Cabeçalho Futebol Nacional

Não se procura arrumar as claques para um canto, mas sim dar-lhes as condições ideais para que produzam o seu próprio espetáculo, garantindo a segurança do resto da assistência.

As claques, por muito criticadas que sejam, fazem parte, hoje em dia, do espetáculo que é o futebol. Já não se vê um jogo de futebol nas primeiras divisões sem aqueles cânticos em uníssono que tentam empurrar a equipa para os três pontos, fim de semana após fim de semana.

As safe standing, bancadas destinadas para se assistir ao evento em pé, eram muito populares nos campos do Reino Unido, mas uma série de episódios fatais levou à proibição deste tipo de bancadas. Para que fossem novamente permitidas, várias claques e grupos associados de claques tentaram reverter esta decisão junto da FIFA e UEFA alegando que os novos modelos de cadeiras e as novas estruturas destas bancadas garantiam a segurança dos seus utilizadores. Embora exijam bancadas uniformizadas e todas repletas de lugares sentados para as competições europeias, estas entidades reguladoras e tutoras do futebol não obrigam ao mesmo procedimento nas provas caseiras.

O Orlando City SC, da MLS, fez obras num setor do seu estádio de forma a adotar as zonas em pé Fonte: MLS
O Orlando City SC, da MLS, fez obras num setor do seu estádio de forma a adotar as zonas em pé
Fonte: MLS

Muitos clubes têm adotado este tipo de bancadas para certos setores dos seus redutos de forma a permitir uma melhor organização e acomodação das suas claques, que passam todo o tempo do jogo em pé a entoar cânticos e a movimentar as suas bandeiras. O Orlando City SC, da MLS, permite, até, o uso de pirotecnia nestas zonas e os seus jogos em casa são característicos pelos “fumos roxos” provenientes de um dos topos do estádio. Uma das vantagens desta medida evidencia-se quando, de um momento para o outro, todas as bandeiras são recolhidas e dão lugar aos famosos tifos que voltarão, mais tarde, a ser substituídos pelas bandeiras. Exemplo disso é a “Yellow Wall”, o extraordinário cenário montado a cada jogo do BV Borussia Dortmund e cujos vídeos e imagens correm o mundo a cada partida realizada.

As opções para alternar o tipo de bancada entre jogos europeus e nacionais são várias e não passará por aí o problema de implantação desta medida. Por um lado, existem as cadeiras fixas através de parafusos e que podem ser removidas conforme a intenção, mas isso levanta um outro problema; em situações de extrema violência, a facilidade de as retirar e usar como objeto de arremesso é elevada e isso é algo que não se quer.

Anúncio Publicitário
1
2
Artigo anteriorO Ano Verde e Branco
Próximo artigoCarta Aberta a todos os órgãos de comunicação social
O Diogo ama futebol. Desde criança que se interessa por este mundo e ouve as clássicas reclamações de mãe: «Até parece que o futebol te alimenta!». Já chegou atrasado a todo o lado mas nunca a um treino. O seu interesse prolonga-se até ao ténis mas é o FC Porto que prende toda a sua atenção. Adepto incondicional, crítico quando necessário mas sempre lado a lado.                                                                                                                                                 O Diogo escreve ao abrigo do novo Acordo Ortográfico.