A CRÓNICA – QUEM NÃO MARCA…

Depois da visita do FC Porto a meio da semana, para a Taça de Portugal, o Estádio do Fontelo recebeu desta vez o CD Feirense, em jogo a contar para a 20ª jornada da Segunda Liga. Numa tarde onde o sol foi aparecendo a espaços, também a primeira parte foi de “várias caras”. No início, com o ascendente do lado da turma academista, foi na cabeça de Latyr Fall que esteve a grande oportunidade para abrir o ativo, mas o cabeceamento não foi conseguido a 100% e a bola saiu sem força e sem direção. Em seguida, a partida entrou num período no qual nenhum dos guarda-redes foi chamado a intervir de forma complicada, mas não é por isso que se jogou mau futebol. Ambas as equipas iam trabalhando o jogo a meio-campo, mas as respetivas defesas não permitiram o desenvolvimento de oportunidades de perigo. Na parte final, as balizas entraram em jogo e, de parte a parte, criaram-se situações de golo, mas foi mesmo com 0-0 no marcador que se chegou ao intervalo. A iniciar a segunda parte, à semelhança do que aconteceu na primeira, uma boa entrada dos viseenses proporcionou-lhes duas grandes oportunidades para se colocarem em vantagem, mas em ambas Caio Seco disse “presente” e salvou os homens de Santa Maria da Feira. Numa altura em que a chuva começou a cair, ainda que com fraca intensidade, deu-se a primeira grande oportunidade de golo para o Feirense, já depois do minuto 70. Quando toda a gente já dava como garantido o nulo, eis que, na sequência de um pontapé de canto, Ramires apareceu sozinho ao segundo poste e deu a vitória ao Feirense. Com este duro golpe para os viseenses, os três pontos viajam para Santa Maria da Feira e colocam a equipa local na marca dos 30 pontos, saltando assim para o sexto lugar da tabela classificativa.

 

A FIGURA

Anúncio Publicitário
Fonte: CD Feirense

Ramires – Num jogo onde as oportunidades foram muito poucas para o Feirense, valeu-lhes a cabeçada certeira deste homem, já nos descontos. Nos restantes momentos do jogo, foi o elemento mais consistente do meio-campo “fogaceiro”, ajudando a destruir várias das tentativas adversárias.

 

O FORA DE JOGO

Fonte: Académico de Viseu FC

Luisinho – Não foi por falta de vontade que o extremo academista esteve menos bem na partida de hoje, mas sim pela falta de acerto nas ações que executou (ou tentou executar). Sem critério no momento ofensivo, muito vacilante no momento defensivo, o, hoje, capitão dos viseenses não foi capaz de demonstrar em campo a qualidade que possui.

 

ANÁLISE TÁTICA – ACADÉMICO DE VISEU FC

Dispostos no habitual 4-4-2, foi Latyr Fall quem assumiu o papel de “joker” na equipa viseense. Em momento defensivo, juntava-se a Carter e formavam o “2” da frente; em momento ofensivo, funcionava como um “faz tudo”, uma vez que tanto aparecia na área para finalizar, como se juntava aos homens do meio-campo para organizar e distribuir jogo. Com uma defesa muito sólida, destaque para a estreia do jovem Filipe Soares, produto da formação academista, em jogos do campeonato, fazendo parelha com o experiente e muito seguro Mathaus.

 

11 INICIAL E PONTUAÇÕES

Ricardo Janota (6)

Rui Silva (6)

Filipe Soares (6)

Félix Mathaus (6)

Lucas Silva (6)

Diogo Santos (6)

Zimbabwe (5)

Latyr Fall (6)

Luisinho (5)

Jean Patric (6)

Anthony Carter (6)

SUBS UTILIZADOS

João Mário (6)

Bruninho (5)

Nathan Júnior (5)

 

ANÁLISE TÁTICA – CD FEIRENSE

Alinhando a equipa em 4-2-3-1, Filipe Rocha procurou, claramente, forçar o lado direito adversário, através de constantes subidas do lateral esquerdo, Ruca, e da colocação do ponta-de-lança, Pedro Henrique, mais descaído para essa zona. No meio-campo, Fábio Espinho era a unidade mais adiantada, enquanto Christian e Ramires formavam uma dupla atrás do experiente jogador português. Foi mesmo na cabeça deste último que esteve o tento da vitória, numa altura já tardia do encontro.

 

11 INICIAL E PONTUAÇÕES

Caio Seco (6)

Tiago Mesquita (6)

Ícaro Silva (6)

Gui Ramos (6)

Ruca (6)

Ramires (7)

Christian (6)

Edson Farias (6)

Fábio Espinho (5)

Feliz (5)

Pedro Henrique (5)

SUBS UTILIZADOS

Abel Camará (5)

Vítor Silva (6)

Ença Fati (5)

 

BnR NA CONFERÊNCIA DE IMPRENSA

CD Feirense 

BnR – Enquanto esteve em campo, vimos o ponta de lança do Feirense, Pedro Henrique, a surgir muitas vezes do lado direito da defesa do Académico. Foi algo que tentou explorar, dada a presença nessa zona de um central viseense com pouca experiência?

Filipe Rocha – Quando vimos a ficha de jogo, tentámos dar algumas indicações nesse sentido. No entanto, não gosto de estar a desvalorizar qualquer adversário, pois a “arma” pode virar-se contra nós. Sabíamos que era um jogador jovem, mas até considero que fez um belo jogo.

Académico de Viseu FC

BnR – Quando retirou o Latyr, não temeu que a equipa pudesse ter mais dificuldades no momento de construção?

Rui Borges – Retirámos o Latyr, porque achámos que estava em quebra física. Ao colocar o Bruninho no seu lugar, juntámos o João Mário ao Carter na frente de ataque e deixámos o Bruno na ala, uma vez que tem características diferentes do João e do Jean. Mas quando se mexe e não resulta, a culpa é sempre do treinador. Não resultou hoje, mas noutros dias já funcionou e voltará a funcionar.

Foto de Capa: Alexandre Candeias / Bola na Rede

Artigo revisto por Joana Mendes