CRÓNICA: VITÓRIA COM SABOR AMARGO

Em fim-de-semana de clássico a deslocação do SL Benfica ao terreno do Vitória SC era vista como uma complicada mas importante oportunidade para a equipa de Bruno Lage cimentar a liderança no campeonato. Dito e feito. Jogo dificílimo, três pontos garantidos e agora é com 7pts de vantagem que os benfiquistas irão assistir ao Sporting CP – FC Porto.

Uma vitória encarnada de sabor amargo pela cinzenta exibição da equipa. Uma vitória encarnada amarga e injusta para o Vitória SC que desde o primeiro minuto procurou dominar o jogo e chegar à baliza de Vlachodimos.

Do lado do SL Benfica vimos uma equipa desligada da bola e simplesmente preocupada em defender os lances que o Vitória SC ia tentando construir. A primeira parte valeu por um momento de inteligência de Pizzi a assistir para o golo do Cervi. A segunda parte valeu pelo apito final e confirmação dos 3pts.

Do lado do Vitória SC vimos uma equipa totalmente ligada à bola. Assumiram a iniciativa do jogo e procuraram o golo constantemente. As oportunidades não foram em abundância – não esquecer que do outro lado estava o líder do campeonato em modo defensivo – mas foram as suficientes para fazer a equipa acreditar. Faltou eficácia para quebrar o inspirado Vlachodimos.

Anúncio Publicitário

Francamente (mais) uma exibição muito pobre do Sport Lisboa e Benfica num jogo em que o Vitória SC fez por merecer outro resultado.

A FIGURA

Fonte: Bola na Rede

Adel Taarabt – O marroquino fez um jogo muito condicionado pelas amarras tácticas que o treinador lhe colocou mas mesmo amarrado foi sempre estando presente. Até aos 80 minutos o criativo encarnado foi dos principais recuperadores de bola da equipa e o único com a frieza o suficiente para sobre pressão no terço defensivo encontrar linhas de passe para sair a jogar. Nos últimos 15 minutos, com a substituição do Chiquinho pelo Samaris, já se pôde libertar e aparecer em zonas mais avançadas com a bola controlada e é aí que faz toda a diferença. Mais ou menos condicionado, foi durante os 90 minutos o jogador encarnado para esclarecido no relvado.

O FORA DE JOGO

Fonte: Bola na Rede

Carlos Vinícius – O ponta de lança encarnado passou totalmente ao lado do jogo. Tal como o Taarabt, passou o jogo condicionado pelas opções mais defensivas de Bruno Lage o que o obrigou a um jogo isolado na frente de ataque. Mas ao contrário do marroquino o avançado brasileiro não conseguiu contornar as dificuldades impostas. Nos poucos lances de ataque colectivo não soube procurar os melhores espaços para se desmarcar e dar linha de passe. Nas raras situações em que recebeu a bola no ataque, e ao contrário do usual, não teve capacidade para a segurar e criar lances de perigo para si ou para algum colega que surgisse a apoiar. Foi constantemente batido pelo Tapsoba e esta foi a sua pior exibição de águia ao peito.

ANÁLISE TÁTICA – VITÓRIA SC

Ivo Veira foi fiel ao seu 4-3-3 mas optou por uma equipa com maior qualidade na posse de bola. Assim deu mais bola ao seu tridente do meio-campo com a titularidade de Pêpê e J.C.Teixeira  em vez dos usuais M. Agu e Poha. Foi um 4-3-3 que constantemente se desdobrou num 3-5-2 de pressão alta. Davidson partia da esquerda para se juntar ao avançado Bonatini, os laterais estavam em constantes incursões ofensivas e tanto o médio J.C. Teixeira como o médio L. Evangelistas apareceram sistematicamente em zonas de finalização. O Vitória SC optou por um jogo positivo, um jogo de procura da bola e de carinho à redonda. Pressionaram em bloco a linha defensiva encarnada e com bola procuraram encontrar os espaços com criatividade e em futebol apoiado.

11 INICIAL E PONTUAÇÕES

Douglas Jesus (5)
Victor Garcia (6)
Tapsoba (7)
Pedro Henrique (6)
Florent Hanin (6)
Pedro Rodrigues (7)
João Carlos Teixeira (6)
Lucas Evangelista (6)
Marcus Edwards (6)
Davidson (6)
Léo Bonatini (5)

SUBS UTILIZADOS

Poha (5)
Bruno Duarte (3)
Rochinha (1)

ANÁLISE TÁTICA – SL BENFICA

Bruno Lage lançou aquele que tem sido o seu 11 no último mês. Assim o SL Benfica entrou em campo com o seu 4-2-3-1 onde a dupla de médios apela à maior qualidade na posse de bola, o extremo esquerdo actua com maior cautela permitindo mais ingressões ofensivas ao lateral e Pizzi e Chiquinho alternam no espaço procurando mais o jogo interior e entre linhas. Este 4-2-3-1 de Bruno Lage tem variado entre aquele que defrontou o Marítimo e aquele que defrontou o Boavista. Neste jogo surgiu o do Marítimo. Um 4-2-3-1 em 4-5-1 condicionado defensivamente e com um futebol de expectativa. Os laterais amarrados, os dois médios amarrados ao terço defensivo, o extremo amarrado ao lateral, Pizzi e Chiquinho amarrados a compensações defensivas e Vinicius isolado no ataque.

11 INICIAL E PONTUAÇÕES

Odysseas Vlachodimos (6)
Tomás Tavares (4)
Rúben Dias (5)
Ferro (5)
Grimaldo (5)
Gabriel (4)
Taarabt (7)
Pizzi (5)
Chiquinho (4)
Franco Cervi (5)
Vinícius (3)

SUBS UTILIZADOS

Seferovic (3)
Samaris (3)
Gedson Fernandes (-)

Foto de capa: Diogo Cardoso/Bola na Rede

artigo revisto por: Ana Ferreira