola a meio-campo e passa a Taarabt. O médio marroquino deixa para Rafa combinar com Darwin, que só teve de finalizar um belo lance de ataque.

Anúncio Publicitário

Até ao momento, o Portimonense não estava a conseguir fazer uma jogada com “cabeça, tronco e membros”, e tinha de ser de meia distância que os visitantes poderiam causar algum perigo ao Benfica: Luquinha tentou ameaçar Vlachodimos num remate de longe aos 19 minutos, mas saiu fácil para o guardião.

A acutilância benfiquista ia semeando o pânico na defesa algarvia, e Rafa acabou por dilatar a vantagem caseira ao minuto 23, com um remate já dentro de área numa espécie de penálti em movimento.

Tal como aconteceu na partida de Aveiro, Grimaldo voltou a estar perto de festejar um golo após a marcação de um livre direto aos 36’, contudo o guarda-redes Samuel tinha outras pretensões e fez uma grande defesa.

A resposta dos algarvios apareceu também num livre direto ao minuto 42 de Lucas Possignolo, só que a bola foi às malhas laterais. Esse foi mesmo o último lance da primeira parte que terminou com uma vantagem justa para o Benfica.

Insatisfeito com a exibição da sua equipa na primeira parte, Paulo Sérgio fez uma dupla substituição: Anderson Oliveira e Beto foram lançados para o reinício da partida. O Portimonense entrou com a intenção de mostrar uma imagem diferente daquela apresentada nos primeiros 45 minutos.

De facto, isso até aconteceu com o conjunto visitante a jogar com maior intensidade e a pressionar o Benfica logo na sua primeira fase de construção, só que, no momento da tomada de decisão, nem sempre isso estava a acontecer.

A primeira ocasião de perigo na segunda parte para o Benfica apareceu aos 56’, em que Darwin quis desviar tanto a bola do guardião e atirou em cheio no poste, após uma recuperação de Taarabt no último terço do campo.

A equipa encarnada abdicou de ir em busca de mais golos, e deu a iniciativa de jogo aos visitantes que, dentro das suas possibilidades, ia procurando levar perigo à baliza de Vlachodimos. No minuto 71, Anzai tirou o cruzamento no lado esquerdo para Júlio César assistir Luquinha, que rematou a rasar o poste.

O tempo corria e o Benfica já estava à espera que o jogo acabasse, só que o Portimonense não baixou os braços e foi recompensado: aos 90+2’, Beto respondeu com um bom cabeceamento a um cruzamento do lado direito de Moufi e reduziu a diferença no marcador, com a bola a bater antes em Gilberto.

Os algarvios ainda foram à procura de alcançar o empate, mas o certo é que o conjunto encarnado conseguiu atingir o principal objetivo que era vencer. Em relação à exibição, essa deixou muito a desejar e espera-se (muitas) melhorias na forma de jogar para os lados da Luz quando chegar o novo ano.

 

A FIGURA

SL Benfica
Fonte: Carlos Silva/Bola na Rede

Primeira parte do SL Benfica – Depois de um desaire que abalou toda a equipa e veio pôr em causa a qualidade exibicional, o Benfica precisava de vencer e convencer os seus adeptos. A mensagem foi bem captada pelos jogadores que entraram a todo o gás na partida frente ao Portimonense, e chegaram sem grandes dificuldades à vantagem. A fazer rolar a bola com grande qualidade, as águias podiam muito bem ter marcado mais golos na primeira parte e fechar logo o encontro. A segunda parte foi uma conversa totalmente à parte…

O FORA DE JOGO

Fonte: Carlos Silva/Bola na Rede

Fali Candé – Foi a única mudança no onze inicial visitante, contudo essa aposta correu mal: o lateral de 22 anos teve dificuldades em estancar a dinâmica ofensiva da asa esquerda encarnada. Foi sem surpresa que ficou no balneário ao intervalo, e, na segunda parte, o Portimonense jogou muito melhor e causou perigo pelo seu lado esquerdo.

 

ANÁLISE TÁTICA – SL BENFICA

Depois de perder a Supertaça, o Benfica queria vencer para calar os críticos e ainda ficar novamente a dois pontos do líder. Jorge Jesus apresentou o seu habitual 4-4-2, com o onze inicial a ser exatamente o mesmo que começou a partida frente ao FC Porto.

As águias entraram motivadas para o jogo, a pressionar fortemente a defesa contrária e era uma questão de tempo até se assistir ao primeiro golo: Darwin inaugurou o marcador na Luz aos 14’ e deu início a um resultado volumoso na Luz. Rafa Silva ampliou a vantagem, naquela que estava a ser até então uma boa exibição coletiva, algo que já não se via há algum tempo.

O segundo tempo trouxe um SL Benfica a jogar mais na expetativa e a dar a iniciativa ao Portimonense, o que veio contradizer as boas indicações dos primeiros 45 minutos. O golo sofrido perto do fim lançou algum pânico na defesa encarnada, mas o importante foi conseguido. Apesar do triunfo, foi mais uma exibição que não deixa os adeptos satisfeitos certamente…

11 INICIAL E PONTUAÇÕES

Odysseas Vlachodimos (5)

Gilberto (4)

Nicolás Otamendi (5)

Jan Vertonghen (6)

Grimaldo (6)

Julian Weigl (5)

Adel Taarabt (6)

Rafa (7)

Everton (5)

Luca Waldschmidt (5)

Darwin Núñez (5)

SUBS UTILIZADOS

Pedrinho (4)

 Franco Cervi (5)

Nuno Tavares (5)

Ferro (-)

Samaris (-)

 

ANÁLISE TÁTICA – PORTIMONENSE SC

Numa situação bastante delicada, o Portimonense apresentou-se na Luz com o objetivo de tentar causar uma surpresa. O treinador Paulo Sérgio utilizou o seu típico 4-4-3 com apenas uma alteração face à última partida: Fali Candé rendeu Anderson Oliveira no onze inicial.

A entrada avassaladora do SL Benfica dificultou ainda mais a tarefa dos visitantes, que sofreram o primeiro golo antes dos primeiros 15 minutos. A equipa de Portimão não conseguiu reagir ao tento sofrido e voltaria a sofrer aos 23 minutos, o que complicou ainda mais a missão de tentar levar pontos para o Algarve. Os últimos minutos do primeiro tempo ainda mostraram um Portimonense com vontade de voltar à discussão do resultado, mas sem grande sucesso.

No início da segunda parte, Anderson Oliveira e Beto foram lançados para dar maior poder de ataque. A mensagem passada por Paulo Sérgio teve o efeito desejado, já que o Portimonense conseguiu encostar o Benfica em busca de um golo que ajudasse a voltar à discussão, só que faltou maior assertividade no momento de tomar a decisão mais correta.

Beto ainda ajudou a reduzir a diferença no marcador (cabeceou contra Gilberto, que fez autogolo) perto do final da partida e toda a equipa ainda sonhou em chegar ao empate, o que não aconteceu. Fica a sensação de que se os algarvios tivessem demonstrado a mesma garra e determinação desde o apito inicial, poderiam muito bem ter levado pontos da Luz.

11 INICIAL E PONTUAÇÕES

Samuel Portugal (6)

Fahd Moufi (6)

Maurício Antônio (5)

Lucas Possignolo (6)

Fali Candé (3)

Willyan Rocha (5)

Luquinha (5)

Dener (5)

Koki Anzai (5)

Aylton Boa Morte (5)

Fabrício (4)

SUBS UTILIZADOS

Anderson Oliveira (5)

Beto (6)

Júlio César (5)

Ricardo Vaz Té (-)

Henrique (-)

DEIXE UM COMENTÁRIO

Comente!
Por favor introduz o teu nome