Anterior1 de 2Próximo

Cabeçalho Futebol Nacional

No distrito de Aveiro, em Santa Maria da Feira, mora uma equipa extremamente moralizada com um passado recente de resultados que tem surpreendido tudo e todos.

Os azuis da feira, que nas últimas duas temporadas já conheceram vários treinadores, têm conseguido encontrar o caminho para a estabilização e sobretudo para garantir a permanência na primeira liga. Esse caminho tem sido feito junto dos seus adeptos, mas não só. Em Santa Maria da Feira há um Manta –sim, não é uma manta mas um- que tem feito os fogaceiros acreditar que é possível fazer-se muito com pouco. Mas já lá vamos.

O Feirense é uma equipa que não tem grande tradição na primeira liga. A equipa conta com 5 participações na primeira liga, sendo que a melhor classificação na primeira liga da equipa de Santa Maria da Feira, data de 1962 com um 14º lugar alcançado. O Feirense já tinha participado na primeira liga, há não muito tempo atrás. Em 2011/2012, com Quim Machado e depois Henrique Nunes no comando da equipa, o Feirense não conseguiu evitar a descida de divisão, ficando atrás do Rio Ave a quatro pontos de distância do sonho da manutenção. A partir daí, e já na segunda divisão ,o objetivo dos fogaceiros foi o de cimentar as bases da equipa, através da formação e da contratação consciente de novos ativos, para depois voltar a pensar na subida de divisão. Depois de três temporadas em que a equipa nunca se conseguiu aproximar muito dos lugares da subida, a equipa investiu num plantel mais forte e no jovem Pepa para treinar a equipa, na temporada passada. O objetivo foi concluído com sucesso, primeiro com Pepa e depois com José Mota a garantirem a subida através de um terceiro lugar, num ano em que Rodrigo Nunes, homem que já se encontrava na estrutura do Feirense, se estreou como Presidente do clube.

Nesta temporada, a equipa acabou por mexer no plantel contratando alguns jogadores com maior experiência de primeira liga, como: Peçanha, Paulo Monteiro, Babanco, Jean Sonny, Tiago Silva, Ricardo Dias, Luis Aurélio, Pelé. A ideia consistia em juntar elementos com maior rodagem com jogadores jovens com espaço para crescer, casos de Etebo e Fabinho, por exemplo. O início da temporada até não correu mal. Apesar da dificuldade perante certas equipas, o Feirense ia conseguindo somar os seus pontos e estava a ser, a par do Chaves, uma das boas surpresas do campeonato. O pior veio depois, com a equipa fogaceira a somar nove jogos consecutivos sem vitórias.

Os fogaceiros têm se mantido unidos na luta pela manutenção Fonte: CD Feirense
Os fogaceiros têm se mantido unidos na luta pela manutenção
Fonte: CD Feirense

Foram nove jogos em que para além da equipa não ter apresentado resultados, jogou-se um mau futebol. A equipa estava desencontrada, como se de uma manta de retalhos se tratasse, os jogadores encontravam-se cansados, sem opções e a posição na tabela classificativa começava a assustar os azuis da feira. A verdade é que a direção não quis esperar muito mais, deu-se o despedimento de José Mota, um dos treinadores mais experientes da primeira liga e a aposta, recaiu em Nuno Manta Santos, um jovem que já estava na casa dos fogaceiros desde 2010, alternando as funções de técnico adjunto com as de treinador dos júniores.

Anterior1 de 2Próximo

Comentários