SITE TEMPORÁRIO

24 de Janeiro, 2022

CF União da Madeira 1-0 Boavista FC: Um reforço de inverno, três pontos

futebol nacional cabeçalho

Situado no Vale da Serra d’ Água, Ribeira Brava, o Centro Desportivo da Madeira prima pela bonita imagem que se vislumbra no horizonte. Nos socalcos onde essencialmente crescem bananeiras adjacentes, aproveitam-se os pedaços de terra e constroem-se verdadeiros camarotes privados onde a ementa servida é cerveja e tremoços. Ao intervalo, aproveita-se é dá-se de comer aos animais, na sua maioria galinhas.

Poderia ser este um resumo perfeito para a primeira parte do jogo desta tarde entre União da Madeira e Boavista. Foram poucos os lances de perigo que se desenharam ao longo da primeira parte, situação que levou mesmo os adeptos de ambas as equipas a pedirem mais, muito mais, para o segundo tempo. Nem mesmo o adepto e investidor mais famoso do União, irmão do melhor do mundo, parecia estar a gostar do “Uniãozinho da bola”, como também é conhecido o clube azul e amarelo entre os adeptos.

Começou melhor o Boavista, que tomou conta do jogo devido a um União apático, e logo aos três minutos José Manuel cabeceou para a defesa de André Moreira. Moreira foi mesmo o melhor jogador – a par com Breitner – do lado dos insulares. Na resposta aos sucessivos ataques dos axadrezados, Paulinho e Amilton rasgaram, cada um pelos seus flancos, esquerda e direita, cruzaram para a área de Gideão, mas sem qualquer perigo.

O jogador dos insulares foi dos melhores elementos em campo. Fonte: CF União da Madeira
O jogador dos insulares foi dos melhores elementos em campo
Fonte: CF União da Madeira

Aos 17 minutos, com um União a despertar da profunda apatia dos primeiros quinze, Amilton remata e a bola bate no braço de Anderson Santos, reclama-se penálti, mas Luís Ferreira manda jogar. Três minutos depois, Shehu parece não ter ainda regressado das férias de Natal e decide oferecer a bola a José Manuel, que isolado remata para uma grande defesa de André Moreira. Até ao final da primeira metade, realço apenas, aos 33 minutos, houve um remate de Breitner.

Na segunda parte puxou-se dos cobertores. Caiu o frio sobre o Complexo Desportivo da Madeira e os intervenientes na partida despertaram. Para combater o frio começou-se a correr mais. Jogo muito mais intenso, com as equipas mais irrequietas, em busca do golo. O mais irrequieto e agressivo, pela positiva, do lado insular foi Amilton. Com belos rasgos por todo o campo procurou sempre servir o reforço de inverno, e titular esta tarde, Toni Silva. E aos 10 minutos da segunda parte a parceria entre Amilton e Toni Silva resulta no golo do União da Madeira, com meio tento a pertencer, sem qualquer dúvida, a Amilton, que tirou três adversários do caminho e serviu Toni Silva, que cara a cara com o guarda-redes Gideão só teve de rematar e colocar os azuis e amarelos em vantagem. Festejos muito efusivos por parte dos cerca de 1200 adeptos presentes nas bancadas, com um recado de Amilton para a massa adepta unionista.

Até ao final foi um jogo que continuou intenso, com o União da Madeira a procurar ampliar a vantagem e com o Boavista à procura de, pelo menos, um precioso ponto. Idrissa, do lado dos axadrezados, e Amilton, do lado dos insulares, até ao final da partida foram sempre os mais irreverentes.

No final, três preciosos pontos para as contas da manutenção do União.

Sala de Imprensa:

Erwin Sánchez

Foi um treinador muito cabisbaixo aquele que chegou à sala de imprensa. “Estamos a atravessar uma fase muito má.”, disse. Sánchez queixou-se ainda da pouca sorte que a equipa tem tido: “há jogos em que podemos andar a batalhar e a rematar e a bola acaba por entrar, mas isso não está a acontecer com o Boavista.”, concluiu.

Norton de Matos

O treinador do União chegou à sala de imprensa contente com os três preciosos pontos que a equipa tinha acabado de conquistar. Muito falador, Norton de Matos reconhece que o jogo que esta tarde se jogou na Ribeira Brava “não foi muito bonito de se ver” mas também salientou o crescimento da equipa. Norton de Matos disse ainda que o factor decisivo no jogo desta tarde foi a eficácia.

A Figura:

Amilton – O jogador do União da Madeira foi o mais inconformado dentro das quatro linhas. Muito lutador, muito ambicioso e irreverente, mostrou que as críticas que vinham da bancada só lhe dão mais força. É dele e quase só dele a responsabilidade da vitória desta tarde. Claro está, a par com André Moreira, que voltou a evitar a entrada de bolas na baliza insular.

O Fora-de-Jogo:

Centro Desportivo da Madeira – Nos dias de hoje, um estádio do qual se diz estar preparado para receber jogos da Liga NOS não ter uma cobertura de internet aceitável, tomadas eléctricas, e condições para os jornalistas trabalharem parece algo da pré-história. Mas não. Na Ribeira Brava, não fosse a bateria do portátil estar completamente carregada e o inconstante sinal de cobertura 3G do telemóvel, a função de quem lá foi para informar seria muito mais difícil.

Foto de Capa: CF União da Madeira