Anúncio Publicitário

A CRÓNICA: VITÓRIA TIRADA A FERROS NO CALDEIRÃO DOS BARREIROS

Havia curiosidade para ver em que forma se apresentava o SC Braga depois do embate com os escoceses do The Rangers FC, encontro esse que viu os guerreiros vergados perante os comandados de Steven Gerrard, ditando o afastamento do emblema português da Liga Europa.

Rúben Amorim fez apenas uma alteração relativamente ao onze que jogou na última quarta-feira, com João Novais no lugar de João Palhinha que começou o jogo no banco de suplentes.

Anúncio Publicitário

Do lado dos maritimistas mais mexidas relativamente à equipa que foi derrotada no Jamor no fim-de-semana passado, com o treinador José Gomes a colocar quatro caras novas no onze. Cinco minutos bastaram para que o prodígio Trincão fizesse o gosto ao pé, depois de uma boa combinação com Ricardo Esgaio no corredor direito. Foi precisamente por esse lado que os visitantes foram criando perigo com os jogadores que estiveram no primeiro golo em particular evidência.

Numa primeira parte bem disputada, o golo cedo permitiu ao Sporting de Braga uma maior tranquilidade na abordagem ao jogo, com a equipa a procurar construir pacientemente a partir de trás, e a saber os momentos certos para acelerar uma vez vencida a primeira linha de pressão dos insulares, o que resultou em várias aproximações perigosas à baliza defendida pelo iraniano Amir.

Na segunda-parte, José Gomes tirou Bambock e lançou Jorge Correa, com o argentino a revelar-se decisivo ao marcar o golos o empate para os insulares, num lance em que empurrou de cabeça para o fundo das redes depois de defesa incompleta de Matheus.

O Sporting de Braga estava melhor na partida e continuava a criar oportunidades frente a um CS Marítimo que mostrou sempre muitas dificuldades no momento em que tinha a bola.

Com o aproximar do apito final, sentiram-se pernas cansadas do lado dos bracarenses, contudo não deixando de acreditar que podiam trazer a vitória na bagagem. O golo a partir de um pontapé de canto já depois da hora ao minuto noventa e sete apontado por Paulinho, o seu décimo nesta edição da Primeira Liga, acaba por trazer justiça ao resultado em que a vitória assenta bem ao Sporting de Braga por aquilo que fizeram ao longo de todo o jogo.

 

A FIGURA

Fonte: SC Braga

Trincão – Está num grande momento de forma e hoje somou mais uma boa exibição ao serviço do emblema que vai representar até ao final da época. O futuro reforço blaugrana é mesmo um craque e apontou o primeiro golo da partida. A sociedade com Ricardo Esgaio revelou-se muito produtiva com os lances mais perigosos a surgirem do corredor direito. A forma como trata a bola é um regalo para os olhos e a sua entrega ao jogo sem medo de assumir o protagonismo, reforçam a convicção de que estamos perante uma futura estrela do futebol nacional.

 

O FORA DE JOGO

Fonte: CS Marítimo

Bambock – Combativo na primeira parte, viu o cartão amarelo e acabou por ser o sacrificado ao intervalo quando José Gomes procurava dar a volta à contenda.

 

ANÁLISE TÁTICA – CS MARÍTIMO

O Marítimo entrou em campo distribuído num 1-4-3-3, que procurava pressionar à frente e assim condicionar a primeira fase de construção do Sporting de Braga. Muitas vezes não foram bem sucedidos nessa tarefa, e frequentemente vimos os homens de Braga a aparecerem libertos no corredor, uma vez vencida essa pressão dos insulares. Rúben Ferreira foi quem mais sofreu no corredor esquerdo, com muitas dores de cabeça fruto das investidas de Trincão e Esgaio que em superioridade causaram muito perigo. A alteração ao intervalo foi feliz, com Jorge Correa a marcar o golo, contudo foi pouco aquilo que fez em termos de produção ofensiva hoje o conjunto orientado por José Gomes.

 

ONZES INICIAIS E PONTUAÇÕES

Amir (7)

Bebeto (6)

Zainadine (6)

Rene (6)

Ruben Ferreira (5)

Edgar Costa (5)

Bambock (5)

Diego Moreno (5)

Daizen Maeda (6)

Nanu (5)

Joel (5)

 

SUBS UTILIZADOS

Jorge Correa (7)

Erivaldo (5)

Getterson (-)

 

ANÁLISE TÁTICA – SC BRAGA

Rúben Amorim apostou novamente no seu esquema 1-3-4-3 privilegiando uma construção a partir de trás com os centrais a trocar a bola entre si. O golo cedo permitiu maior tranquilidade na gestão do jogo. Bem organizados defensivamente e sobretudo utilizando o corredor direito para atacar, a equipa do Sporting de Braga foi sempre quem mais fez por ganhar o jogo. O golo do empate não trouxe alterações ao modo de jogar da equipa que continuou a ser paciente na construção. A fé no processo e a alma de guerreiro foram fatores que determinaram o vencedor de hoje, numa vitória que se ajusta face aquilo que produziram as duas equipas.

 

ONZES INICIAIS E PONTUAÇÕES

Matheus (6)

David Carmo (6)

Raúl Silva (6)

Bruno Viana (6)

Ricardo Esgaio (7)

Sequeira (6)

Fransérgio (6)

João Novais (6)

Trincão (8)

Ricardo Horta (6)

Paulinho (7)

SUBS UTILIZADOS

Palhinha (6)

Galeno (6)

Abel Ruiz (-)

 

Foto de Capa: SC Braga

 

Anúncio Publicitário