Depois do início auspicioso de temporada protagonizado pela equipa B do SL Benfica – com Gonçalo Ramos a assumir papel de destaque, o que o levou a um papel de obsoletismo na equipa principal -, a turma secundária das águias segue numa série de seis partidas a perder.

É verdade que todas elas foram pela margem mínima, mas não é menos verdade – se as verdades podem ser quantificadas e comensuradas – que esse facto não interessa rigorosamente nada. Foram 18(!) pontos perdidos em 18 possíveis na última meia-dúzia de encontros referentes à Segunda Liga.

São míseros seis pontos (em oito jornadas) os que soma o conjunto de Renato Paiva (no momento da escrita, ainda é correto fazer referência ao SL Benfica B desta forma, veremos daqui a umas semanas). Os mesmos que o Varzim SC, que carrega a lanterna vermelha por uma questão de diferencial de golos. No entanto, a equipa poveira tem menos uma derrota (e mais uma partida).

O SL Benfica ‘B’ é, de resto, a equipa com mais derrotas na corrente edição da Segunda Liga – a par da outra “B” do campeonato, o FC Porto B (que tem mais um jogo realizado). Metastizam-se, então, pelas redes sociais fora e pelos vários fóruns e polos conversacionais do mundo digital, questões e opiniões centradas no intuito primordial das equipas “B”.

Anúncio Publicitário

“Interessa é formar os ‘miúdos’ para a equipa A”, argumentam alguns; “Todas as equipas do SL Benfica têm que jogar para ganhar, não é para aprender”, atiram alguns outros. Os apologistas do equilíbrio, como eu, defendem e apelam a uma mistura das duas vertentes: formar e ganhar.

Nada que não se possa cobrar a um clube que conotou às suas equipas de formação o mote, popularizado sob a forma de uma hashtag, “Formar a ganhar”. Pede-se, assim, que se cumpra o mote. Até porque, na realidade (apropriando-me da expressão característica de Fernando Santos), as duas vertentes não apenas devem convergir e coincidir, como coincidem.

Renato Paiva tem sido o rosto mais visível da má sequência de resultados do SL Benfica B
Fonte: Carlos Silva / Bola na Rede

Dois motivos soerguem-se, elevando-se em relação a outros de menor relevância. Primeiro, o SL Benfica B tem que interiorizar a mentalidade de “Formar a Ganhar” por ser a equipa A o principal destino – ou o destino pretendido – dos jovens da formação que por lá pululam.

O argumento utilizado para escudar das críticas os maus resultados em catadupa da equipa B encarnada parece querer dissociar a formação da ambição/objetivo de vencer. Essa dissociação não existe numa equipa B de um clube da dimensão do Sport Lisboa e Benfica. É obrigatório “formar a ganhar” quando se está a formar atletas que se pretende virem a representar uma equipa que joga para ganhar.

Aprende-se muito com as derrotas, é certo. Todavia, não pode nunca acontecer que um jovem formando do SL Benfica se conforme com as derrotas e não se pode libertar o SL Benfica B da pressão – que deve existir, por ser positiva – de lutar para vencer toda e qualquer partida em que participa.

Os jovens jogadores das águias “B” não estão – em suposição – a ser trabalhados para transportarem consigo para a equipa A uma cultura de derrota. Antes pelo contrário. Exige-se, assim, que nunca se dissocie a formação da ambição.

O segundo motivo prende-se com a visão a médio/longo prazo do projeto que deve sustentar a existência e a evolução do SL Benfica B. A curto prazo pode até – ainda que não deva acontecer – parecer inócuo o facto da equipa secundária do clube da Luz somar algumas derrotas consecutivas. Pode até parecer inofensivo o cenário de descida de divisão.

O SL Benfica B tem conseguido formar jogadores de seleção, sub-21 e AA, como Gonçalo Ramos, mas é vital vencer além de formar
Fonte: Carlos Silva / Bola na Rede

Pode tudo isto parecer, sobretudo aos olhos de quem defende que não é importante ganhar, mas sim formar, mas não é. Não é inócuo perder, não é inofensivo descer de divisão. Os danos provocados pelas derrotas e, acima de tudo, por uma eventual descida de escalão seriam inquantificáveis, nocivos e duradouros – se não mesmo irreversíveis.

É preciso ganhar para continuar a formar com qualidade, porque só vencendo pode o SL Benfica B continuar na Segunda Liga. E a Segunda Liga é, de entre os possíveis, o melhor ambiente de crescimento para os vários jovens com futuro que procuram crescer na “B” encarnada.

A Segunda Liga, com todos os seus traços positivos e negativos e apesar de não se equivaler a muitas outras “Segundas Ligas”, é e vai continuar a ser “o” sítio para estar para as equipas B. Assim, não se trata de uma escolha que o SL Benfica tem que fazer.

Não há que escolher entre formar e ganhar. Há que lutar todos os dias para que “Formar a Ganhar” seja mais do que um slogan catita. Para ter jovens com futuro, é preciso ter uma equipa B com futuro. No momento da escrita (para registo futuro: 14 de novembro de 2020, 14:35), a do SL Benfica não o tem.

1 COMENTÁRIO

  1. Por vezes os jovens com carreiras longas no clube são sobrevalorizados. O mais preocupante para o clube é que alguns jogadores que brilharam nos juvenis e juniores não estão a corresponder.

DEIXE UM COMENTÁRIO

Comente!
Por favor introduz o teu nome