A vila de Mafra é principalmente conhecida por duas razões: primeiro, pelo Palácio Nacional de Mafra, monumento do estilo barroco declarado Património Mundial pela UNESCO, no ano passado, que começara a ser construído no século XVIII durante o reinado de D. João V. Segundo, porque pelo mesmo palácio, Mafra é um habitual destino de muitas visitas de estudo de alunos do 12º ano que estudam o Memorial do Convento, obra escrita por José Saramago.

Por outro lado, em termos desportivos, o concelho de Mafra nunca foi grande tema de conversa, até ao ano de 2015, em que o Clube Desportivo de Mafra se sagrou campeão do Campeonato Nacional de Seniores, conseguindo pela primeira vez na sua história, a promoção para os campeonatos profissionais.

No entanto, essa seria uma estadia de pouca dura, visto que o clube não conseguiria assegurar a manutenção na Segunda Liga. Passados dois anos, o CD Mafra alcançou uma nova promoção à Segunda Liga sob o comando técnico de Luís Freire, que actualmente ocupa o primeiro posto da Segunda Liga ao serviço do CD Nacional.

Quanto à equipa do distrito de Lisboa, depois de ter conseguido um 14º lugar na Segunda Liga em 18/19, conseguido a tão desejada manutenção, o CD Mafra tem sido das principais surpresas do futebol profissional em Portugal, ocupando actualmente o terceiro lugar na Segunda Liga com 39 pontos, menos cinco pontos que o SC Farense.

Vasco Seabra tem relançado a Carreira em Mafra
Fonte: CD Mafra

Como se diz na gíria futebolística, o CD Mafra é uma equipa de pouca imprensa e muito futebol. O clube que tem Vasco Seabra como treinador, possui um dos orçamentos mais baixos da Segunda Liga e para além dos ótimos resultados, pratica um futebol que privilegia o colectivo e que tem destacado vários jogadores que até então, eram praticamente desconhecidos.

Anúncio Publicitário

Um dos factos mais surpreendentes nesta equipa, é que o plantel é maioritariamente constituído por jogadores que nunca competiram na Primeira Liga, salvando-se casos como os de Joel Ferreira (ex-GD Estoril-Praia), Miguel Lourenço (ex- Vitória FC), João Tavares (emprestado pelo CD Feirense), Diego Medeiros (ex-Paços de Ferreira), Leandro Barrera (emprestado pelo CS Marítimo) e Lucas Rodrigues (emprestado pelo Moreirense FC).

Entra os jogadores mais influentes, a equipa conta com o experiente João Godinho. O guarda-redes de 35 anos representa o CD Mafra desde 2015, tendo acompanhado o clube na sua estreia no futebol profissional. Na defesa, Rubén Freitas, Juary, Miguel Lourenço e Joel Ferreira têm sido os jogadores mais utilizados.

O trio do meio-campo é constituído por jogadores que encontraram em Mafra um lugar ao sol no futebol profissional: Júnior Franco, João Tavares e Nuno Rodrigues. Nos extremos, Diego Medeiros e Zé Tiago são as habituais apostas no onze, enquanto a posição de ponta-de-lança é aquela onde tem havido maior rotatividade, com Flávio Silva, Lucas Rodrigues e Paul Ayongo a alternarem entre si ao longo da temporada.

Como se pode verificar, o plantel é maioritariamente composto por jogadores desconhecidos, e não existe nenhum jogador que sobressaia pelas estatísticas (Diego Medeiros é o melhor marcador da equipa com sete golos), o que demonstra aquele que é o principal ponto forte da equipa: o colectivo.

Em Mafra vê-se uma das propostas de jogo mais atractivas da Segunda Liga e talvez também seja aqui que se assista a uma das maiores surpresas da época no futebol português.

Foto de Capa: CD Mafra

Artigo revisto por Diogo Teixeira

Comentários