Ainda no final do mês de junho ficou confirmado: CD Aves desce à Segunda Liga Portuguesa. A equipa de Nuno Manta Santos não resistiu, embora tivesse tentando (mas não de forma intensa), não é matematicamente possível conseguir a manutenção. A equipa de Vila das Aves conta com apenas 14 pontos, menos 13 pontos que o penúltimo classificado – sendo este o Portimonense SC.

O treinador, Nuno Manta, despe-se de culpas e afirma que deu tudo de si para que a equipa avense estivesse numa situação mais satisfatória. A derrota caseira frente ao Moreirense FC por uma bola (e o triunfo inacreditável do CS Marítimo sobre o SL Benfica) determinou a descida inevitável.

De relembrar, que o CD Aves tinha uma equipa em plena reconstrução – contando com 17 novos reforços e alguns jogadores provenientes da equipa sub-23, visto a triste perda de nove titulares importantes. Augusto Inácio, que ainda estava ao comando técnico do CD Aves no início da época já não começou a mesma com o pé direito, face a isto dou como argumento as sete derrotas em apenas oito jornadas realizadas e a eliminação da equipa da Taça da Liga. O pico do comando técnico de Augusto Inácio deu-se na eliminação da equipa em fases precoces da Taça de Portugal, frente ao campeão da Segunda Liga Portuguesa, o SC Farense, e o técnico português é dispensado das suas funções.

Segue-se Leandro Pires, treinador da equipa sub-23 que conquistou a Taça Revelação da época passada, mas o estreante da Primeira Liga apenas dura três jogos no comando técnico.

Anúncio Publicitário

A aposta mantém-se em Nuno Mantas desde a 12ª jornada, apenas dois dias depois de abandonar o CS Marítimo (que também não estava em bons lençóis, diga-se de passagem). O técnico português começou logo a colher frutos, conseguindo arrancar duas vitórias e saindo da zona de despromoção. Uma segunda volta penosa feriu, e de que maneira, a força avense.

O Clube Desportivo das Aves despede-se do maior escalão do futebol português após três épocas e uma conquista de Taça de Portugal, frente ao Sporting CP.

A equipa registou a sua melhor posição de sempre adquirida na época de 2017/2018, quando conseguiu arrancar o 13º lugar, sob o comando técnico de Ricardo Soares. Ao comando de Lito Vidigal a equipa consegue manter-se no primeiro escalão.

E, uma das maiores (se não a maior) conquista do clube de Santo Tirso foi vencer a Taça de Portugal de 2018, frente a um leão ferido após o ataque em Alcochete. O homem por detrás deste feito inédito é José Mota, que ainda assegurou a disputa da Supertaça Cândido Oliveira – onde perdeu frente ao FC Porto.

Uma equipa que marca a história do futebol português, destemida e ambiciosa. Que levou o nome de Vila das Aves a todo o lado e o orgulhou, e de que forma. CD Aves, promete regressar e continuar a sua história no futebol português!

Artigo revisto por Joana Mendes

Comentários