Depois da subida em 2016 e regresso à Primeira Liga Portuguesa, o GD de Chaves vive a época mais atribulada deste seu retorno. Em 2017, com Ricardo Soares e Jorge Simão, conseguiram um tranquilo 11.º lugar, sendo que na época passada roçaram os lugares europeus, conseguindo um sexto lugar com Luís Castro.

Sendo um clube estável e com um plantel bem apetrechado dentro do seu contexto, esperava-se que esta temporada o GD de Chaves garantisse a permanência cedo para olhar para a conquista de um lugar europeu. No entanto, a equipa Transmontana tem estado “desastrada” e tem sentido enormes dificuldades, ocupando, com 17 jornadas já jogadas, o último lugar da classificação, a quatro pontos dos lugares de permanência.

Depois de 17 jogos oficiais, Daniel Ramos foi afastado do comando técnico e substituído por Tiago Fernandes. Estreante na Primeira Liga, o técnico português de 37 anos é o escolhido pela direção Transmontana para garantir a permanência do clube entre a elite do futebol português.

O ex técnico interino do Sporting Clube de Portugal, período no qual derrotou o “seu” GD de Chaves e o CD Santa Clara, mas onde também conseguiu um empate a zeros no Emirates Stadium ante o Arsenal FC, conquistou o universo leonino devido à sua paixão e vontade de representar os “verdes e brancos”, apresentando um estilo estratégico e um Sporting CP disciplinado taticamente, que, sem deslumbrar e encher o olho aos adeptos, conseguia o resultado e objetivo pretendidos.

Estes três jogos bastaram para conquistar o público e a comunicação social, que viam nele competência a mais para o nível onde trabalhava. Acabou por ser “promovido” a treinador principal dos sub-23, aquando da chegada de Marcel Keizer, mas, dois jogos depois, aceitou o desafio do GD de Chaves e lançou-se na sua primeira verdadeira aventura na Primeira Liga Portuguesa.

Tiago Fernandes encontrou um plantel recheado de qualidade
Fonte: GD Chaves

Os Valentes Transmontanos não sentiram logo o efeito da troca de treinador e, nos primeiros três jogos, a equipa, com Tiago Fernandes no leme, somou três derrotas, duas para a Liga e outra para a Taça de Portugal. Para além das derrotas, a situação era alarmante, porque não se notavam grandes diferenças na equipa e não se conseguia avistar a evolução necessária para a salvação. A equipa apresentava vontade em fazer mais, mas de uma forma pouco confiante, que, irremediavelmente, conduzia a derrotas.

A partir do quarto jogo, já se começaram a notar diferenças. Esse quarto jogo foi perante o Varzim SC, a contar para a Allianz Cup, tendo a equipa Transmontana vencido por 3-1 e ficado a um golo do apuramento para a final four. Os Flavienses começaram a consolidar o processo defensivo (apenas 2 golos sofridos, nos últimos 4 jogos), imagem de marca que Tiago Fernandes deixou no curto período à frente do destino do Sporting CP, e começou a atacar com outra fluidez e confiança, faltando, no entanto, mais presença ofensiva para criar outro número de ocasiões e, sobretudo, mais flagrantes.

Seguiram-se dois empates a zero, com CD Feirense e Vitória FC, e, na última jornada, voltaram às vitórias, batendo o CD Tondela que se encontrava num grande momento de forma – os Transmontanos não ganhavam para a Liga desde 21 de setembro.

Apesar da época muito abaixo das expetativas, o clube é um dos mais apoiados da Primeira Liga
Fonte: GD Chaves

Esta vitória poderá dar outro ânimo às hostes do GD de Chaves. Vamos ver se Tiago Fernandes consegue salvar os Transmontanos e, sobretudo, devolver a confiança aos seus jogadores. O mercado de inverno tem sido bastante movimentado em Trás-os-Montes, tendo a equipa perdido dois dos seus melhores e mais valiosos ativos, Marcão e Stephen Eustáquio.

Se Marcão, foi substituído por um desconhecido, mas com bom currículo (internacional A pela Sérvia e titularíssimo nas últimas três temporadas), de nome Nemanja Ćalasan e que promete muito, Eustáquio foi substituído por João Costinha, médio com muita experiência de Primeira Liga, de alta rotação, que tem pouco de comum com o homem que vai substituir, mas que acrescenta algo que mais nenhum médio no plantel sabe fazer, sobretudo no capítulo do transporte e progressão com a bola.

Também chegaram Rúben Macedo, emprestado pelo FC Porto que já foi titular contra o CD Tondela, e Luther Singh, emprestado pelo SC Braga que também foi titular nos últimos três jogos, ambos para os corredores ofensivos, e ainda Erdem Sen, médio de características mais defensivas que mostrou imensa qualidade na sua passagem no CS Marítimo. Vamos ver que GD de Chaves vamos ter na segunda volta e se Tiago Fernandes continuará a cotar-se ainda mais no universo do futebol português.

Foto de Capa: GD Chaves

Artigo revisto por: Rita Asseiceiro

Comentários