Anterior1 de 3Próximo

O SL Benfica recebeu e venceu o CD Feirense por 4-0 no regresso aos relvados após uma longa e atribulada semana para o universo encarnado. Rui Vitória aplaudiu os jogadores na caminhada para dentro do relvado e foi da mesma zona do banco de suplentes que acompanhou toda a partida.

As novidades no onze encarnado foram o regresso de Jardel ao centro da defesa e a estreia a titular para o campeonato de Zivkovic. Este último a jogar na posição de extremo. De regresso também ao onze esteve o jovem do Seixal Gedson Fernandes que tinha dado o seu lugar a Gabriel na derrota em Munique. Os primeiros dez minutos da partida foram tremidos.

A equipa benfiquista mostrou alguma fragilidade nos primeiros lances da partida e defensivamente também não mostrou muita qualidade. Os dados estatísticos marcavam um remate à baliza para cada equipa nos primeiros dez minutos. Após esses primeiros minutos o Benfica conseguiu estabelecer-se como coletivo mais controlador, mas com dificuldade em entrar no último terço do terreno.

Aos vinte e oito minutos Pizzi concretizou o melhor lance da primeira meia hora. De remate na ponta esquerda da área de Caio Seca, o médio português obrigou o guarda-redes a uma brilhante defesa. Um remate de livre que surpreendeu a massa adepta nas bancadas. Aos trinta minutos da partida os adeptos dos topos do estádio decidiram colocar fim a um silêncio que durava desde o primeiro minuto e iniciaram os cânticos com o hino do Sport Lisboa e Benfica. O decorrer da restante primeira metade da partida mostraram um jogo cada vez mais ofensivo com os alas Rafa e Zivkovic a mostrarem muita qualidade técnica e de velocidade junta às linhas. Contudo, foi nesta primeira parte que a equipa fogaceira conseguiu da melhor forma controlar os lances de ataque dos encarnados. Uns primeiros quarenta e cinco minutos de jogo bastante pausados por assistência a diversos jogadores da equipa adversária.

Jonas continua a ser o homem-golo do Benfica. Quem tem um Jonas, tem tudo
Fonte: SL Benfica

 

Uma parte bastante diferente aquela que se viu, e poderá verificar, na segunda metade do jogo. A segunda parte da partida começou com o mesmo controlo de jogo por parte da equipa da casa e o golo chegou mesmo a confirmar essa diferença. Jonas abriu o marcador num lance onde precisou apenas de receber, virar-se para a frente do guarda-redes e fazer abanar as redes da baliza norte do Estádio da Luz. Um golo bastante festejado pelo próprio junto ao grupo de adeptos que se encontrava naquela zona do estádio. Nos festejos bastantes efusivos do brasileiro destaque para o agradecimento do próprio ao assistente Grimaldo.

O segundo golo surgiu também neste início da segunda parte. Bruno Nascimento, central da equipa de Santa Maria da Feira, introduziu a bola na própria baliza depois de um lance rápido e com direito a cruzamento rasteiro. O brasileiro de vinte e sete anos tentou cortar a bola que se dirigia para Jonas e acabou por marcar um auto-golo, o primeiro da carreira.

O caudal ofensivo manteve-se e Rafa fez o terceiro golo da partida num lance rápido na área adversária. A bola circulou com muita classe nos pés de Zivkovic, depois debaixo das pernas de Jonas, Pizzi recebeu e passou ao camisola dez que assistiu Rafa. O extremo português precisou apenas de rematar de baliza aberta pois os jogadores do Feirense estavam “aos papeis” e muitos deles no chão, em tentativas de corte.

Após o terceiro tento da partida o caudal do jogo manteve-se com os extremos e os médios mais ofensivos da partida a mostrarem uma boa química nos lances ofensivos da partida. Defensivamente a equipa encarnada não teve tanto trabalho, mas o pouco que teve mostrou pouca segurança. Alguns passes mal calculados poderiam ter dado mau resultado e comprometido a equipa.

O último golo da partida foi de Seferovic. Zivkovic assistiu o sérvio que rematou de quase de costas quando Caio Seco estava a levantar-se de uma defesa incompleta.

O jogo terminou e os quase cinquenta mil adeptos aplaudiram de pé os jogadores do Benfica. Uma vitória que trouxe tranquilidade a uma equipa que precisava urgentemente de pontos e qualidade futebolística.

Onzes Iniciais

SL Benfica: Vlachodimos; André Almeida, Rúben Dias, Jardel e Grimaldo; Fejsa, Gedson Fernandes (Gabriel, 80′) e Pizzi (Krovinovic, 89′); Zivkovic, Rafa e Jonas (Seferovic, 82′)

CD Feirense: Caio Secco; Edson Farias, Antonio Briseño, Bruno Nascimento e Tiago Gomes; Cris Santos, Kódjo Alphonse (Edinho, 63′) e Tiago Silva; Fábio Sturgeon (Brian Gómez, 46), Luís Machado (Marco Soares, 84′) e João Silva

Anterior1 de 3Próximo

Comentários